CORPOS CHEIOS DE SI E DO OUTRO: ENCONTROS ENTRE CRIANÇAS E ADULTOS NA CRECHE

Deise Arenhart, Daniela de Oliveira Guimarães, Adriane Soares dos Santos

Resumo


Este artigo tem como objetivo compartilhar reflexões que se produziram a partir de uma pesquisa monográfica realizada com crianças de dois anos, no contexto de uma instituição pública de Educação Infantil, na qual focalizamos as relações e sentidos que são mobilizados pelo corpo nos encontros entre crianças e adultos na creche. Os instrumentos de pesquisa utilizados foram: observação e registro em diário de campo, fotografia e entrevista com professoras da turma pesquisada. No diálogo com a empiria, destacamos os movimentos relacionais das crianças entre si, destas com os adultos e destes com as crianças. Os sentidos mobilizados pelo corpo nesses encontros passam por afeto, força, cuidado, cumplicidade, resistência, confiança, poder e controle.


Palavras-chave


Corpo, Crianças, Adultos, Creche, Relações.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENHART, Deise. Culturas infantis e desigualdades sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

ARENHART, Deise; GUIMARÃES, Daniela; SANTOS, Núbia Oliveira. Docência na Creche: o cuidado na educação das crianças de zero a seis anos. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1677-1691, out./dez. 2018.

CORSARO, William. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. In: Educação e Sociedade: Revista de Ciência da Educação. Vol. 26, maio/ago-2005. Campinas, SP: Cedes.

COUTINHO, Ângela Scalabrin. O corpo dos bebês como lugar do verbo. In: ARROYO, M.; SILVA, M. R. (orgs.): Corpo Infância: exercícios tensos de ser criança.Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FALK, Judit. Educar os três primeiros anos: a experiência de Lòczy. Araraquara, SP: JM Editora, 2004.

FERREIRA, Maria Manuela M. “A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos”- as crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no quotidiano de um Jardim de Infância. Porto: Universidade do Porto (tese de doutorado), 2002.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: histórias das violências nas prisões. 33ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

_________________. A ética do cuidado de si como prática da liberdade (1984) IN: FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos, vol V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GUIMARÃES Daniela. As relações entre os bebês e os adultos na creche: o cuidado como ética. São Paulo: Cortez, 2011.

JAMES, A.; JENKS, C.; PROUT, A. O corpo e a infância IN: KOHAN, Walter & KENNEDY, David (orgs). Filosofia e Infância: possibilidades de um encontro. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

KOHAN Walter. Infância: entre Educação e Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PINO, Angel. As marcas do humano –: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotsky. São Paulo: Cortez, 2005.

RAVEL, Judith. Nas origens do biopolítico de Vigiar e Punir ao pensamento da atualidade IN: GONDRA, José & KOHAN, Walter (orgs.). Foucault 80 anos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SAYÃO, Deborah Thomé. Corpo e movimento: alguns desafios para a Educação Infantil.Revista zero a seis, -. UFSC, Santa Catarina, v. 4, n. 5, p.1-11, jan/jul. 2002.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, M. J. e GOUVEA, M. C. S. De (orgs). Estudos da Infância: educação e práticas sociais.Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.

SILVA, Maurício Roberto. Trama Doce-Amarga: exploração do trabalho infantil e cultura lúdica.São Paulo: HUCITEC; IJUÍ: Unijuí, 2003.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. A formação social da mente. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. Lisboa/Portugal: Edições 70, 2005.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.45803

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: