TODO ESPAÇO É POLÍTICO: ATIVISMO DE MULHERES NAS REDES SOCIAIS

Desirée Pires, Amanda Motta Castro

Resumo


Na última década houve uma maior articulação dos movimentos sociais utilizando como recurso de propagação de suas pautas as mídias e, principalmente, as redes sociais. O movimento feminista também vem se apropriando desses espaços, demonstrando que é capaz de interagir e de alcançar um público que até mesmo não era atingido em momentos anteriores. No Brasil, manifestações como a Marcha das Vadias (2015) e o #EleNão (2018) demonstram que o movimento feminista não permanece, apenas, nas redes sociais, mas que possibilita uma articulação e organização que resultam em manifestações e protestos nas ruas, trazendo pautas que vão para além do ser mulher na sociedade brasileira. Sendo assim, a proposta deste artigo, o qual compõe uma pesquisa de mestrado desenvolvida no Programa de pós-graduação em Educação/PPGEDU da Universidade Federal do Rio Grande/FURG, é realizar um levantamento bibliográfico sobre ativismo de mulheres nas redes sociais, o ciberfeminismo. Buscamos aqui responder a uma pergunta central: o que foi produzido no Brasil sobre o ativismo de mulheres nas redes sociais na última década?


Palavras-chave


movimento feminista; ativismo; redes sociais; educação

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALCÂNTARA, Lívia Moreira de. Ciberativismo e movimentos sociais: mapeando discussões. Aurora: revista de arte, mídia e política, São Paulo, v.8, n.23, p. 73-97, jun.-set.2015. Disponível em: . Acesso em: 18 de fevereiro de 2019.

BASSALO, Lucélia de Moraes Braga. Entre sentidos e significados: um estudo sobre visões de mundo e discussões de gênero de jovens internautas. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Brasília. Brasília: 2012.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. Nova fronteira. São Paulo, 2009.

BOGADO, Maria. Rua. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão Feminista. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. Brasiliense: São Paulo, 2017. (Versão Digital)

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

DE FARIAS, Leidiane Alves. Comunicação e Feminismo: experiências ciberfeministas no Brasil. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres Gênero e Feminismo. Salvador: 2015.

ENZLER, Joice Adriana. Ciberfeminismo e Saúde: uma análise do caso da aprovação e implementação da Lei das Doulas (7314/2016) no estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) - Mestrado em Informação e Comunicação em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Rio de Janeiro: 2017

HIRATA, Helena et al. (ORG.). Dicionário Crítico do Feminismo. Fundação Editora UNESP (FEU). São Paulo: 2009.

LEMOS, Marina Gazire. Ciberfeminismo: novos discursos do feminino em redes eletrônicas. Dissertação (Mestrado) - Mestrado em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo: 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Editora 34: São Paulo, 2010.

MAIGRET, E. Sociologia da Comunicação e das Mídias. São Paulo: Senac, 2010.

REIS, Carolina. O novo feminismo. Disponível em https://expresso.pt/sociedade/2016-09-25-O-novo-feminismo acessado em maio de 2019.

SCHLINDWEIN, Ana Flora. Dos periódicos oitocentistas ao ciberfeminismo: a circulação das reivindicações feministas no Brasil. Dissertação (Mestrado) - Mestrado em Divulgação Científica e Cultural, Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2012.

SOUSA, Maíra; RACHIT, Breda. Mobilizações pré-eleições presidenciais 2018 no Pará: grupos e eventos relacionados à #EleNão no facebook. In: Aturá Revista Pan-Amazônica de Comunicação, Palmas, v. 3, n. 1, p. 66-86, jan-abr. 2019




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.49604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.