becoming brazilian teacher in pandemic times

meirilene dos santos araújo barbosa, laís helena garcia, ana maria monte coelho frota

Abstract


This paper seeks to explore the processes involved in becoming a teacher in this particular historical moment of global pandemic in Brazil. What are the challenges, limitations, possibilities and opportunities that the pandemic presents to the process of teaching work and teacher formation? A review of the literature that included contributions from Caponi (2020), Kohan (2007, 2008, 2010, 2011, 2017), Larrosa (2018), Neuscharank (2020), Vaz (2012), Arroyo (2012) and Abramowicz (2017) suggests a dialogue between pedagogic theory, philosophy of education and the contemporary experience of political and social events in the pandemic period The discussions reviewed explore the profound extent to which Covid-19 has affected our way of living, working and relating to others, and the psychological effects of social isolation. The situation demands from the Brazilian teacher an attitude of openness to change, specifically in the use of new technologies, and the extent to which they are or are not able to replace face-to-face interactions. The situation also challenges us to reconstruct, beyond the logic of neoliberalism, our notions of the type of school we have and type of school we want, the type of teachers we are and the type of teacher we want to be. We conclude that this process of thinking school again depends, if it is to escape neoliberal logic, on the capacity of understanding the vocation of the teacher to be one of “becoming-child” in the sense of experiencing an openness to and a desire for the new. As such, the “becoming-teacher” is one who allows herself to be addressed by another logic, another more sensitive and more aesthetic temporality, and who finds, in encounter with others, with art, with childhood, with becoming itself, the capacity to think, to resist, to fight for the realization of that logic.

 


Keywords


becoming; teacher; pandemic.

References


Abramowicz, Anete. Educação infantil: implementar o exercício da infância. In: Abramowicz, Anete; Tebet, Gabriela Guarnieri de Campos (org.). Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de Ideias, 2017. p. 15-26.

Arroyo, Miguel G. Corpos precarizados que interrogam nossa ética profissional. In: Arroyo, Manuel G.; Silva, Maurício Roberto da (org.). Corpo infância: exercícios tensos de ser criança; por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 23-54.

Baddini, Bruna; Fernandes, Daniel. Primeira pessoa é vacinada contra Covid-19 no Brasil. CNN Brasil, São Paulo, 17 jan. 2021. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2021/01/17/primeira-pessoa-e-vacinada-contra-covid-19-no-brasil. Acesso em: 15 fev. 2021.

Brasil confirma primeiro caso do novo coronavírus. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 fev. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/02/brasil-confirma-primeiro-caso-do-novo-coronavirus.shtml. Acesso em: 15 fev. 2021.

Caponi, Sandra. Covid-19 no Brasil: entre o negacionismo e a razão neoliberal. Estudos Avançados, São Paulo, v. 34, n. 99, maio/ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.013. 3499.013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ea/v34n99/1806-9592-ea-34-99-209.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

Cnte. Escola pública laica, plural, gratuita, sem violência, desmilitarizada, democrática, de qualidade social, com profissionais valorizados/as, integral e para todos/as: eu acredito e vou à luta. Brasília, DF: CNTE, 2019. Disponível em: https://cnte.org.br/images/stories/2019/cnte--20a_semana_nacional_em_defesa_da_educacao--livreto-final-web.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2: volume 4. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

Freitas, Luiz Carlos de. Ceará: tese mostra impacto da política educacional. Avaliação Educacional: Blog do Freitas, [S.l.], 21 jun. 2020. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2020/06/21/ceara-tese-mostra-impacto-da-politica-educacional/. Acesso em: 15 fev. 2021.

Frigotto, G. Prefácio. In: Bianchetti, Roberto G. Modelo neoliberal e políticas educacionais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1996. p. 9-15.

Gonçalves, Eduardo. Ricardo Salles fala em aproveitar a pandemia para ‘ir passando a boiada’’. Veja, [S.l.], 23 maio 2020. Disponível em: https://veja.abril.com.br/politica/ricardo-salles-fala-em-aproveitar-a-pandemia-para-ir-passando-a-boiada/. Acesso em: 15 fev. 2021.

Kohan, Walter Omar. A devolver (o tempo d)a infância à escola. In: Abramowicz, Anete; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos (org.). Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de Ideias, 2017. p. 11-14.

Kohan, Walter Omar. Infância e filosofia. In: Sarmento, Manuel; Gouvea, Maria Cristina Soares de (org.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 40-61.

Kohan, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância: (novos) ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Kohan, Walter Omar. Infância. Entre educação e filosofia. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

Kohan, Walter Omar. Não há verdade sem alteridade. A propósito de “Devir- Criança da filosofia: infância da Educação”. In: Kohan, Walter Omar. Devir criança da filosofia: infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 7-13.

Larrosa, Jorge. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

Leite, Maria Isabel; Ostetto, Luciana Esmeralda. Formação de professores: o convite da arte. In: Ostetto, Luciana Esmeralda; Leite, Maria Isabel. Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. Campinas: Papirus, 2012. cap. 1.

Morales, Raul. Dons, encargos, lugares, correções e tédio. In: Larrosa, Jorge. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 162-170.

Moriyón, Félix García. A infância, um território fronteiriço. In: Kohan, Walter Omar. Devir criança da filosofia: infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 141-163.

Neuscharank, Angélica. Notas de estudos sobre devir-criança, linguagem e tempo: “o tempo muda”. ClimaCom: Devir Criança, Campinas, ano 7, n. 18, set. 2020. Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/wp-content/uploads/2020/09/ARTIGO-9-Notas-de-estudos-sobre-devir-crian--a-linguagem-e-tempo.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

Shiroma, O. E.; Moraes, M. C.; Evangelista, O. Política educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

Trindade, Marcos Aurélio. O conceito de “ser mais” em Paulo Freire e a relação professor-aluno. Revista Comfilotec, ano 4, v. 7, 2018. Disponível em: https://www.fapcom.edu.br/wp-content/uploads/2018/05/Marcos-comfilotec-artigo-ensaios-1.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

Vaz, Tamiris. Docência em deriva: atravessamentos de um ‘devir professor’. In: Seminário ANPED SUL, 9., 2012, Caxias do Sul. Anais eletrônicos […]. Caxias do Sul: ANPED, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/view/1243/790. Acesso em: 15 fev. 2021.

Vidale, Giulia. Novas variantes já foram detectadas em 10 estados e Distrito Federal. Veja, São Paulo, 20 fev. 2021. Disponível em: https://veja.abril.com.br/saude/novas-variantes-ja-foram-detectadas-em-10-estados-e-distrito-federal/. Acesso em: 20 fev. 2021.




DOI: https://doi.org/10.12957/childphilo.2021.57915

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


childhood & philosophy Creative Commons License
e-issn 1984-5987 | p-issn 2525-5061