Marcuse: cultura, ideologia e emancipação no capitalismo tardio

Luiz Antonio da Silva Peixoto

Resumo


Este artigo tematiza os elementos fundamentais da teoria crítica da sociedade de Herbert Marcuse no que se refere aos campos da crítica da cultura e da crítica da ideologia, discutindo especialmente as formas de dominação e de subjetividade prevalecentes no capitalismo tardio; bem como as possibilidades objetivas de transformação histórica no sentido da emancipação social. O pressuposto adotado é de que a atualização das análises marcuseanas da cultura afirmativa idealista, da dessublimação repressiva da cultura e da fusão entre ideologia e realidade econômica e social nos permite compreender as novas formas de subjetividade contemporâneas e explorar os mecanismos ideológicos de dominação nas sociedades pós-modernas, contribuindo para a fundamentação de uma teoria social crítica do capitalismo em sua fase neoliberal ou globalizada.

Palavras-chave


Cultura afirmativa; Crítica da ideologia; Emancipação social; Capitalismo tardio

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2011.8757

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com