AÇÕES E LINGUAGENS CONSTITUEM A EXPERIMENTAÇÃO EM UM COMUNIDADE DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS

Willian Rubira da Silva, Valmir Heckler

Resumo


O estudo apresenta compreensões emergentes em uma pesquisa pautada no questionamento sobre o que é isso que se mostra de uma comunidade de professores de Ciências que transforma suas dúvidas, ideias e experiências em objetos aperfeiçoáveis. Abrange a constituição do campo empírico de forma coletiva e colaborativa em uma disciplina da Pós-Graduação em Educação em Ciências na Universidade Federal do Rio Grande – FURG. As informações coletadas foram auto organizadas com o auxílio da Análise Textual Discursiva (ATD) em que emergiram três categorias. Neste estudo apresentamos o metatexto referente a segunda categoria emergente: Ações e linguagens na comunidade constituem a experimentação. Compreendemos que os professores membros desta disciplina se organizaram na perspectiva de comunidade de indagação online, que avança em sua constituição e ações ao compartilhar as experiências, ouvir o outro e indagar. A comunidade se utiliza com frequência de recursos visuais, como vídeos, gráficos, tabelas e fotos que emergem como diferentes linguagens da experimentação. Os modelos explicativos se transformam a partir do diálogo na comunidade e com as ações individuais e coletivas dos membros ao desenvolverem múltiplas atividades interconexas ao longo da disciplina.


Palavras-chave


Teoria da Atividade; Linguagens; Pesquisa-formação; Experimentação em Ciências; Análise Textual Discursiva.

Texto completo:

PDF

Referências


BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011.

CARELLI, I. M. Estudar on-line: análise de um curso para professores de inglês na perspectiva da teoria da atividade. 2003. 220 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

CARVALHO, M. B.; et al. An activity theory-based model for serious games analysis and conceptual design. Computers & Education, v.87 p.166-181, 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

DUARTE, N. A teoria da atividade como uma abordagem para a pesquisa em educação. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. 02, p.279-301, jul./dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

ENGESTRÖM, Y. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGSTRÖM, Y. MIETTINEN, R. PUNAMÄKI, R.-L (eds.). Perspectives on Activity Theory. Cambridge: Cambridge Press, 1999.

ENGESTRÖM, Y. Development, movement and agency: Breaking away into mycorrhizae activities. In YAMAZUMI, K. (Ed.), Building activity theory in practice: Toward the next generation. Osaka: Center for Human Activity Theory, Kansai University, 2006.

EVAGOROU, Maria. et al. The role of visual representations in scientific practices: from conceptual understanding and knowledge generation to ‘seeing’ how science works. International Journal of STEM Education, v2 n.11, 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

FRANCO, M. A. S.; LISITA, V. M. S. Pesquisa-ação: limites e possibilidades na formação docente. In: PIMENTA, S. G.; FRANCO, M. A. S. (Org.). Pesquisa em educação: possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Loyola, v.2, 2008.

GILBERT, John K. The role of visual representations in the learning and teaching of science: An introduction. Asia-Pacific Forum on Science Learning and Teaching, v. 11, n. 1. 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

HECKLER, Valmir. Experimentação em ciências na EAD: indagação online com os professores em AVA. 2014. 242 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) - Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Rio Grande, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

JONASSEN, David H.; RONRER-MURPHY, Lucia. Activity Theory as a Framework for Designing Constructivist Learning Environments. ETR&D, v.47, n. 1, p. 61-79, 1999. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF02299477. Acesso em: 08 set. 2017.

LAMPREIA, C. Linguagem e atividade no desenvolvimento cognitivo: algumas reflexões sobre as contribuições de Vygotsky e Leontiev. Psicol. Reflex. Crit. [online]. v.12, n.1, p.225-240. 1999. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

LEFFA, V. J. Aprendizagem mediada por computador à luz da Teoria da Atividade. Calidoscópio, v. 3, n.1, p. 21-30, jan/abr 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

LEMKE, J. Teaching all the languages of science: Words, symbols, images and actions. In: Conference on Science Education in Barcelona. 1998. Disponível em: < http://www.jaylemke.com/storage/new-pdfs/Barcelona-Languages-of-science.pdf>. Acesso em: 08 set. 2017.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2011.

PIMENTA, S. G.; FRANCO, M. A. S. (Org.). Pesquisa em educação: possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Loyola, 2008.

SANTAELLA, Lúcia. O que e semiótica. São Paulo, Editora Brasiliense. 1990.

SANTOS, E. O. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. 2005. 351 f. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

SILVA, W.R. Comunidade de indagação online: pesquisa-formação com professores de ciências. 2017. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Rio Grande, 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

SOUZA, S. J.; LOPES, A. E. Fotografar e narrar: a produção do conhecimento no contexto da escola. Cadernos de Pesquisa, n. 116, julho/ 2002 p. 61-80, julho/2002. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

WELLS, G. Da advinhação à previsão: discurso progressivo no ensino e na aprendizagem de Ciências. In: COLL, C; EDWARDS, D. Ensino, aprendizagem e discurso em sala de aula: aproximações ao estudo do discurso educacional. Porto Alegre: Artmed, 1998, p. 107-142.

WELLS, G. The case for dialogic inquiry. In WELLS, G. Action, talk, and text: Learning and teaching through inquiry. New York: Teachers College Press, 2001.

WHY do honeybees love hexagons?. Direção de Biljana Labovic. Roteiro: Zack Patterson e Andy Peterson. [s.i]: Ted-ed, 2014. Youtube (4 min.), FLV, son., color. Animador Lisa LaBraci. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2018.37121

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.