O ENSINO DE LIBRAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: FORMAS DE PERCEBER O SURDO E A LÍNGUA DE SINAIS

Hector Renan da Silveira Calixto

Resumo


Este estudo objetiva analisar formas de graduandos em pedagogia e geografia perceberem o surdo e a Libras. Especificamente pretende-se: apresentar percepções dos alunos de licenciatura sobre surdos e Libras antes de cursarem a disciplina Libras; apresentar as percepções depois da disciplina; e analisar mudança das percepções acerca dos surdos e da Libras. Como metodologia utiliza-se estudo de caso, com entrevistas semiestruturadas. Participaram da pesquisa 10 sujeitos, 4 antes da disciplina e 6 depois da disciplina. Conclui-se: antes da disciplina percepções clínico terapêuticas da surdez (surdo como deficiente, anormal e inferior) e Libras uma linguagem; após a disciplina percepções sócio antropológicas (surdo como diferente) e Libras língua legítima surdos brasileiros.


Palavras-chave


língua brasileira de sinais, surdo, percepção, formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em . Acesso em 10 jul 2017.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica de Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. V. 2. N. 1 (3). jan/jul. 2005, p. 68-80.

GESSER, Audrei, LIBRAS: que língua é essa? crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial. 2009.

KAUARK, Fabiana da Silva; MANHÃES, Fernanda Castro; MEDEIROS, Carlos Henrique. Metodologia de pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum. 2010.

LOPES, Maura Corcini (org.). Cultura surda e Libras. São Leopoldo: Unisinos, 2012.

LUNARDI, Márcia Lise. Surdez: tratar de incluir, tratar de normalizar. Revista Educação Especial. Nº 26. 2005. p. 117-130. Disponível em . Acesso em 20 jun 2017.

MALHEIROS, Bruno Taranto. Metodologia da pesquisa em educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

OLIVEIRA, Amanda Melissa Bariano de. As barreiras e as oportunidades de inclusão do surdo no ensino regular. II Simposio Nacional de Educação. XXI Semana de Pedagogia: Infância, Sociedade e Educação. Campus de Cascavel, Out 2010. Disponível em . Acesso em 21 jun 2017.

OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de; MOTA NETO, João Colares da. A construção de categorias de análise na pesquisa em educação. In: MARCONDES, Maria Inês; OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de; TEIXEIRA, Elizabeth. Abordagens teóricas e construções metodológicas na pesquisa em educação. Belém: EDUEPA, 2011. p. 161-179.

PERLIN, Gladis. História dos surdos. Florianópolis: UDESC/CEAD, 2002.

SANTANA, Ana Paula. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus. 2007.

SKLIAR, Carlos (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação,1998.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.30063

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: