Transformação das práticas profissionais de cuidado diante da AIDS: representações sociais dos profissionais de saúde [Changing professional practices in care for AIDS: social representations among health personnel]

Fabiani Weiss Pereira, Adriana Dora da Fonseca, Denize Cristina de Oliveira, Geani Farias Machado Fernandes, Sergio Corrêa Marques

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo analisar as representações sociais dos cuidados de enfermeiros e demais profissionais de saúde voltados às pessoas com o Vírus da Imunodeficiência Humana e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Estudo descritivo, qualitativo, fundamentado na Teoria das Representações Sociais, realizado no sul do Brasil. Participaram, por meio de entrevista semiestruturada, durante os meses de outubro de 2012 a abril de 2013, 19 profissionais de saúde. Na análise de conteúdo temática textual discursiva, emergiram duas categorias. O cuidado é representado como bom na dimensão diagnóstica e como difícil, incompleto, além de precário, na dimensão gerencial. Ainda, atualmente o empirismo da dimensão social do cuidado está em evidência, visto que a preocupação maior não está em torno da morte e sim das relações sociais. Conclui-se que a transformação das representações sociais das práticas profissionais de cuidado é evidente, permeada principalmente pela possibilidade de convivência com a doença.

 

ABSTRACT

This qualitative, descriptive study drew on social representations theory to examine social representations among nurses and other health personnel of professional care practices directed to individuals with Human Immunodeficiency Virus and Acquired Immunodeficiency Syndrome. Semi-structured interviews of nineteen health professionals were conducted in southern Brazil between October 2012 and April 2013. Thematic category content analysis revealed two categories: care is represented as good in the diagnostic dimension, but difficult, incomplete and poor in the management dimension, and that a rule-of-thumb approach to the social dimension of care is currently in evidence, because the larger concern is not death, but social relationships. It was concluded that social representations of professional care practices are evidently changing, and are now permeated mainly by the possibility of living with the disease.

 

RESUMEN

Esta investigación tuvo como objetivo analizar las representaciones sociales de los cuidados de enfermeros y otros profesionales de salud hacia el portador del Virus de Inmunodeficiencia Humana y del Síndrome de Inmunodeficiencia Adquirida. Estudio descriptivo y cualitativo basado en la teoría de las representaciones sociales realizado en el sur de Brasil. Participaron, a través de entrevista semiestructurada, durante los meses de octubre 2012 a abril 2013, diecinueve profesionales de la salud. En el análisis del contenido temático textual discursivo surgieron dos categorías. El cuidado está representado como siendo bueno en la dimensión de diagnóstico y, como siendo difícil, incompleto y, además, precario, en la dimensión gerencial; asimismo, actualmente el empirismo de la dimensión social del cuidado está en evidencia, ya que la mayor preocupación no es acerca de la muerte sino de las relaciones sociales. Se concluye que la transformación de las representaciones sociales de las prácticas profesionales del cuidado es evidente, en particular por la posibilidad de convivir con la enfermedad.

 

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.15175


Palavras-chave


Síndrome da imunodeficiência adquirida; cuidado; pessoal da saúde; enfermagem [Acquired immunodeficiency syndrome; care; health personnel; nursing] [Síndrome de imunodeficiencia adquirida; cuidado; personal de salud; enfermería]

Texto completo:

PDF(por) HTML(ENG)


DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.15175