COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS:GÊNESE E INCORPORAÇÃO DE UMA NOÇÃO NA POLÍTICA CURRICULAR E NO ENSINO MÉDIO.

Jonas Emanuel Pinto Magalhães

Resumo


Este artigo procura mapear o percurso de incorporação da noção de competências socioemocionais nos discursos pedagógicos e nas políticas curriculares nacionais até a sua manifestação na reforma do ensino médio e na base nacional comum curricular. Analisa o papel desempenhado pelo Instituto Ayrton Senna na promoção e disseminação das competências socioemocionais como inovação curricular consoante com a “Educação para o século XXI”. Apresenta o projeto piloto “Solução Educacional” formulado e implementado por este Instituto em algumas escolas da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro cujo foco volta-se para o desenvolvimento de competências não-cognitivas. Por fim, discute, a partir dos relatórios produzidos pela OCDE, a influência deste organismo internacional na construção de uma agenda global que incorpore o desenvolvimento e a avaliação de competências socioemocionais como política educacional.


Palavras-chave


competências socioemocionais; políticas públicas, política educacional; currículo; ensino médio

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2021.46754


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: