Pela boca da criança: pensando gênero e sexualidades a partir da infância de terreiro

Adelson Cezar Ataide Costa Junior

Resumo


Esse texto visa apresentar a investigação sobre as práticas educativas imbricadas com as relações de gênero e sexualidade em um terreiro de candomblé de nação Ketu, o Ilé Asé Iyá Ogunté, em Ananindeua – Pará. Leva-se em conta os estudos feministas e de relações de sexo - gênero feitos por Rubin (2003), Yogyakarta (2006), Samara (2000) e Akotirene (2019) para buscar entender os processos pelos quais as relações de sexo/gênero servem como fatores de afirmação identitária. Salientamos a noção de cosmopercepção Oyěwùmí (2002) para compreender a forma multissensorial de perceber as relações sociais. A metodologia é baseada no “Reparar miúdo, narrar Kékeré” de Caputo (2018). Enxerga-se a existência de duas correntes principais de entendimento/atuação: a primeira nega a possibilidade de mudanças alegando questões biologizantes e associando sexo - gênero  condicionados ao corpo físico de nascimento, e uma segunda corrente que entende a necessidade de reordenação das relações sociais e práticas educativas no que toca às redesignações de sexo - gênero dos membros das comunidades de terreiro. Assim, a percepção aponta para uma participação das crianças no processo de discussão desse debate, não estando alheias ao processo como o pensamento adultocêntrico pode fazer parecer, bem como a compreensão de que as transformações das regras sociais estão em constante processo de reformatação.


Palavras-chave


Educação. Estudos com Crianças de Terreiro. Gênero. Sexualidade. Interseccionalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Col. Feminismos Plurais. Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

CAPUTO, Stela Guedes. Reparar Miúdo, narrar Kékeré:Notas sobre nossa fotoetnopoética com crianças de terreiros. In: Revista Teias. PROPED/UERJ, v. 19, n. 53, Rio de Janeiro: 2018.

JAGUN, Marcio de. Candomblé em tempos de crise. Live da Arché Editora, 28 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.facebook.com/watch/?v=2765625783681926&extid=ZqcsqbWvNEqs4l94.

JAGUN, Marcio de. Yorùbá: Vocabulário temático do Candomblé. 1ªed. Rio de Janeiro:Litteris, 2017.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia da opressão. 1983. Versão digital: https://rizoma.milharal.org/2013/03/03/nao-existe-hierarquia-de-opressao-por-audrelorde

MARTINS, Ferdinando; ROMÃO, Lilian; LINDNER, Liandro; REIS,Toni (Orgs). Manual de comunicação LGBT. BRASIL: ABGLT, 2010.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects in: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 391-415. Tradução para uso didático de wanderson flor do nascimento. Disponível em: https://filosofia-africana.weebly.com/.

RUBIN, Gayle. “Pensando o Sexo: Notas para uma Teoria Radical das Políticas da Sexualidade”. In: Cadernos Pagu, nº. 21, 2003. pp. 01-88.

SAMARA, Eni de Mesquita. Gênero em debate: Trajetória e perspectivas na historiografia contemporânea. São Paulo. Editora Autêntica, 2000. p. 13.

SILVA, Eliana Moura da. Religião, Diversidade e Valores Culturais: conceitos teóricos e a educação para a Cidadania. In: Revista de Estudos da Religião. Nº 2/2014, pp.1-14.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.56620

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.