EXCLUSÃO DIGITAL E EDUCAÇÃO: A INFRAESTRUTURA COMO CONDIÇÃO PRIMÁRIA

Adriane Matos de Araujo, Carmen Lúcia Guimarães De Mattos

Resumo


Este artigo é parte dos resultados da dissertação de mestrado intitulada: “Exclusão Digital em Educação no Brasil: um estudo bibliográfico” (ARAUJO, 2016) e tem como objeto de estudo a “Exclusão Digital”. A questão principal é: "Qual a condição primária da exclusão digital no Brasil?". O objetivo principal é discutir a importância, o impacto e as limitações do uso da Internet e das tecnologias digitais na escola, a partir da interpretação dos textos da área da Educação examinados. A exclusão digital é compreendida aqui como uma questão de capital tecnológico que envolve tecnologias humanas em todos os seus sentidos. A desigualdade de infraestrutura incide na exclusão digital, uma vez que, os que possuem mais infraestrutura podem melhor usufruir das tecnologias digitais. Essa desigualdade de infraestrutura é um reflexo das desigualdades sociais que o país enfrenta, pois existem diferentes razões quanto ao acesso e o uso das tecnologias digitais que diferem, de região para região, essas diferenças revelam o quanto é importante que as políticas socioeconômicas se ajustem as realidades de cada região do país. A Infraestrutura foi compreendida como condição primária para imersão da sociedade no universo digital. A Educação no Brasil caminha lentamente em direção ao encontro efetivo com a realidade das demandas da Sociedade do Conhecimento, diante do que a escola precisa e do que o governo diz proporcionar. O maior desafio é, não somente prover a infraestrutura de acesso às tecnologias digitais e a Internet, mas ainda o de investir em propostas pedagógicas e educacionais para transformar a informação em conhecimento, e assim dar um novo sentido a ela.

 

 

 


Palavras-chave


Palavras-chave: exclusão digital; infraestrutura; tecnologia digital; educação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2018.33369


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: