O MODELO DO CORPO NA FILOSOFIA DE ESPINOSA E A PEDAGOGIA DO COMUM: CONVERSAS COM QUEM GOSTA DE GELEIA DE GROSELHA

Luiz Renato Paquiela Givigi

Resumo


Este texto tem o objetivo de investigar as relações entre mente, corpo, conhecimento e afetividade na obra do filósofo holandês Bento de Espinosa (1632-1677). Busca-se, a partir deste exercício de apreensão conceitual, pensar o estatuto do corpo em sua obra, levantando algumas implicações dessa compreensão para a prática pedagógica. Por extensão, pretende-se articular Espinosa ao tema da educação em geral, vinculação pouco explorada quando comparada a outros pensadores clássicos da história da filosofia. Espinosa não possui uma teoria sobre a educação, no sentido pedagógico tradicional; o tema é pouco mencionado explicitamente em sua obra. Procura-se analisar este problema, levantando algumas pistas para a formulação de um éthos pedagógico inspirado em sua filosofia.

 


Palavras-chave


Espinosa, Corpo, Conhecimento, Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. Conversas com quem gosta de ensinar. São Paulo: Editora Cortez, 1980.

BOVE, L. Espinosa e a psicologia social: ensaios de ontologia política e antropogênese. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BOVE, L. Da confiança política: construir a Hilaritas democrática. Tradução: Bernardo Bianchi. In: GRASSET, B. N. A.; FRAGOSO, E. A. R.; ITOKAZU, E. M.; GUIMARÃES, F.; ROCHA, M. (orgs.) Spinoza e as Américas: Vol. 2. Fortaleza: EdUECE, 2014, p. 215 – 235.

CHAUÍ, M. Laços do desejo. In: NOVAES, A. (Org). O Desejo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COLERUS, J. Vida de Spinoza. Tradução: Emanuel Angelo da Rocha Fragoso. Disponível em: . Acesso em: 20 de out de 2019.

DELEUZE, G. Cursos sobre Spinoza (Vincennes, 1978-1981). Tradução: Emanuel Angelo da Rocha Fragoso e Hélio Rebello Cardoso Junior. Fortaleza: EdUECE. Coleção Argentum Nostrum, 2009.

______. Espinosa e o problema da expressão. Tradução: GT Deleuze. Coordenação de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2017.

______. Espinosa: filosofia prática. Tradução: Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, Vol.1. Tradução: Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2011.

______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol.5. Tradução: Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2012.

ESPINOSA, B. Tratado Político. Tradução: Diogo Pires Aurélio; revisão Homero Santiago. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

______. Tratado Teológico Político. Tradução: Diogo Pires Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Tratado da Reforma da Inteligência. Tradução: Lívio Teixeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

MAGGIORI, R. Conversas com Deleuze e Guattari no jornal parisiense Libération (12 de setembro 1991), p. 17-19. In: Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, vol. 8, nº 2, p. 164 - 168 , out.-dez. 2015. Traduzido por Guilherme Ivo e Mariana de Toledo Barbosa. Disponível em http://tragica.org/artigos/v8n2/traducao.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

MAQUIAVEL, Nicolau. Discurso sobre a primeira década de Tito Lívio. Tradução: Martins Fontes. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

NEGRI, A. A anomalia selvagem: poder e potência em Spinoza. Tradução: Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

RABENORT, W. L. Spinoza como educador. Tradução: GT Benedictus de Spinoza (Coordenação Emanuel Angelo Fragoso/Francisca Juliana Barros Sousa Lima). Fortaleza: EdUECE, 2016.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições de emancipação intelectual. Tradução: Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

REZENDE, C. N. A gênese textual da doutrina da educação das crianças no Tratado da Emenda do Intelecto de Espinosa. In: Espinosa: educação e infância. Revista eletrônica de filosofia e educação da Unicamp, V 5, n. 1, p. 52-110, 2013. Disponível em https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/rfe/issue/view/262. Acesso em: 10 set. 2019.

SANTIAGO, H. S. e OLIVEIRA, F. B. Educação e Infância em Espinosa. Revista eletrônica da Unicamp. Filosofia e Educação, v. 5, n. 1, p. 1 - 7, 2013. Disponível em https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/rfe/issue/view/262. Acesso em: 10 set. 2019.

SÉVÉRAC, P. Conhecimento e afetividade em Spinoza. In: MARTINS, A. (org) O mais potente dos afetos: Spinoza e Nietzsche. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

______. A educação como ética: Spinoza e Vygotsky. In: GRASSET, B. N. A.; FRAGOSO, E. A. R.; ITOKAZU, E. M.; GUIMARÃES, F.; ROCHA, M. (orgs.). Spinoza e as Américas: Vol. 2. Fortaleza: Ed. UECE, 2014.

SPINOZA, B. Ética. Tradução: Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

______. Obra completa II: correspondência completa e vida. Guinsburg, J.; Cunha, N.; Romano, R. (orgs.). Tradução: Guinsburg, J.; Cunha, N. São Paulo: Perspectiva, 2014.

______. Tratado Teológico-Político. Tradução: Diogo Pires Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

TATIÁN, Diego. Homo cogitat: igualdad spinozista de las inteligências. XIIº Colóquio Internacional Espinosa e as Américas. Córdoba-ARG, 2015. (comunicação oral).




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.45273

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: