Processos de formação humana: I Encontro Nacional de Crianças de Axé

Gustavo Jaime Filizola, Aurino Lima Ferreira

Resumo


O presente artigo tem como finalidade trazer observações e depoimentos sobre as experiências do I Encontro Nacional de Crianças de Axé no ano de 2017 no Ilê Axé Orixalá Talabi, em Arthur Lundgren – Paulista – Pernambuco. Os objetivos do encontro foram conversar com as crianças sobre os conhecimentos oriundos das tradições religiosas do candomblé, assim como, debater o preconceito que ainda existe, inclusive, nas escolas. A observação participante foi utilizada como método. As técnicas no trabalho de campo foram a observação participante e a entrevista semiestruturada. Os instrumentos utilizados foram: diário de campo e câmera fotográfica. Com as observações e falas desse encontro, foi possível se fazer uma análise tomando como base os estudos decoloniais e perceber que a ancestralidade, a oralidade e componentes comunitários consolidam os processos de formação humana das crianças de terreiro numa perspectiva bio, psico, cognitivo, sócio-cultural, associada à dimensão espiritual.


Palavras-chave


Candomblé. Crianças de Terreiro. Decolonialidade. Formação Humana. Racismo Religioso

Texto completo:

PDF

Referências


ANI, Marimba. Yurugu: na african-centered critique of European cultural thought and behavior. Trenton: Africa World Press,1994.

ARAÚJO, Patrício Carneiro. Entre ataques e atabaques: intolerância religiosa e racismo nas escolas. São Paulo: Arché Editora, 2017.

BOTELHO, Denise Maria. Educação e orixás: Processos educativos no Ilê Axé Iya Mi Agba. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005

CAPUTO, Stella Guedes. Educação nos terreiros e como a escola se relaciona com crianças de Candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CAPUTO, Stella Guedes. Reparar Miúdo, Narrar Kékeré — Notas sobre nossa fotoetnopoética com Crianças de Terreiros. Revista Teias, v. 19, n. 53, Abr./Jun. 2018.

CAPUTO, Stella Guedes. “As crianças de terreiros somos nós, as importantes”: Mais algumas questões sobre os estudos com crianças de terreiros. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, n. 48, p. 383-407, 2020.

FANON, Frantz. Em defesa da Revolução Africana. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1969.

FANON, Frantz. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERREIRA. Aurino Lima. Espiritualidade e educação: um diálogo sobre quão reto é o caminho da Formação Humana. In: RÖHR, F (Org.). Diálogos em educação e espiritualidade. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

FERREIRA, Marta. Ìtàn — oralidades e escritas: um estudo de caso de cadernos de hunkó e outras escritas no Ilè Asé Omi Larè Ìyá Sagbá. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

FILIZOLA, Jaime Gustavo. As crianças de Candomblé e a escola: Pensando sobre o racismo religioso. Dissertação (Mestrado em Educação, Culturas e Identidades), Universidade Federal Rural de Pernambuco, PE, 2019.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Contornos africanos e afro-brasileiros na educação e no ensino de filosofia no Brasil. 1 ed. Rio dfe Janeiro: NEFI, 2020.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 1, n.116, p. 21-40, 2002.

GROSFOGUEL, Ramón. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Ciência e cultura, v. 59, n. 2, p. 32-35, 2007

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Periferia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 41-91, jul./dez. 2009.

HAMPATÉ BÂ. Amadou. A tradição viva. In: História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África /editado por Joseph Ki-Zerbo. – 2.ed. rev. – Brasília : UNESCO, 2010.

KRAMER, Sônia. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, n.116, p. 41-59, jul. 2002.

LUZ, Narcimária Correia do Patrocínio. Abebe. A criação de novos valores na educação. Salvador: SECNEB, 2000.

MACHADO, Vanda. Pele Da Cor Da Noite. Salvador: EdUFBA, 2013.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 31. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2016, p. 09-28.

NOBLES, Wade W. NOBLES, Wade. Sakhu Sheti: retomando e reapropriando um foco psicológico afrocentrado. In: NASCIMENTO, Elisa. (Org.) Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 277-298

NUNES, Victor Hugo Basilio. Orixá, natureza e homem: o candomblé na perspectiva decolonial. In: V Congresso Internacional de História: Novas Espistemes e Narrativas Contemporâneas, 2016, Jataí-GO. Anais eletrônicos, 2016.

OLIVEIRA, Kiusam Regina de. Candomblé de Ketu e Educação: Estratégias para o empoderamento da mulher negra. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. Educação em Revista. v. 26, n.01, p.15-40, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. Peru Indígena, Lima, v. 13, n.29, p.11-20, 1992.

QUIJANO, Aníbal. Raza, etnia y nación en Mariátegui: cuestiones abiertas. Estudios latinoamericanos, v. 2, n. 3, p. 3-19, 1995.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In. LANDER, E. (org.). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e Ciências Sociais. Trad. Júlio César Casarin Barroso Silva. 3. ed., Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

RÖHR, Ferdinand. Espiritualidade e Formação Humana. Poiésis, Tubarão, v. 1, n. esp., p. 53-68, 2011.

RÖHR, Ferdinand. (Org.). Diálogos em educação e espiritualidade. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

RÖHR, Ferdinand. Educação e espiritualidade: contribuições para uma compreensão multidimensional da realidade, do homem e da educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Desafios da formação humana no mundo contemporâneo. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, v. 29, p. 153-164, 2010.

SIMAS, Luiz Antônio; RUFINO, Luiz. A ciência encantada das macumbas. 1. Ed. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

OUTRAS REFERÊNCIAS

I Encontro Nacional de Crianças de Axé - Matéria da Rede Globo Nordeste. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=Pxu4Ye_SaAE&t=71s. Acesso em 14 de agosto de 2020.

ENTREVISTA COM PAI JÚNIOR TALABI TERREIRO AXÉ ORIXALÁ TALABI

DATA: 06 DE OUTUBRO DE 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.56594

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.