Consumo regular de alimentos ricos em compostos bioativos e nutrientes antioxidantes e estado cognitivo de idosos

Joziane Aparecida Zionko, Viviane Neusa Scheid, Thalia Fernanda Naszeniak, Gabriella Aparecida Vieira, Carla Zanelatto, Eloá Angélica Koehnlein

Resumo


Introdução: A prevalência das patologias relacionadas ao envelhecimento aumentou consideravelmente, e a nutrição constitui um importante fator de risco modificável. Objetivo: Avaliar o estado cognitivo e a frequência de consumo de alimentos ricos em compostos bioativos e nutrientes antioxidantes em idosos. Métodos: Participaram da pesquisa idosos da região sudoeste do Paraná. Coletaram-se dados sociodemográficos e clínicos. Avaliou-se o estado cognitivo através do Miniexame do Estado Mental (MEEM), e o consumo de frutas, legumes, leguminosas e oleaginosas foi avaliado por meio de um questionário de frequência de consumo alimentar. Analisaram-se os dados utilizando estatística descritiva e regressão logística. Amostra composta por 82 idosos, predominantemente feminina, com baixa escolaridade e renda. A avaliação do estado cognitivo e da independência na realização das atividades diárias demonstrou que 20,7% da amostra apresentou declínio cognitivo e 13,4% possuíam dependência na realização de atividades cotidianas. Resultados: Os idosos avaliados apresentaram baixo consumo regular de frutas (75,6%), hortaliças (65,9%), leguminosas (67,1%) e especialmente oleaginosas (8,5%). No modelo de análise de regressão logística ajustado para sexo, idade, arranjo domiciliar, renda e escolaridade, os idosos que apresentaram consumo irregular de hortaliças possuíram 5,04 vezes mais chances de desenvolver declínio cognitivo, enquanto no modelo que incluiu, além das variáveis supracitas, atividade física e fatores de risco clínicos para declínio cognitivo, eles apresentaram 6,19 vezes mais chances. Conclusão: O presente estudo apontou que a amostra apresentou um percentual importante de declínio cognitivo, baixo consumo regular de alimentos variados dos grupos das frutas, hortaliças, leguminosas e oleaginosas, sendo que o consumo irregular de hortaliças influenciou em maiores chances de os idosos apresentarem comprometimento cognitivo.


Palavras-chave


Envelhecimento. Demência. Consumo Alimentar.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2022.53955

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.