JUVENTUDES, TRABALHO, E EDUCAÇÃO: UMA TRÍADE ESTRUTURANTE PARA O FENÔMENO DA JUVENILIZAÇÃO DA EJA NO BRASIL?

José Humberto da Silva

Resumo


Este artigo trata-se de um estudo sobre a juventude brasileira, sua relação com o trabalho-educação, bem como sobre o processo de inserção de jovens na Educação de Jovens Adultos e o fenômeno da Juvenilização nessa modalidade de ensino. O caminho metodológico aglutinou método e técnicas de pesquisa numa abordagem que articulou dados quantitativos com fontes teóricas já produzidas. Entre os autores referenciados, destacam-se: Bourdieu (1983), Pais (1990), Alves (2008) Sposito (2002), Silva (2008, 2012), Haddad e Di Pierro (2000), Paiva (1987), Brunel (2004), Rummert (2007), entre outros. Acionou-se ao campo teórico o levantamento e análise na base de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) – e dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) – Ministério da Educação (MEC). O resultado e a análise, oriundos da triangulação dos dados, estão organizados, além da Introdução e Conclusão, em quatro seções, a saber: “Juventude: um conceito ainda em construção”; “Juventude(s) – tempo destinado para a escolarização?”; “Juventude Brasileira e sua relação com o Trabalho – Educação” e, por fim “Juvenilização da EJA”. Em linhas gerais, a pesquisa informa que a relação estabelecida pela juventude brasileira ao longo dos anos com o trabalho e a educação é estruturante para consolidação e permanência do fenômeno da Juvenilização da EJA.

 


Palavras-chave


Juventude. Jovens. Trabalho-Educação. Juvenilização da EJA

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2019.46588


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: