Palhaços: uma possível reflexão para a Gestalt-terapia

Alexandra C. Tsallis

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir como os palhaços podem contribuir para uma reflexão acerca das intervenções psicoterápicas na Gestalt-terapia. Essa tarefa foi possível a partir do acompanhamento de uma oficina de teatro, intitulada “A nobre arte do palhaço” e das proposições teóricas da Teoria Ator-Rede acerca da recalcitrância.  O efeito do palhaço reside na subversão do anseio pela vitória: quando todos no mundo almejam vencer, ele explora perder. Portanto, o que norteia seu surgimento é estabelecer um fluxo contínuo de contato com as dimensões frágeis, ridículas e transgressoras de cada um, nesse sentido compartilha com alguns dos princípios almejados pela Gestalt-terapia. Dessa forma, os palhaços favorecem que esta abordagem revisite suas reflexões, sua capacidade de criação, ou melhor, re-creação no encontro terapêutico.

Palavras-chave


Palhaços; Recalcitrância; Intervenção psicoterápica

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2009.9140

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com