Contextos, trocas e utopias: Literaturas brasileira e angolana em diálogo

Maria Geralda de MIRANDA

Resumo


Os estudos das Literaturas africanas têm contribuído de forma decisiva para a formação de profissionais com uma visão mais ampla no que tange aos contributos culturais dos africanos à identidade brasileira. O volume de estudos e a ação de alguns pesquisadores também foram decisivos para que se elaborasse e aprovasse a lei 10.639. A atitude política contida na elaboração da lei e os efeitos dela advindos abrem caminho para reduzir as dívidas históricas do Brasil consigo próprio e especialmente para com os africanos e afrodescendentes. Estudar as literaturas africanas de língua Portuguesa, observando as relações dialogais com a literatura brasileira contribuirá para a compreensão acerca do nosso próprio imaginário nacional, já que, segundo Hussel Hamilton (2003), “a partir do fim do século XIX e ao longo das décadas, até o presente, a expressão literária brasileira e a percepção do Brasil por escritores e intelectuais da África portuguesa vêm tendo uma visível importância entre angolanos, cabo-verdianos, guineenses, moçambicanos e são-tomenses”. Assim, buscar-se-á, através do presente estudo, estabelecer diálogos entre as escritas do angolano Pepetela e do brasileiro João Ubaldo Ribeiro.

Palavras-chave


Imaginário; Utopias; Brasil; Angola

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2010.10253

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.