O (des)cuidado em saúde às pessoas LGBTQIAP+ dispensado por profissionais em unidades básicas de saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/reuerj.2024.79505

Palavras-chave:

Enfermagem, Atenção Primária à Saúde, Assistência Integral à Saúde, Minorias Sexuais e de Gênero

Resumo

Objetivo: compreender o cuidado em saúde dispensado às pessoas LGBTQIAP+ por profissionais em Unidades Básicas de Saúde, a partir do referencial teórico da Política Nacional de Saúde LGBT (PNSILGBT) estabelecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Método: estudo descritivo, com abordagem qualitativa, que entrevistou 12 profissionais de saúde da Atenção Básica. Os dados coletados passaram pela Análise Lexical utilizando-se do software IRAMUTEQ. Resultados: emergiram três categorias temáticas que possibilitaram compreender que os profissionais reconhecem as violências praticadas na assistência a essa população, as barreiras no acesso e as dificuldades enfrentadas por pessoas LGBTQIAP+. Considerações finais: o desconhecimento das políticas e a não percepção das consequências dessas ações para a saúde dessa população remete muito mais ao (des)cuidado do que efetivamente ao cuidado condizente as suas reais necessidades em saúde.

Biografia do Autor

Bárbara Angélica Santos de Oliveira, Universidade Estadual de Feira de Santana

Enfermeira. Especialista em Saúde Pública. Mestra pelo Programa de Mestrado Profissional de Enfermagem da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Feira de Santana, BA, Brasil.

Cleuma Sueli Santos Suto, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira. Especialista em Obstetrícia e Saúde Pública. Doutora em Enfermagem. Docente Permanente do Programa de Mestrado Profissional em Enfermagem. Professora Adjunta da Universidade do Estado da Bahia, Senhor do Bonfim, BA, Brasil.

Carle Porcino, Universidade Federal da Bahia

Psicóloga, Doutora em Enfermagem e Saúde. Professora adjunta do Curso de Medicina da  Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, BA, Brasil.

Helena Moraes Cortes, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira, Doutora em Ciências. Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC, Brasil.

Sinara de Lima Souza, Universidade Estadual de Feira de Santana

Enfermeira. Doutora em Ciências. Professora Titular dos cursos da graduação e pós-graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, BA, Brasil.

Referências

Lima AP. Cuidado, emoções e políticas públicas. Reflexões a partir do caso português. Sex, Salud Soc. 2022 [cited 2022 May 25]; (38):e22314. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2022.38.e22314.a.

Gouvêa LF, Souza LL. Saúde e população LGBTQIA +: desafios e perspectivas da Política Nacional de Saúde Integral LGBT. PERI. 2021 [cited 2022 May 25]; 16(3):23-42. DOI: https://doi.org/10.9771/peri.v3i16.33474.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 2.436/2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília. Diário Oficial. 2017 [cited 2022 May 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Muñoz RLS, Miguel LDP. Estigma e discriminação sociais como fardo oculto no processo saúde-doença. João Pessoa: Editora UFPB, 2020 [cited 2022 May 25]. Available from: http://www.editora.ufpb.br/sistema/press5/index.php/UFPB/catalog/book/828.

Bezerra MVR, Moreno CA, Prado NMBL, Santos AM. Política de saúde LGBT e sua invisibilidade nas publicações em saúde coletiva. Saúde debate. 2019 [cited 2022 May 25]; 43(spe8):305-23. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S822.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 2.836/2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). Brasília.Gabinete do Ministro. 2011 [cited 2022 May 25]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2836_01_12_2011.html

Guimarães NP, Sotero RF, Cola JP, Antonio S, Galavote HS. Avaliação da implementação da Política Nacional de Saúde Integral à região da população LGBT em um município do Sudeste do Brasil. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde. 2020 [cited 2022 May 25]; 14(2):372-85. DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i2.1712.

Sousa Júnior CAA, Mendes DC. Políticas públicas para a população LGBT: uma revisão deestudos sobre o tema. Cad EBAPEBR. 2021 [cited 2022 May 25]; 19(spe):642–55. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395120200116.

Salviati ME. Manual do Aplicativo Iramuteq (versão 0.7 Alpha 2 e R Versão 3.2.3). Planaltina. 2017 [cited 2022 May 25]. 93p. Available from: http://iramuteq.org/documentation/fichiers/anexomanual-do-aplicativo-iramuteq-parmaria-elisabeth-salviati.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Br). Indicadores Sociais Mínimos. Censo 2000 [cited 2022 May 25]. Available from: https://www.ibge.gov.br/ibge/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresmin

Santos JS dos, Silva RN da, Ferreira M de A. Health of the LGBTI+ Population in primary healthcare and the insertion of nursing. Esc Anna Nery. 2019 [cited 2022 May 25]; 23(4):e20190162. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2019-0162.

Freitas AL, Silva GM, Paula Júnior NF, Giuliani CD. Dimensões do cuidado à saúde da população LGBTQIA+ ofertado pelos profissionais de saúde. REAS. 2023 [cited 2023 sep 30]; 23(3):e12114. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e12114.2023.

Martins AN. Caminhos da criminalização da LGBTfobia: racionalidade criminalizante, neoliberalismo e democratização. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. 2020 [cited 2022 May 25]. Available from: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-19022021-174812/pt-br.php.

Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Violência contra Pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo nas Américas, 2015 [cited 2022 May 25]. 319p. Available from: https://www.oas.org/pt/cidh/docs/pdf/violenciapessoaslgbti.pdf.

Dissidências sexuais e de gênero em diversos campos de lutas: o sentido do Direito à existência. Porto Velho: EDUCAR, 2021. 249 p.

Granja CS, Vaz FFS, Aragão MLDA, Coelho Junior LGT, Mauricio HA, Coelho JMM, Calumby NRS. LGBTQIA+ population and access to health services: an integrative review. Concilium. 2023 [cited 2023 Sep 30]; 23(19):253–64. DOI: https://doi.org/10.53660/CLM-2101-23P40.

Moraes IK N, Ferreira JP, Pontes SRS, Sousa HP, Moreira JPS. Acesso da população LGBTQ+ aos serviços públicos de saúde: entraves e perspectivas. RSC. 2023 [cited 2023 Sep 30]; 19(1). DOI: https://doi.org/10.22481/rsc.v19i1.12380.

Christoffersen A, Hankivsky O. Responding to iniquities in public policy: is GBA+ theright way to operationalize intersectionality? Canadian public administration. 2021 [cited 2023 Sep 30]; 23(3):524-58. DOI: https://doi.org/10.1111/capa.12429.

Secretaria Geral da República Federativa do Brasil (Br). Decreto nº 8.727/2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília: Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2016 [cited 2023 Sep 30]. Available from: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8727.htm.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 1820/2009. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Brasília. Gabinete do Ministro. 2009 [cited 2023 Sep 30]. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1820_13_08_2009.html

Gurgel DG, Sousa IMC, Oliveira SR, Santos FAS, Diderichsen F. The National Health Services of Brazil and Northern Europe: universality, equity, and integrality—time has come for the latter. Int J Health Serv. 2017 [cited 2023 Sep 30]; 47(4):690–702. DOI: https://doi.org/10.1177/0020731417732543.

Freitas CC. Corpos que resistem: acesso e qualidade da assistência prestada a travestis e transexuais no Sistema Único De Saúde (SUS). Monografia. Cuité, Universidade Federal de Campina Grande. 2023 [cited 2023 Sep 30]. 64p. Available from: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/xmlui/handle/riufcg/31057.

Costa-Val A, Manganelli MS, Moraes VMF, Cano-Prais HA, Ribeiro GM. The care of the LGBT population from the perspective of Primary Health Care professionals. Physis. 2022 [cited 2023 Sep 30]; 32(2):e320207. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312022320207.

Publicado

29.05.2024

Como Citar

Oliveira, B. A. S. de, Suto, C. S. S., Porcino, C., Cortes, H. M., & Souza, S. de L. (2024). O (des)cuidado em saúde às pessoas LGBTQIAP+ dispensado por profissionais em unidades básicas de saúde. Revista Enfermagem UERJ, 32(1). https://doi.org/10.12957/reuerj.2024.79505

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa