TRANSGÊNEROS: AINDA INCOMPREENDIDOS?

Erika Barbosa de Araújo, Glaucia Lima de Magalhães Theophilo

Resumo


Este artigo retrata uma pesquisa sobre transgeneridade e sua compreensão. A expressão transgênero reporta-se num termo que acolhe a união política entre os indivíduos com distinções de gênero incompatíveis às condutas sociais caracteristicamente relacionadas a homens e mulheres “comuns” e que, como efeito disto, padecem de intolerância. No Brasil, práticas de intervenção têm levantado diversos questionamentos psicológicos, legais e sociais. No meio desta discussão, encontram-se os profissionais de psicologia que, como pertencentes a área de saúde, devem estar preparados para dar suporte a esta parcela da população que, na maioria das vezes, está envolvida em sofrimento psíquico. Assim, buscou-se investigar a forma como futuros psicólogos percebem o fenômeno da transgeneridade, já que esta percepção pode influenciar suas práticas. A hipótese levantada foi de que as atitudes de graduandos de psicologia face à identidade transgênero são baseadas na incompreensão do fenômeno. O objeto de estudo foi ancorado no constructo de atitude da psicologia social. Os sujeitos foram 100 graduandos em psicologia do 1º ao 10º período da Universidade Estácio de Sá (campus Nova Iguaçu/RJ). Utilizamo-nos de um questionário com escala likert de 5 pontos, para conhecer o grau de concordância quanto às questões e produzir descrições quantitativas. Em seguida, a análise dos resultados apoiou-se no o ranking médio (RM) de anuência dos itens dentro de cada categoria de atitudes relacionando-se ao modelo ecológico do desenvolvimento humano. O ranking médio total do questionário foi de 3,97, o que demonstra uma aceitação da transgeneridade.


Palavras-chave


Transgênero. Escala de atitudes likert. Graduandos de psicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, Simone; GROSSI, Miriam Pillar. Transexualidade e Movimento Transgênero na Perspectiva da Diáspora Queer. - Congresso da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura, 5. 2010, Natal. Anais eletrônicos - Natal: ABEH, 2010. Disponível em: < http://nigs.paginas.ufsc.br/ files/2012/01/ TRANSEXUALIDADE-E-MOVIMENTO-TRANSG %C3%8ANERO-NA-PERSPECTIVA-DA-DI%C3%81SPORA-QUEER-Simone-%C3%81vila-e-Miriam-Pillar-Grossi.pdf>. Acesso em: 03 de abril de 2015.

BENEVENTO, Claudia Toffano; SANTANA, Vagner Caminhas. O conceito de gênero e suas representações sociais. 2013. < http://www.efdeportes.com /efd176/o-conceito-de-genero-e-suas representacoes-sociais.htm>. Acesso em: [29/03/2015].

BENTO, Berenice. Sexualidade e experiências trans: do hospital à alcova. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, Oct. 2012 . Disponível em: . Acesso em: 03 de abril 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000015.

BRUNS, Maria Alves de Toledo. Psicoterapeutas iniciantes: os desafios das diversidades afetivo-sexuais. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 63, n. 1, 2011. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2015.

BUTLER, Judith. Desdiagnosticando o gênero. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, 2009. Disponível em: . Acesso em 03 de abril 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000100006.

CARLOTO, C. M. O Conceito de Gênero e sua Importância para Análise das Relações Sociais. 2001. Disponível em: . Acesso em 19 de março de 2015.

CARVALHO, Irene Palmares. Vivência do Processo de Transição no Contexto dos Serviços de Saúde. Acta Med Port, v. 23, p. 1001-1010, 2010. Disponível em: < http://bibliobase.sermais.pt:8008/BiblioNET/Upload/PDF3/002259.pdf>. Acesso em: 03 de abril de 2015.

CORMIER-OTAÑO, Olivier; DAVIES, Dominic. A Terapia da diversidade género sexual (TDGS). 2012. Tradução: João Botas. PinkTheraphy. Disponível em: < http://www.pinktherapy.com/ Portals/0/Downloadables/Translations/P_GSDT.pdf>. Acesso em: 15 de março de 2015.

FAGUNDES, Mateus Miranda; ZANELLA, Michele; TORRES, Tatiana Lucena. Cidadão em foco: representações sociais, atitudes e comportamentos de cidadania. Psicol. teor. prat., São Paulo , v. 14, n. 1, abr. 2012 . Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada (2010). Tradução: Mathias Lambert. LTC

HOGEMANN, Edna Raquel. Relações de Trabalho e Relações de Gênero. Tópicos Interdisciplinares. Aula 09. Universidade Estácio de Sá. Acesso em 04 abr. 2015.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre Identidade de Gênero: Conceitos e Termos. Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgêneros, para formadores de opinião. Abril, 2012. Brasília. Disponível em: < https://www.sertao.ufg.br/up/16/o/ ORIENTA%C3%87%C3%95ES_POPULA%C3%87%C3%83O_TRANS.pdf?1334065989>. Acesso em: 25 de março de 2015.

LANZ, Leticia. O Corpo da roupa: a pessoa transgênero entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. 2014. Disponível em: < http://dspace.c3sl.ufpr.br:8080/dspace/bitstream/ handle/1884/36800/ R%20-%20D%20-%20LETICIA%20 LANZ.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 01 de abril de 2015.

LARANJEIRAS, I.C.; ALBUQUERQUE, K.S.L.S.; FONTES, M.G.M.S. Metodologia da Pesquisa Científica para Além da Vida Acadêmica: Apreciação de Estudantes e Profissionais Formados sobre sua Aplicabilidade na Vida Profissional. Rev de Administração e Contabilidade Faculdade Anísio Teixeira [Internet]. 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 de setembro de 2015.

LEAL, Noêmia Soares Barbosa et al. A atitude dos universitários em relação ao profissional de limpeza urbana. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 33, n. 4, 2013 . Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000400013.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 9, n. 2, 2001. Disponível em: . Acesso em: 03 Apr. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200012.

MIRANDA, Francielle Felipe Faria. Heteronormatividade: uma leitura sobre construção e implicações na publicidade. Fragmentos de Cultura (Online), v. 20, p. 81-94, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 de outubro de 2015.

MIRANDA, O. C.; GARCIA, P. C. A Teoria Queer como representação da cultura de uma minoria. 2012. Disponivel em: . Acesso em: 19 de outubro de 2015.

OLIVEIRA, Ana Rita Monteiro de. Desenvolvimento do questionário de atitudes relativas à transexualidade: estudo exploratório na população portuguesa: uma perspectiva sistémica. 2013. Disponível em: < http://repositorio.ul.pt/handle/10451/9505>. Acesso em: 01 de abril de 2015.

PALOSKI, L.H., CADONÁ, E. Diversidade sexual: da biologia sexista aos estudos de gênero. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano 2014 Nov. 30; 2(2): p. 95-104. Disponível em: < http:// sphinx.unilasalle.edu.br/ index.php /saude_desenvolvimento/ article/

view/ 1688>. Acesso em: 03 de abril de 2015.

PASCAL, Blaise (1623-1662). Disponível em: < http://www.readebooks.com.br/frases-blaise-pascal-05092013-dia/>. Acesso em: 02 de Novembro de 2015.

PERES, Wiliam Siqueira; TOLEDO, Lívia Gonsalves. Travestis, transexuais e transgêneros: novas imagens e expressões da subjetividade. Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região (org). Psicologia e diversidade sexual. – São Paulo: CRPSP, 2011. 92f.; 23cm. (Caderno Temático 11). Disponível em: . Acesso em 02 de abril de 2015.

RAMALHO, Nélson. “Transgressão” de género e os limites da tolerância: prostituição, violências e vulnerabilidade social - Página 97 de 108 - IV Colóquio Internacional Ação Pública e Problemas Sociais em Cidades Intermediárias, organizado pela Secção Temática «Relações Sociais de Género e Raça - CIES - Centro de Investigação e Estudos de Sociologia ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. 2013. Disponível em: < http://www.coloquiointernacional.com/anais/GT11.pdf#page=97>. Acesso em: 03 de abril de 2015.

RIVOIRE, Eliane Benjamin A contribuição da psicologia social para teoria e a prática da atividade de relações públicas. – Porto Alegre: PUCRS, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 de abril de 2015.

SANTOS, Adelyany Batista dos. Representações sociais de profissionais de saúde sobre transexualidade. 2012. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade de Brasília, Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2015.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, p. 71-99.

SOARES, A.F.B; KARLUZE, A.C.M.; CAMPANINI, S.M. O papel do Psicólogo junto ao movimento LGBTTT. Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010. GT 1- Gênero e políticas públicas – Coord. Silvana Mariano. Disponível em: < http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos /4.KarluzeCia.pdf>. Acesso em: 19 de março de 2015.

SOUZA, Eloisio Moulin de; PEREIRA, Severino Joaquim Nunes. (Re)produção do heterossexismo e da heteronormatividade nas relações de trabalho: a discriminação de homossexuais por homossexuais. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo , v. 14, n. 4, p. 76-105, Aug. 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 Out. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712013000400004.

STREY, M. N.; JACQUES, M. G. C.; BERNARDES, M. G.; GUARESCHI, P. A.; CARLOS, S. A.; FONSECA, T. M. G. Psicologia Social Contemporânea. 12ª ed. Rio de Janeiro. Editora Vozes, 2009.

VILLELA, W.V.; SANTOS, C.G.; VELOSO, J.C.. Sobre transgeneros produzindo corpos e subjetividades. Saúde Coletiva 2006; 11:73–78. Disponível em: . Acesso em: 02 de abril de 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.39490

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.