IMPACTOS DA PANDEMIA NO TRABALHO DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR NO RECIFE/PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.61939

Palavras-chave:

Pandemia, Trabalho Docente, Precarização.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar uma pesquisa realizada com professores  do ensino superior do Recife/PE, acerca das suas percepções do trabalho pedagógico vivenciado durante as atividades remotas, no período da Pandemia, em 2020. Realizamos questionário, através do google Meet com professores, e a partir das análises das respostas, buscamos compreender como os professores se sentiram e os desdobramentos que o período trouxe. O uso das tecnologias na educação está presente nas pesquisas de José Moran (2001), por isso recorremos aos seus trabalhos. Recorremos também a Foucault (1987) para compreender como as mídias digitais, enquanto tecnologias de poder, passaram a ditar as regras das relações de trabalho que foram estabelecidas na educação superior com o ensino remoto. Concluímos que a Pandemia acentuou a precarização do trabalho docente, despertou desafios e expôs realidades.

Biografia do Autor

Zenildo José Barbosa, Universidade Federal da Paraíba.

Graduado em Pedagogia pela Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO). Especialista em Educação Integral e Inclusão Social pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Mestre em Educação, Culturas e Identidades pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ), linha de pesquisa Políticas Educacionais e Gestão da Educação, especificamente acerca da prática curricular do Programa Novo Mais Educação (PNME) e a formação integral. Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Paraíba(UFPB) na Linha de Pesquisa em Políticas Educacionais. Professor efetivo da Educação Básica da Prefeitura Municipal de São Lourenço da Mata. Professor efetivo da Educação Básica da Prefeitura Municipal do Paulista/PE e Professor do Curso de Pedagogia da UNINASSAU. Presta serviço sem vínculo ao Grupo SOMOS EDUCAÇÃO, como Mediador de Aprendizagens. Formador municipal de professores do 1ºe 2º ano do Ensino Fundamental no Programa Criança Alfabetizada (PCA).Tem experiência na área de Educação com ênfase em Gestão da Educação, Políticas Educacionais: Programas, Projetos e Desenvolvimento Curricular. Pesquisador no Grupo de Pesquisa em Docência na Educação Básica: Políticas, formação e práticas pela FUNDAJ/CNPq e no Grupo de Pesquisa: Educação, Políticas Públicas e mundo do trabalho pelo PPGE/UFPB.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo. In: O que é contemporâneo? e outros ensaios. / Giorgio Agamben. Chapecó: Argos, 2009.

AGAMBEN, Giorgio. O que é dispositivo? Ilha de Santa Catarina - 2° semestre de 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei 9.394/96. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). Lei nº 10.260/2001. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. PROUNI. Lei 11.096/2005. Brasília, 2005.

BOSI, Antônio de Pádua. A precarização do trabalho docente nas instituições de ensino superior do Brasil nesses últimos 25 anos. Educ. Soc. 28 (101) , Dez 2007 Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400012 acesso em 14 de agosto de 2021.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7ed. - Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis:Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 34. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

MACEDO, Mayara. Origem coronavírus: Entenda como começou a pandemia. Disponível em: https://pleno.news/saude/coronavirus/origem-coronavirus-entenda-como-comecou-a-pandemia.html Acesso em 10 de junho de 2020.

MIRANDA, Jeferson Alexandre. Uso de novas tecnologias no ensino de história: a informática como ferramenta de ensino. Revista Anuário da Produção Acadêmica Docente, Vol. 5, nº. 10, p. 133-151, 2011.

MIRANDA, Paula Roberta; AZEVEDO, Mário Luiz Neves. Fies e Prouni na expansão da educação superior brasileira: políticas de democratização do acesso e/ou de promoção do setor privado-mercantil? Revista Educação e Formação, 31 Aug 2020. Disponível em: DOI: 10.25053/redufor.v5i15set/dez.1421 acesso em 14 de agosto de 2021.

MORAES, Lucas. Em Pernambuco, 908 mil casas não têm acesso à internet por falta de dinheiro ou porque as pessoas não sabem usá-la. Jornal do Comércio, cessão de Tecnologia, 2020. Disponível em: https://jc.ne10.uol.com.br/economia/2020/04/5607642-faltam-dinheiro-e-habilidade-de-uso-para-908-mil-lares-de-pernambuco-terem-acesso-a-internet.html#:~:text=Em%20Pernambuco%2C%20908%20mil%20casas%20n%C3%A3o%20t%C3%AAm%20acesso%20%C3%A0%20internet,pessoas%20n%C3%A3o%20sabem%20us%C3%A1%2Dla Acesso em 16 de junho de 2020.

MORAN, José. Novos desafios na educação: a internet na educação presencial e virtual In PORTO, Tânia Maria E. Saberes e Linguagens de educação e comunicação. editora da UFPel, Pelotas, 2001.

SANTOS, V. L. C; SANTOS, J. E. As redes sociais digitais e sua influência na sociedade e educação contemporâneas. Revista HOLOS, ano 30, vol. 6, 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2009.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

BARBOSA, Zenildo José. IMPACTOS DA PANDEMIA NO TRABALHO DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR NO RECIFE/PE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 01–16, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.61939. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/61939. Acesso em: 21 maio. 2024.