“ESTUDAR PARA QUÊ?” OU A VIDA QUE INSURGE PELAS ESCOLAS

Steferson Zanoni Roseiro, Nahun Thiaghor Lippaus Pires Gonçalves, Nayara Santos Perovano

Resumo


Os modos de pensar a função da escola são fabuladas entre vidas alienígenas, rebeldias e insurreições. Aqui, a força coletiva potencializa e cria rupturas além dos diagramas do poder e dos currículos traçados. Declara-se contra as pedagogias-engenheiras que, por projetarem os futuros, amarram todos os corpos curricularizados ao tempo presente, fabricando as imagens de aluno-ideal. Assim, a escola é apresentada em um paradoxo de educar para o amanhã ao mesmo tempo que limita os futuros compossíveis. Amparada na escrita fabulatória, pensa as rebeldias e insurreições estudantis como o cerne da própria escola. Não há função escolar que não perpasse as vidas de alunas e alunos. Por isso mesmo, a escola é uma luta constante que tenta afirmar a multiplicação da vida.

Palavras-chave


alienígena. Rebeldia e insurreição. Fabulação. Função da escola. Aluno-ideal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Davis Moreira; MAÇÃO, Izabel Rizzi; ROSEIRO, Steferson Zanoni. Ano 2091 – silêncio nas filosofias da educação: por uma cartografia das resistências escolares. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 46, e223171, 2020.

ALVIM, Davis Moreira; RODRIGUES, Alexsandro. Coletivos, ocupações e protestos secundaristas: a fênix, o leão e a criança. ETD - Educação Temática Digital, v. 19, n. Especial, p. 75-95, 2017.

CENTELHA. Ruptura. São Paulo: n-1 edições, 2019.

COMITÊ INVISÍVEL. Aos nossos amigos: crise e insurreição. Trad. Edições Antipáticas. São Paulo: n-1 edições, 2016.

COMITÊ INVISÍVEL. Motim e destruição agora. Trad. Vinícius Honesko. São Paulo: n-1 edições, 2017.

CONSELHO NOTURNO. Um habitar mais forte que a metrópole. Trad. Edições Qualquer. São Paulo: Glac Edições 2019.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo: cinema 2. Trad. Eloísa Araújo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 1. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 2011a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. 2. ed. São Paulo: Ed. 34, 2011b.

GUATTARI, Felix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. Trad. Suely Rolnik. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. Trad. Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2015.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Trad. Carlos Duarte e Anna Duarte. São Paulo: Martin Claret, 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.53584

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: