“EU GOSTO MESMO É DAS BIXAS”: REFLEXÕES SOBRE IDENTIDADE AO SOM DE LINN DA QUEBRADA

Ariel Dorneles Dos Santos, Tiago Duque

Resumo


O presente trabalho apresenta uma análise do funk e do discurso utilizado por Linn da Quebrada, moradora de uma comunidade da Zona Leste da cidade de São Paulo. Em suas palavras, ela se identifica como “uma bixa, transviada, uma bixa travesti, periférica, preta que está experimentando o corpo e está se jogando”. A metodologia utilizada é a etnografia virtual, através de videoclipes e entrevistas da cantora disponíveis em diferentes canais na plataforma do YouTube. O referencial teórico é, principalmente, o pós-estruturalista, com ênfase na perspectiva queer. Considerando a forma como Linn da Quebrada refere-se ao seu próprio corpo e identidade, percebe-se a priore que ela parece apresentar uma dissidência dentro da dissidência por não ser cisgênera e também borrar o que se entende por ser travesti, contudo, essa ideia é problematizada devido ao fato de em alguns momentos borrar a norma, mas, em outros, reiterá-la. Sua experiência de identificação parece ser como a de um elemento que não cabe em nenhuma categoria, mas que se apossa das que foram designadas e as subverte, contestando e apresentando novas possibilidades, novos processos de inteligibilidade/reconhecimento.


Palavras-chave


transviada; dissidência; identidade; Linn da Quebrada

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Adriana. Etnografia e pesquisa em cibercultura: limites e insuficiências metodológicas. Revista USP, Brasil, n. 86, p. 122-135, ago. 2010. ISSN 2316-9036. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.

BENEDETTI, Marcos Renato. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

BENTO, Berenice Alves de Melo. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BUTLER, Judith. Corpos que pensam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. pp. 151-172.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução Rogério Betonni. 1 ed. 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

DUQUE, Tiago. Montagens e Desmontagens: desejo, estigma e vergonha entre travestis adolescentes. São Paulo: Annablume, 2011.

DUQUE, Tiago. Gêneros incríveis: um estudo sócio-antropológico sobre as experiências de (não) passar por homem e/ou mulher. Campo Grande, Editora da UFMS, 2017.

FACINA, Adriana. “Não me bate doutor”: Funk e criminalização da pobreza. In: V Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – ENECULT, Bahia, Anais... Salvador: Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, mai. 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento na prisão. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. pp. 162-187.

GOMES, Maria Carmen Aires. Identidade de gênero no movimento funk: um estudo explanatório crítico de notícias jornalísticas brasileiras. Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, [S.l.], v. 69, n. 1, p. 183-200, jan. 2016. ISSN 2175-8026. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

GREEN, James. Além do carnaval – homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer - uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 541, jan. 2001. ISSN 1806-9584. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias. Porto Alegre: 11, n. 21, 2009. pp. 150-182. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

MISKOLCI, Richard. Corpos elétricos: do assujeitamento à estética da existência. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 3, pp. 681-693, jan. 2006. ISSN 1806-9584. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

MISKOLCI, Richard. Não somos, queremos - Notas sobre o declínio do essencialismo estratégico. Comunicação apresentada na Mesa Novas Perspectivas e Desafios Políticos Atuais do evento Stonewall 40 + o que no Brasil?, realizado em Salvador, em 17 de setembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

MISKOLCI, Richard. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Revista Cronos, [S.l.], v. 12, n. 2, jun. 2011. ISSN 1982-5560. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.

MONTEIRO, Vanessa Estevam Carlos. Funk da Ostentação: uma análise semiótica do videoclipe “Na pista eu arraso”, do Mc Guime. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

OLIVEIRA, Melissa Barbieri de; GROSSI, Miriam Pillar. A invenção das categorias travesti e transexual no discurso científico. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 699-701, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2018.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura [on line], v. 11, n. 2, pp. 263-274, 2008 (junho-dezembro). Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

PRINS, Baukje; MEIJER, Irene. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Tradução: Susana Funck. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 155-167, jan. 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.

RAMÍREZ, Boris. Colonialidade e cis-normatividade. Entrevista com Viviane Vergueiro. Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales (III), pp. 15–21, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2018.

SANTOS, Welson Barbosa; DINIS, Nilson Fernandes. Adolescência heteronormativa masculina: entre a construção “obrigatória” e desconstrução necessária. DOI 10.5216/o.v13i2.23273. OPSIS, [S.l.], v. 13, n. 2, p. 129-149, fev. 2014. ISSN 2177-5648. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

SILVA, Hélio R. S. Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: ISER, 1993.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.40522

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.