ALICE EM AULAS DE MATEMÁTICA: O RELATO DE UMA ESTUDANTE COM ARTROGRIPOSE NO ENSINO REGULAR

Dilson Ferreira Ribeiro

Resumo


O texto é a análise do relato de uma estudante da Educação Básica com artrogripose. O objetivo é permitir com que professores compreendam a necessidade de desmistificar ideias que rotulem todos os deficientes físicos como pessoas que tenham dificuldades de aprendizagem. Toma-se como referência, aulas de Matemática em uma Educação Inclusiva cujo destaque é o respeito à singularidade e à diversidade. Nas seções, consideram-se fatores cuja reflexão permite com que professores levem em consideração, ao desenvolver suas propostas de ensino, o fator humano. Assim, a análise conclui que, por mais severa que seja a deficiência de um estudante, há que se levar em consideração suas habilidades, permitindo com que propostas de ensino possam ter êxito, de acordo com as limitações de cada pessoa.


Palavras-chave


Artrogripose; Ensino de matemática; Educação inclusiva

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Celso. A avaliação da aprendizagem escolar. 10. ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 2013.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e Avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2006.

CAMPBELL, Selma Inês. Múltiplas faces da inclusão. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2016.

CIASCA, Sylvia Maria. et. al. Transtornos de aprendizagem: Neurociência e interdisciplinaridade. Ribeirão Preto, SP: Book Toy, 2015.

DIAS, S. Inclusão e Subjetividade: Projeto moral ou ético. Educação e Subjetividade. Ano 1, n. 2, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 maio. 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GONZÁLES REY, Fernando Luis. Os aspectos subjetivos no desenvolvimento de crianças com necessidades especiais: Além dos limites concretos do defeito. In: MARTÍNEZ, Albertina Mitijans, TACCA, Maria Carmen Vilella Rosa (Orgs.) Possibilidades de Aprendizagem: Ações pedagógicas para alunos com deficiência. Campinas, Alinea, 2011, p. 47-70.

MARCHI, Rita de Cássia; SARMENTO, Mamoel Jacinto. Infância, Normalidade e direitos das crianças: transições contemporâneas. Educ. Soc., Campinas, V. 38, n. 141, out. – dez., 2017, p. 951-964.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: As abordagens do Processo. São Paulo: EPU, 1986.

MOYSÉS, Lucia. Aplicações de Vygotsky à Educação matemática. 11. ed. Campinas, SP: Papirus Editora, 2012.

NÓVOA, Antonio. (Org.). Vidas de Professores. 2. ed. Porto Alegre: Porto Editora, 2000.

OLIVEIRA, Ricardo Kaempf. et al. Osteotomia Intracárpica Biplanar no Tratamento de Pacientes com Artrogripose. Revista Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. São Paulo, v. 53, n. 6, fev. 2018, p. 687 – 695.

PIERUCCI, Antonio Flávio. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora34, 1999.

QVORTRUP, Jens. A tentação da diversidade – e seus riscos. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, out.-dez. 2010, p. 1121-1136.

RAAD, Ingrid Lilian Fuhr; TUNES, Elisabeth. Deficiência como latrogênese. In: MARTÍNEZ, Albertina Mitijans, TACCA, Maria Carmen Vilella Rosa (Orgs.) Possibilidades de Aprendizagem: Ações pedagógicas para alunos com deficiência. Campinas, Alinea, 2011. p. 15-46.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

VELÁZQUEZ, Fidela. et al. Matemáticas e Internet. Barcelona: Graó, 2004.

VERAS, Maura Pardini Bicudo. Exclusão Social – Um Problema Brasileiro de 500 Anos: Notas Preliminares. In: SAWAIA, Bader (Org.). As artimanhas da Exclusão: Análise Psicossocial e Ética da Desigualdade Social. 14. ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2014. p. 29-52.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.45505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: