O ENSINO MÉDIO BRASILEIRO E A LEI N.º 13.415 EM TEMPOS DE NEOLIBERALISMO: FORMAÇÃO PARA EMANCIPAÇÃO OU FORMAÇÃO PARA O MERCADO?

DAYANNA Pereira SANTOS, Edson Silva Carvalho, Eudiane Nunes de Oliveira

Resumo


O artigo objetiva analisar as principais ações da política educacional para o Ensino Médio no contexto da Lei nº 13.415, sob a influência do neoliberalismo. Para se problematizar o objeto de estudo e abordar às questões de investigação, trabalhou-se com teóricos como Cunha (2005); Kuenzer (1997); Freitas (2018), Motta; Frigotto (2017).  Sob esse prisma, os documentos oficiais conexos a essas políticas foram mapeados e analisados problematizando os interesses políticos e econômicos em voga; as disputas ideológicas contemporâneas, conferindo atenção à flexibilização curricular e à concepção de competências no âmbito do ensino.  Os resultados permitiram identificar contradições nos discursos oficiais e na implantação e concretização das políticas de Ensino Médio, desvelando um distanciamento entre o pretendido e o realizado. Ademais, identificou-se que a proposta de criação dos IFs configura-se como possibilidade de superação do modelo formativo  economicista , na medida em que desenvolve um  processo formativo de unidade entre o trabalho, a ciência e a cultura.


Palavras-chave


Ensino Médio, Reforma, Formação, Política Educacional

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2019.46491


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: