Caminhos para articulação da Educação Alimentar e Nutricional com o currículo escolar: relato de experiência no contexto do ensino fundamental

Ana Beatriz Macêdo Venâncio dos Santos, Guilherme Silva Freire de Souza, Ilis Nogueira Mendonça, Larissa Ferreira Tavares Nonato, Maria das Graças Diniz Alves, Maria dos Aflitos Soares de Oliveira, Raymme Ramos de Araújo, José Douglas Bernardino Domingos, Jhulia Evilys Dias da Silva, Lucas Moura Rodrigues, Thalia Amannara Melo da Costa, Poliana de Araújo Palmeira

Resumo


Objetivo: Este artigo visa relatar a experiência da construção e implementação de ações de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) transversais aos componentes do currículo escolar do ensino fundamental. Método: As ações foram realizadas entre agosto e dezembro de 2020 em uma escola pública na Paraíba, com base em conteúdos previstos no Marco de EAN para as políticas públicas e no Guia alimentar para a população brasileira, transversalmente associados ao desenvolvimento cognitivo e conteúdos de português e matemática. Resultados: Nos resultados foram descritas as estratégias aplicadas nas ações de EAN e na articulação com componentes curriculares da escola, segundo a idade escolar dos alunos. Com a vivência observou-se, no recurso lúdico, como jogos e contação de histórias, uma estratégia necessária ao engajamento dos alunos nas ações. A articulação entre EAN e o currículo escolar foi viável devido à disponibilização do planejamento pedagógico em curso por todos os professores da escola. O desenvolvimento de ações de EAN adaptadas à idade escolar do aluno garantiram melhor aprendizado e participação dos escolares. Conclusão: As ações transversais de EAN são desafiadoras e demandam criatividade, vínculo entre os educadores e a equipe da escola e planejamento adequado à realidade territorial e das turmas.


Palavras-chave


Promoção da Alimentação Adequada e Saudável. Desenvolvimento infantil. Serviços de Saúde Escolar.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; 2012.

BRASIL. Presidência da República. Lei no 13.666, de 16 de maio de 2018. Lei no 13.666 2018.

Lanes DVC, dos Santos MET, Silva EF de SJ, Lanes KG, Puntel RL, Folmer V. Estratégias lúdicas para a construção de hábitos alimentares saudáveis na educação infantil. Rev Ciênc Ideias ISSN 2176-1477. 2012;4(1).

BRASIL M da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília-DF: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica; 2014.

Silva SU da, Monego ET, Sousa LM de, Almeida GM de. As ações de educação alimentar e nutricional e o nutricionista no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23:2671–81.

Borsoi AT, Teo CRPA, Mussio BR. Educação alimentar e nutricional no ambiente escolar: uma revisão integrativa. Rev Ibero-Am Estud Em Educ. 2016;11(3):1441–60.

Prado BG, Fortes ENS, de Lima Lopes MA, Guimarães LV. Ações de educação alimentar e nutricional para escolares: um relato de experiência. DEMETRA Aliment Nutr Saúde. 2016;11(2):369–82.

Condurú MT, Santos AC da S. A contribuiçãoo da literatura infantil no desenvolvimento da criança: um estudo de caso no Projeto Literatura da Biblioteca do SESC DOCA. 2020;

da Silva SP. O teatro de bonecos na educação infantil: a construção o do conhecimento da criança em debate. Rev Didática Sistêmica. 2014;16(2):44–58.

Niles RP, Socha K. A importância das atividades lúdicas na educação infantil. ÁGORA Rev Divulg Científica. 2014;19(1):80–94.

do Amaral KC das C, Rojas J, Hammes CC. A ludicidade no contexto escolar: a importância do desenvolvimento de atividades lúdicas nas aulas de educação física, 2018.

Ke F, Grabowski B. Gameplaying for maths learning: cooperative or not? Br J Educ Technol. 2007;38(2):249–59.

Gonçalves CN. Jogos de competição como cenário de aprendizagem cooperativa no ensino de física. 2018.

Oliveira DS, Coelho CM. Rotinas na Educação Infantil: brincadeiras orais e desenvolvimento. Rev Com Censo Estud Educ Dist Fed. 2018;5(2):112–8.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria interministerial no 1.010, de 08 de maio de 2006. No 1.010, 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução no 26 de 17 de junho de 2013. 26/2013 2013.

Amâncio Filho A. Dilemas e desafios da formação profissional em saúde. Interface-Comun Saúde Educ. 2004;8:375–80.

De Souza ADS. Baixo rendimento acadêmico: dificuldades de aprendizagem de alunos do 6º ano na Escola Dr. Ruy Bercot de Mattos em Nova Iguaçu, RJ, Brasil. Repos Tesis Trab Final UAA. 2019;

Papalia DE, Feldman RD. Desenvolvimento humano. Artmed editora; 2013.

Hart K, Bishop J, Truby H. An investigation into school children’s knowledge and awareness of food and nutrition. J Hum Nutr Diet. 2002;15(2):129–40.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2021.56719

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.