MEMÓRIAS SENTIMENTAIS (E CRÍTICAS) DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O PONTO DE VISTA DO PIBID HISTÓRIA UFF 2014

Autores

  • Everardo Paiva de Andrade

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2016.25694

Palavras-chave:

Cultura escolar. Formação de professores. Iniciação à docência. PIBID de História. Relação universidade / escola

Resumo

O presente trabalho reflete, antes de mais nada, o modo de inserção de um coordenador de área do PIBID no próprio Programa e a maneira pela qual ele produz sentidos, se apropria e compartilha significados coletivamente mobilizados. Discute a formação de professores sob a perspectiva estratégica da iniciação à docência como eixo articulador e finalidade principal do PIBID. Sugere que o Programa agrega valores novos à formação implementada pelos cursos de licenciatura em ambiente universitário, tradicionalmente subordinados ao bacharelado, tais como a centralidade da reflexão sobre a prática e o horizonte da educação e do ensino escolar. Conclui pela multiplicidade de PIBIDs em face da diversidade de experiências formativas vinculadas às áreas de conhecimento.

Biografia do Autor

Everardo Paiva de Andrade

Referências

ANDRADE, Everardo Paiva de Andrade; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; CABECEIRAS, Manuel Rolph de Viveiros; DEZEMONE, Marcus Ajuruam de Oliveira. PIBID. Relatório de atividades 2015. Niterói – RJ: PROGRAD / UFF, 2015. 87 p.

ANDRADE, Everardo Paiva de; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; CABECEIRAS, Manuel Rolph de Viveiros; DEZEMONE, Marcus Ajuruam de Oliveira. PIBID. Universidade e escola formando professores de História. São Paulo – SP: Letra e Voz, 2015. 230 p.

ANDRADE, Oswald de. Memórias sentimentais de João Miramar. 3ª ed., Rio de Janeiro – RJ: Civilização Brasileira, 1971. Disponível em http://www.aedi.ufpa.br/parfor/letras/images/documentos/atividadesadistancia_jan2016/Francisco_ewerton/memorias_sentimentais_de_joao_miramar_-_%20oswald_%20de_andrade.pdf. Acesso em 27/06/2016.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18/02/2002. Brasília – DF: Conselho Nacional de Educação, 2002. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em 28/02/2016.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano, 1. Artes de fazer. 17ª ed., Petrópolis – RJ: Vozes, 2011. 320 p.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo – SP: Cortez, 2002. 296 p.

ESTEBAN, Maria Teresa. Diferença, aprendizagens e avaliação: perspectiva pós-colonial e escolarização. In: AFONSO, Almerindo Janela; ESTEBAN, Maria Teresa (Orgs.). Olhares e interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo – SP: Cortez, 2010. 176 p.

FORQUIN, J.C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. In: Teoria e Educação, 5. Porto Alegre: Pannonica, 1992. p. 28-49.

GABRIEL ANHORN, Carmen Teresa. Usos e abusos do conceito de transposição didática: considerações a partir do campo disciplinar da História. In: Anais do IV Seminário Perspectivas do Ensino de História. Ouro Preto – MG: IV SPEH, 2001. 6 p. Disponível em http://www.vdl.ufc.br/solar/aula_link/lmat/A_a_H/didatica_I/aula_04-5120/imagens/01/usos_abusos_transposicao_didatica.pdf. Acesso em 27/06/2016

GABRIEL, Carmen Teresa Anhorn. Usos e Abusos do conceito de transposição didática; considerações a partir do campo disciplinar de História. In: Anais do IV Seminário Perspectivas do Ensino de História. Ouro Preto: 2001. 5 p.

GATTI, Bernadete. Formação de professores: licenciaturas, currículos e políticas. In: Movimento – Revista de Educação, nº 2. Niterói – RJ: FEUFF / PPGE, 2015. 18 p.

Downloads

Publicado

31-01-2017

Como Citar

PAIVA DE ANDRADE, Everardo. MEMÓRIAS SENTIMENTAIS (E CRÍTICAS) DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O PONTO DE VISTA DO PIBID HISTÓRIA UFF 2014. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 84–99, 2017. DOI: 10.12957/riae.2016.25694. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/25694. Acesso em: 15 abr. 2024.