FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA E O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: REFLEXÕES SOBRE AS EXPERIÊNCIAS COM AS TÉCNICAS DE ENSINO NO ENSINO MÉDIO

Denizart Silva Fortuna, Juliana Nascimento

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido a partir do Subprojeto de Geografia (Niterói) da Universidade Federal Fluminense, vinculado ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Adotamos como temática central os desafios que atravessam as práticas curriculares no ensino de geografia e a formação inicial docente. Buscamos trazer reflexões e alguns dos resultados de trabalho em torno das técnicas de ensino, sua importância nas práticas docentes cotidianas, e, sobretudo, as que vêm sendo desenvolvidas no âmbito desse Projeto. Articulamos essas reflexões à relação ensino-aprendizagem e à relação teoria e prática na formação inicial docente. Esse foi o ponto central de nosso trabalho na unidade escolar Colégio Estadual Manuel de Abreu, situado no bairro Icaraí, no município de Niterói (RJ), no decorrer dos anos letivos de 2014 e de 2015. A nossa investigação acerca das técnicas de ensino desenvolvidas nas aulas de geografia do 2º e 3º ano e do Ensino Médio desdobra-se nas seguintes indagações: quais os resultados trazidos para a formação inicial docente e quais as representações que os bolsistas licenciandos envolvidos apreendem sobre tais técnicas e o seu “fazer docente”? Este estudo está baseado em alguns pressupostos, dentre eles as considerações acerca da (1) organização de um curso de geografia escolar; (2) a relação entre teoria e prática na formação inicial docente; e, (3) o papel da abordagem filosófica no desenvolvimento dos objetos/conceitos que dêem sentidos à transformação social essencialmente “positiva”.


Palavras-chave


Formação Inicial Docente; Técnicas de Ensino; Ensino-Aprendizagem; Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência; Ensino de Geografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, C.; BARBOSA, P. H.; FORTUNA, D. S., SILVA, A. C. P. O Ensino de Geografia e sua prática no Fundamental e Médio das escolas da rede oficial. (s/d) Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2004.

ARAÚJO, E. A.; BARCELOS, I.; FORTUNA, D. S.; SILVA, A. C. P. Reforma Curricular de Geografia no Ensino Médio: estratégias para a autonomização discente através de uma linguagem curricular interdisciplinar do saber geográfico. Rio de Janeiro: Colégio de Aplicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/Instituição Teresiana, 2004.

ARAÚJO, J. C. S. Para uma análise das representações sobre as técnicas de ensino. In: VEIGA, I. P. A. (org.). Técnicas de ensino: por que não? 19º edição. Campinas: Papirus, 2008 [1991].

BARBOSA, M. V. O Pibid e as culturas formativas no âmbito dos cursos de licenciatura. In: BARBOSA, M. V.; DANTAS, F.B.A. (orgs.). Reflexões sobre a formação inicial de professores no Pibid. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP nº 28, de 2 de outubro de 2001. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 18 jan 2002, Seção 1, p. 31.

_________. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID. Brasília: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Disponível em www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid. Acesso em 06/06/2015.

CASTELLAR, S.; VILHENA, J. Ensino de geografia. São Paulo: Cengage Learning Edições, 2010.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 1982.

DINIZ, M. S. A Geografia que a gente aprende não é a Geografia que a gente ensina. Revista do Departamento de Geografia UFRJ, v. 1, nº 7, 2001.

GONÇALVES, A. R. Matrizes formativas históricas e marcas recentes na formação inicial de professores no Brasil. In: BARBOSA, M. V.; DANTAS, F.B.A. (orgs.). Reflexões sobre a formação inicial de professores no Pibid. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

KATUTA, A. M. Universidade em ruínas? Geografia: Revista do Departamento de Geociências, vol. 11, nº 1, Londrina: Editora da UEL, 2002, p. 131-138.

________________. A reforma universitária no contexto dos projetos políticos pedagógicos dos cursos de graduação In: LIMA, M. G.; LOPES, C. L. Geografia e Ensino: conhecimento científico e sociedade. Maringá: Massoni, 2007.

LOPES, A. C. R. Conhecimento escolar em química: processo de mediação didática da ciência. Química Nova, v. 20, nº 5, 1997, p. 563-568.

MATURANA, H. Ontologia da realidade. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

NUNES, F. G. Os projetos pedagógicos de geografia e a reforma universitária In: LIMA, M. G.; LOPES, C. L. Geografia e Ensino: conhecimento científico e sociedade. Maringá: Massoni, 2007.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1971.

KAERCHER, N. A. Práticas geográficas para lerpensar o mundo, converentendersar com o outro e entenderscobrir a si mesmo. In: REGO, N. et. al. (org.) Geografia: práticas pedagógicas para o ensino médio. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ROSA, D. E. G. Formação de professores: concepções e práticas. In: CAVALCANTI, L. de S. (org.) Formação de professores: concepções e práticas em Geografia. Goiânia: Ed. Vieira, 2006.

VEIGA, I. P. A. Nos laboratórios e oficinas escolares: a demonstração didática. In: _______ (org.). Técnicas de ensino: por que não? 19º edição. Campinas, Papirus, 2008 [1991].




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2016.25700

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: