O ENSINO DE PERÍFRASES VERBAIS E VERBO-NOMINAIS

Vinicius Maciel de Oliveira, Giselle Aparecida Toledo Esteves

Resumo


Neste artigo, discutimos o ensino de perífrases verbais e verbo-nominais, com base na análise de gramáticas tradicionais, descritivas, materiais pedagógicos entre outros estudos em âmbito acadêmico, fundamentando nossas ideias na proposta de que os usos moldam constantemente o sistema linguístico; isto é, este trabalho ancora-se na perspectiva funcionalista. Pretendemos responder às seguintes questões: (i) como as gramáticas tradicionais e alguns estudos linguísticos recentes abordam o uso de perífrases verbais e de estruturas com verbos-suporte? e (ii) quais atividades com estas construções são bastante recorrentes em livros/textos didáticos? A partir da reflexão sobre o uso e a abordagem de perífrases verbais e verbo-nominais, propomos algumas alternativas para o trabalho com o tema levantado que estejam adequadas às orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Nossa proposta visa a analisar aspectos da forma e do significado das construções em foco, tentando demonstrar como os efeitos de significado podem ser explicados em função do gênero textual que integram. Em função dessa concepção de língua e do encaminhamento sugerido, acreditamos que, nas aulas de morfossintaxe, devem ser abordadas as noções de variação e mudança linguísticas e, com isso, espera-se que o aluno compreenda que a gramática não é um objeto estático e homogêneo, mas um organismo vivo de natureza, essencialmente, heterogênea.


Palavras-chave


Perífrase verbal. Verbo-suporte. Ensino. Gramática. Funcionalismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/pr.2016.30581

Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista na BASE Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista no Google Scholar Pensares em Revista no Latindex Pensares em Revista no Livre Logo do Periódicos CAPES

 

R. Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato, São Gonçalo - RJ, CEP: 24435-005