PROCESSOS FORMATIVOS DE UMA PESQUISADORA NEGRA NO CAMPO DA CIBERCULTURA E EDUCAÇÃO: IMPLICAÇÕES E TRAJETÓRIAS

Tatiana Santos da Paz

Resumo


Esse texto pretende analisar a minha experiência formativa como uma pesquisadora negra que busca relacionar o campo da cibercultura e educação com as discussões sobre as relações étnico-raciais. Como relato de experiência, o escrito se situa na compreensão da biografização enquanto instrumento de (auto)formação, de pesquisa e de intervenção (SOUZA, 2008). O texto apresenta como o racismo estrutural, ao criar representações subalternizadas do que é ser negro, forja nas pessoas com essa identificação racial uma percepção negativa de si que tem sido reconstruída pelas mulheres negras por meio da apropriação de artefatos digitais no cenário contemporâneo. A narrativa revela como esses processos de ressignificação atravessaram minha história de vida e constituíram uma experiência formativa como pesquisadora negra no campo da cibercultura e educação.


Palavras-chave


Cibercultura, educação, relações étnico-raciais, mulheres negras

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Lícia. Feminismo negro: notas sobre o debate norte-americano e brasileiro., Anais Fazendo Gênero: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos 2010.

BENTO, Maria aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva. (Org.) Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2014.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

BLOGUEIRAS NEGRAS. É preciso mais que coragem: a nossa não presença nos Fóruns de Internet, 2019. Texto disponível em: http://blogueirasnegras.org/e-preciso-mais-que-coragem-a-nossa-nao-presenca-nos-foruns-de-internet/. Último acesso em 09 de dezembro de 2019.

BONDÍA, Jorge Larossa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr. 2002. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n19/n19a03.pdf. Acesso em: 11 fev. 2016.

DOMINICÉ, Pierre. A formação de adultos confrontada pelo imperativo biográfico. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 345-357, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151797022006000200010&script=sci_arttext . Acesso em: 4 fev. 2016.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2002.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. Trad. de José Cláudio e Júlia Ferreira. Lisboa: Educa, 2002.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó. 2019.

MACEDO, Roberto Sidney. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Liber Livro Editora, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

NASCIMENTO, A. O Genocídio do Negro Brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 2017.

NOBLE, S. Algorithms of Oppression: How Search Engines Reinforce Racism. New York: New York University Press, 2018.

PAZ, T. S. Ativismo em rede e processos formativos decoloniais articulados por mulheres negras no YouTube. Tese de doutorado. Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza, 2019.

SANTOS, Edméa O. A cibercultura e a educação em tempos de mobilidade e redes sociais: conversando com os cotidianos. In: FONTOURA, Helena; SILVA, Marco. (org.). Práticas pedagógicas, linguagem e mídias desafios à pós-graduação em educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: Anped Nacional, 2011, v. 1, p. 138-160.

SOUZA, Elizeu Clementino de. Memoriais autobiográficos, profissionalização docente e identidade: histórias de vida e formação na pós-graduação. In.: PASSEGGI, M.C.; BARBOSA, T.M. (Orgs.) Memórias, Memoriais: pesquisa e formação docente. Natal: EDUFRN; São Paulo: PAULUS, 2008, pp. 119/133.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.47246

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadoxação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.