EDUCAÇÃO EM COLETIVO: POSSIBILIDADES DE TRANSBORDAR MUNDOS E REINVENTAR SENTIDOS

Geisa Ferreira do Nascimento

Resumo


O presente texto é uma pesquisa narrativa sobre/com o Coletivo de educação que experimenta uma prática educativa entre adultos/as e crianças, na cidade do Rio de Janeiro.  O trabalho reflete sobre os caminhos teóricos-metodológicos e de formação que se constituíram ao longo dessa prática educativa. Debate teorias e referências de uma epistemologia negra com autores/as discutindo educação também a partir da emoção, do corpo, da sensibilidade, do lugar de fala e da experiência. O mergulhar nesta prática permite investigar seus princípios e inspirações, o tempo e as infâncias, as relações entre crianças, adultos/as e ambiente e os processos de formação, problematizando e recriando a prática pedagógica, o envolvimento infantil e o viver em coletivo.


Palavras-chave


Educação Infantil; Corpo; Formação; Práticas Antirracistas.

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, S. Maria Aparecida. Branqueamento e branquitude no Brasil. In:______ (org). Psicologia social do racismo. Petrópolis: Vozes, 2002. Disponível em: . Acesso em abril de 2019.

CAVALLEIRO, Eliane. Educação anti-racista: compromisso indispensável para um mundo melhor. In: CAVALLEIRO, Eliane (org). Racismo e Anti-racismo na Educação – repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa Narrativa: experiências e história em pesquisa qualitativa. 2ª ed. Uberlândia, MG: EDUFU, 2015.

DUARTE JÚNIOR, João-Francisco. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 3. ed. Curitiba: Criar, 2001.

EVARISTO, Conceição. Minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra. 2017. Disponível em: . Acesso em Maio de 2018.

FERRAÇO, Carlos. Eu, caçador de mim. In: GARCIA, Regina Leite (org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

FERREIRA, Luciana.; PRADO, G. V. T.; ARAGÃO, A. M. F.; A formação do professor por suas narrativas: desafios da docência. NuTECCA – IFSP - Revista Hipótese, Itapetininga, v. 1, n. 4, p. 204-227, 2015.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir – História da violência nas prisões. 38 ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2010

GARCIA, Regina Leite. Tentando compreender a complexidade do cotidiano. In: GARCIA, R. L. (org.). Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A,2003.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

KOHAN, Walter. (org.) Lugares da infância: filosofia. DP&A, 2004.

LEAL, Bernardina. Leituras da infância na poesia de Manoel de Barros. In: KOHAN, W.. Lugares da Infância: filosofia. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho – Ensaios sobre a sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2004.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Masschelein. A pedagogia, a democracia, a escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MIGLIORIN, Cezar. O que é um coletivo? In: André Brasil. (Org.). Teia - 2002/2012. 1ed. Belo Horizonte: Teia, 2012, v. 1, p. 307-316.

NOGUERA, Renato. Entre a linha e a roda: infância e educação das relações étnico-raciais. Revista do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes, vol.1, n.15. UNIGRANRIO, 2017.

______. O ensino de Filosofia e a Lei 10639. 1aed. Rio de Janeiro: Pallas: Biblioteca Nacional, 2014.

______. Denegrindo a educação: Um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 18: maio-out/2012. p. 62-73.

______. Ubuntu como modo de existir: elementos gerais para um ética afroperspectivista. Revista da ABPN, v.3, n.6, nov. 2011- fev 2012.

________. Afrocentricidade e educação: os princípios gerais para um currículo afrocentrado. Revista África e Africanidades, ano 3, n. 11, nov. 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2018.

SAMPAIO, Carmen S.; RIBEIRO, Tiago. Pesquisas com os cotidianos e formação docente: artes de fazer com. In: OLIVEIRA, I. B. de; GARCIA, A. (Org.). Aventuras de conhecimento: utopias vivenciadas nas pesquisas em educação. 1ed.Rio de Janeiro: DP et Alii; FAPERJ, v. 1, p. 147-158, 2014.

SKLIAR, Carlos. Infâncias da linguagem, infâncias da infância, memórias de infâncias: depois é tarde demais. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v.14, p 245-260, maio-ago. 2018.

TRINDADE Azoilda Loretto da. Valores e Referências Afro-brasileiros. In: BRANDÃO, A. P.; SANTOS, K. (orgs). Saberes e Fazeres: Caderno de Metodologia. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2015.

_______. Valores Civilizatórios Afro-Brasileiros na Educação Infantil. In: TRINDADE, Azoilda Loretto da (org). Africanidades brasileiras e educação: salto para o futuro. Rio de janeiro: TV escola /MEC, 2013.

________. O Projeto Político Pedagógico na escola: aplicação da Lei 10639/03. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

________. Educação-Diversidade-Igualdade: num tempo de encanto pelas diferenças. Revista Fórum de Identidades. Ano II, v. 3, n. 3, jan. – jun. 2008 https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/view/1740/1531. Acesso em nov/18.

________. Fragmentos de um discurso sobre afetividade. In: BRANDÃO, A. P. (coord). Saberes e Fazeres, v.1:modos de ver. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.45824

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: