ACESSIBILIDADE AO CURRÍCULO ATRAVÉS DO USO DO COMPUTADOR PARA ESTUDANTES COM AUTISMO

Mara Monteiro Cruz, Fabiana Ferreira do Nascimento

Resumo


O presente artigo se propõe a discutir a utilização de recursos da Informática para promover acessibilidade ao currículo a partir de uma pesquisa de mestrado (AUTOR, 2017). A investigação aborda o uso da tecnologia na escolarização de dois estudantes com autismo, em uma escola pública do Rio de Janeiro, no Ensino Fundamental. As atividades realizadas na pesquisa são analisadas tendo em vista os pressupostos sobre acessibilidade ao currículo e Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA). Conclui-se que a acessibilidade ao currículo não deve estar pautada em possíveis déficits ou dificuldades dos estudantes, sua concepção deve ser ampla o suficiente para que este considere as características de todo o alunado.


Palavras-chave


ACESSIBILIDADE AO CURRÍCULO; AUTISMO; INFORMÁTICA EDUCATIVA

Texto completo:

PDF

Referências


APA – AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: ArtMed, 2014

_______ DSM-IV. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. D. Batista, 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

_______ Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (third edition). 1980. Disponível em: http://displus.sk/DSM/subory/dsm3. pdf. Acesso em: 24 set. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20/12/1996. Dispõe sobre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf Acesso em: 12 nov. 2015.

_______. Lei 12.764, de 27/12/2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em 23 dez. 2013.

_______. Decreto n. 5.296 de 02 de 02/12/2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm Acesso em: 05 ago. 2017

. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva – Brasília: CORDE, 2009. 138 p. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/livro-tecnologia-assistiva.pdf Acesso em: 01 jan. 2017.

BRAUN, P. A pesquisa-ação: aspectos conceituais, aplicação e implicações em investigações sobre educação especial. In: NUNES, L. R. d’O. P. (org.). Novas trilhas no modo de fazer pesquisa em Educação Especial. São Carlos: Ed. Marquezine & Manzini: ABPEE, 2014, p.89-101.

CHANGE. How to make information accessible. A guide to producing easy read documents. Disponível em: http://www.ageingwellinwales.com/Libraries/Documents/how-to-make-information-accessible.pdf Acesso em: 15 fev. 2016

CZERMAINSKI, F. R.; BOSA, C. A.; SALLES, J. F. Funções executivas em crianças e adolescentes com transtorno do espectro do autismo: uma revisão. Psico, v. 44, n. 4, p. 518-25, out./dez., 2013. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/11878/10844 Acesso em: 18 jan. 2016.

CORREIA, G. B. Educação especial e currículo: das adaptações curriculares a acessibilidade curricular. Anais do XI ANPED Sul. Curitiba: UFPR. Disponível em: http://www.anpedsul2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2015/11/eixo22_GILVANE-BELEM-CORREIA.pdf Acesso em: 10 ago. 2017.

AUTOR Ambiente virtual de aprendizagem para letramento de alunos com deficiência intelectual. Tese (doutorado em Educação). 246 páginas. Programa de Pós-Graduação em Educação (PROPED). Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2013

AUTOR et. al. Autismo e educação inclusiva: mediação pedagógica na era tecnológica. Portugal: Whitebooks, 2017.

EFGEN, A. P. S. Educação Especial e Currículo Escolar: Possibilidades nas práticas pedagógicas cotidianas. 2011. 221 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/2297/1/tese_5671_.pdf Acesso em: 10 ago. 2017.

FERNANDES, E. M.; ANTUNES, K. C. V.; GLAT, R. Acessibilidade ao currículo: pré-requisito para o processo ensino-aprendizagem de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular. In: GLAT, R. (org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, p. 53-61.

FERREIRA, A.B.H. Miniaurélio Século XXI: O minidicionário da língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

FREIRE, P. Sobre Educação. Vol. 2. 3a.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

GLAT, R. Somos iguais a vocês: depoimentos de mulheres com deficiência mental. 2. ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

HALL, T. E; MEYER, A.; ROSE, D. H. Universal Design for Learning in the classroom. Practical applications. New York: The Guilford Press, 2012

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL; MICROSOFT. Tecnologia assistiva nas escolas: recursos básicos de acessibilidade sócio-digital para pessoas com deficiência, 2008. Disponível em:http://www.ufjf.br/acessibilidade/files/2009/07/Cartilha_Tecnologia_Assistiva_nas_escolas_-_Recursos_basicos_de_acessibilidade_socio-digital_para_pessoal_com_deficiencia.pdf Acesso em 02 ago. 2017.

JESUS, D. M. de. O que nos impulsiona a pensar a pesquisa-ação colaborativo-crítica como possibilidade de instituição de práticas educacionais mais inclusivas. In: BAPTISTA, C. R. et al. (org.) Educação especial: diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2010, p. 139-59.

LEVY, P. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. 2a. ed. São Paulo: Editora 34.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Currículo, conhecimento e cultura. In: Indagações sobre o currículo do Ensino Fundamental - Salto para o Futuro. Brasília: TVEscola/SEED/MEC, 2007 Disponível em: http://cdnbi.tvescola.org.br/resources/VMSResources/contents/document/publicationsSeries/1426101400598.pdf#page=20 Acesso em: 10 ago. 2017

OLIVEIRA, E. MACHADO, K. S. Adaptações curriculares: caminho para uma Educação Inclusiva. In: GLAT, R. (org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. 2ª ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, p. 36-52.

PELOSI, M. B. A tecnologia assistiva como facilitadora do processo de ensino e aprendizagem: uma parceria do Instituto Helena Antipoff e a Terapia Ocupacional da UFRJ. In: ARANHA, G.; SHOLL-FRANC, A. (orgs) Caminhos da Neuroeducação. Rio de Janeiro: Ciência da Cognição, 2010. Disponível em: https://sites.google.com/site/tecnologiaassistivacombr/artigos-cientificos Acesso em: 02 ago. 2017.

AUTOR. Recursos tecnológicos: estratégias e perspectivas pedagógicas para alunos com transtorno do espectro do autismo. Dissertação (Mestrado em Ensino de Educação Básica). Programa de Pós-Graduação de Ensino em Educação Básica. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2017

REIS, L. A esquisita aranha Rita. 3ª. ed. São Paulo: Paulinas, 2008.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. 3ª. ed. São Paulo: Ed. Paulus, 2009.

SANTAROSA, L. M. C.; CONFORTO, D. Tecnologias móveis na inclusão escolar e digital de estudantes com transtornos de espectro autista. In: Revista Brasileira de Educação Especial - Marília, v. 21, n.4, 349-66, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v21n4/1413-6538-rbee-21-04-00349.pdf Acesso em 30 mar. 2016.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas V – Fundamentos de defectologia. Madri: Ed. Machado, 1995




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2018.30041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: