ALGUNS CRITÉRIOS PARA A TECNOLOGIA MORFOSSINTÁTICA

Marcelo Moraes Caetano

Resumo


Os estudos de morfossintaxe portuguesa ainda padecem de certa falta de precisão terminológica. Isso é ocasionado em grande parte pela confusão na demarcação dos pontos investigativos de que deve se valer. Este artigo propõe que se estabeleçam dois planos distintos: o plano do léxico e o plano da gramática. Esse binômio tem relação direta com a dicotomia paradigma e sintagma (cf. Saussure) e, assim como na aludida dicotomia, é preciso primeiramente que se estabeleça a aplicação de cada parte do par para, só então, criarem-se áreas de comum acordo que permitam as articulações pertinentes ao pesquisador. Por lidar com muitos ferramentais da língua, como flexões, classificações categoriais e gramaticais dos vocábulos, lexicologia, gramaticalização, formação de palavras, sistema e norma de uma língua, a morfossintaxe acaba ficando à mercê de muitos pontos obscuros, que devem ser constantemente debatidos. Como se trata de um dos pontos fundamentais da deriva (cf. Sapir) de uma língua, a morfossintaxe não pode se desvincular de um estudo cada vez mais crítico e reflexivo, capaz de lhe fornecer material tecnológico para a construção de uma nomenclatura que reflita a importância desse estudo no imo do sistema de uma língua. A negligência com esses fatores põe em xeque até mesmo a possibilidade de demarcação de um idioma que, como comprova a linguística histórica e a filologia, transforma-se, no tempo e no espaço, em outros idiomas.

 


Palavras-chave


Léxico. Gramática. Sintagma. Paradigma.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/pr.2016.30587

Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista na BASE Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista no Google Scholar Pensares em Revista no Latindex Pensares em Revista no Livre Logo do Periódicos CAPES

 

R. Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato, São Gonçalo - RJ, CEP: 24435-005