A FORMAÇÃO COM AS IMAGENS

Nilda Alves

Resumo


Neste artigo, parto da ideia de que a formação docente se dá em redes educativas múltiplas e complexas e que se articulam entre si de modos diferenciados em espaçostempos diferenciados. Articulando esta idéia ao pensamento de Certeau acerca da questão das crenças quando entende que hoje elas estão basicamente no setor político e são relacionadas às redes midiáticas, a partir de uma compreensão do real que se forma a partir de construções de dados e fatos pela mídia, em especial. Com esta base, analisamos os recentes acontecimentos políticos no Brasil, buscando entender a formação referida, dentro da sua complexidade

Palavras-chave


Cotidiano. Redes educativas. Crenças políticas. Real.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Redes educativas, fluxos culturais e trabalho docente – o caso do cinema, suas imagens e sons – projeto de pesquisa (2012-2017). Rio de Janeiro: Laboratório Educação e Imagem/ProPEd/UERJ, 2011. (financiamento CNPq, FAPERJ, UERJ).

_______. Redes educativas 'dentrofora' das escolas, exemplificadas pela formação de professores. In: SANTOS, Lucíola, DALBEN, Ângela e LEAL, Júlio Diniz Leiva (Orgs.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Currículo, Ensino de Educação Física, Ensino de Geografia, Ensino de História, Escola, Família e Comunidade. 66 ed. Belo Horizonte/MG: Autêntica, 2010: 49-66.

_______. A aula: redes de práticas – os processos cotidianos de ensinar e aprender. Rio de Janeiro: Faculdade de Educação/UERJ, 2000. (tese de titular)

ALVES, Nilda; CALDAS, Alessandra Nunes; ROSA, Rebeca Brandão. Filmes – imagens e sons- como memória afetiva de docente. Sorocaba/S.Paulo: Quaestio, v.18, n.1, maio/2016: 101 – 115.

____________. Formação de professores com filmes: os clichês como formadores de docentes. S. Paulo: PUC-S. Paulo/Programa de Pós-graduação em Educação-Currículo. Revista e-Curriculum. Dossiê ABdC - "Formação Docente frente às políticas no cenário de centralização curricular", vol 13, n. 4, out-dez 2015: 775-793.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. S. Paulo: Brasiliense, 1990.

___________. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da internet. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. 1 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano – 1. Artes de fazer. Petrópolis/RJ: Vozes, 2012.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Os personagens conceituais. In DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992: 81-109.

OLIVEIRA, Francisco de. O Brasil em 2013: acabou a paz social (entrevista). Carta Maior. Em

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Movimentos-Sociais/O-Brasil-em-2013-acabou-a-paz-social/2/29970 Visto em 21.06.2016.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos ‘pensadospraticados’ pelos ‘praticantespensantes’ dos cotidianos das escolas. In: Carlos Eduardo Ferraço e Janete Magalhães Carvalho (orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et Alli, 2012: 47-70.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. S. Paulo: Boitempo, 2014.

SCHERER-WERREN, Ilse. Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Cadernos CRH. Salvador: vol. 27, n.71, maio-agosto/2014: 417- 429. In www.scielo.br/pdf/ccrh/v27n71/a12v27n71.pdf Visto em 21.06.2016




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2016.25509

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: