TECNOLOGIAS ANCESTRAIS: REDES E CONEXÕES ANTIRRACISTAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2024.73849

Palavras-chave:

Relações Étnico-Raciais, Ensino de História, NTICD, Tecnologias Ancestrais, Letramento Digital.

Resumo

Este texto é fruto das discussões e debates segundo às exigências do exame de qualificação do doutorado e que se encontra em andamento. Procuramos sintetizar as reflexões apresentadas sobretudo diante do capítulo que dá o título deste artigo. A pesquisa em tela encontra-se dividida na seguinte dimensão: a) uma breve história do objeto de pesquisa; b) a importância da Lei 10.639/03 no cenário das políticas afirmativas; c) o paradigma emergente como esteio teórico; d) o letramento digital que se desdobra em – tecnorizomático, tecnoafetivo e tecnodiverso – instâncias cunhadas e que se relacionam com as tecnologias ancestrais. Nosso principal objetivo foi provocar os leitores diante das possibilidades e potências dos processos de artesanias do povo negro no âmbito das tecnologias ancestrais, de forma que possa contribuir para uma educação antirracista, especialmente no contexto da construção da Lei 10.639/03. Assim, as sementes foram lançadas diante de lutas e resistências para um tempo de semeadura democrática, plural e diversa.

Biografia do Autor

João Paulo Carneiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGHS-UERJ), Mestre em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow (CEFET/RJ). Especialista em Ensino de História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Especialista em Cultura Afro-Brasileira e Indígena pela Universidade Católica de Petrópolis (UCP), Licenciado em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Licenciado em História pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), e Bacharelando em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

ALMEIDA, Maria E. B. de. Educação à distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 2, P. 327-340, jul/dez. 2003.

BEHRENS, Marilda A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 6ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

BRASIL, Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, DF: MEC: CONSED: UNDIME, 2018.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Editora Cultrix, 2004.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 22ª ed. São Paulo: Editora Paz & Terra: 2020.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

COSTA, Rogério da. A cultura digital. São Paulo: Publifolha, 2008.

COSTA, Marcela A. da; LUCCHESI, Anita. Historiografia escolar digital: dúvidas, possibilidades experimentação. In: MAYNARD, Dilton C. S; SOUZA, Josefa E. (Orgs.). História, sociedade, pensamento educacional: experiências e perspectivas. Rio de Janeiro/Pernambuco: EDUPE, 2016. P. 336-366.

COSTA, Marcella A. F. da. Ensino de história e historiografia escolar digital. Rio de Janeiro, 2019. 232 f. Tese de Doutorado e História, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Centro de Ciências Humanas e Sociais, RJ, 2019.

DALMAGRO, Sandra L. Movimentos Sociais e Educação: uma relação fecunda. Trabalho Necessario – www.uff.br/trabalhonecessario; Ano 14, Nº 25/2016. P. 69-89.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995; v.1.

EDUCOPÉDIA. Disponível em: http://www.educopedia.com.br/SobreEducopedia.aspx. Acesso em: 12 de fev. de 2023.

FERNANDES, Florestan. Significado do protesto negro. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.

FICKERS, Andreas. Historicism? Doing History In The Age Of Abundance. Journal of European Television History and Culture, 2012, 1, 1–9.

FONSECA, Tania Mara Galli. Subjetivação na perspectiva da diferença: heterogênese e devir. In: (Orgs.). PELLANDA, Nilze M. C; PELLANDA, Eduardo Campos. Ciberespaço: um hipertexto com Pierre Lévy. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2000. P. 55- 67.

FOUCAULT, M. À propos de la généalogue de l’ethique: um aperçu du travail em course. In: FOUCAULT, M. Dits et écrits (1980-1988). Paris: Gallinard, 1994. V. 4. P. 609-631. Entrevista com H. Dreyfus e P. Rabinow, 2ª versão.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 27ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 2018.

GOMES, Flávio. Negros e política (1888-1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2005.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Saberes construídos na luta por emancipação. Petrópolis, RJ: vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. A contribuição dos negros para o pensamento educacional brasileiro. In: SILVA, Petrolina B. G. E.; BARBOSA, Lucia M. de A. (Orgs.). O pensamento negro em educação no Brasil: expressão do movimento negro. São Carlos: Editora da UFSCAR, 1997. P. 17-39.

GONZALEZ, Lélia. Jornal Mulherio, Ano II, Nº 5, Jan/Fev, de 1982. P. 5.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século XXI. São Paulo: Cia das letras, 2018.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como pratica da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

KASTRUP, Virgínia. Novas tecnologias cognitivas: o obstáculo e a invenção. In: (Orgs.). PELLANDA, Nilze M. C; PELLANDA, Eduardo Campos. Ciberespaço: um hipertexto com Pierre Lévy. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2000. P. 38-54.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 9ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3ª ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

LOPES, Nei. Se a floresta te abriga. In: NASCIMENTO, Elisa L; GÁ, Luiz Carlos. (Orgs.). Adinkra. Rio de Janeiro: Pallas, 2009. P. 30-32.

MATURANA, Humberto e VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas, SP: Editora Psy II, 1995.

MIGNOLO, W. D. e PINTO, Júlio R. de S. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocindetalização e opção decolonial. Civitas, Porto Alegre, V.15, N.3, jul./set. 2015. P. 382-402.

MORAES, Maria C. O paradigma educacional emergente. 9ª ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 1997.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2002.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 4ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

NARDI, B. A. e O’DAY, V. L. Information ecologies. 2. ed. Cambridge: MIT Press, 1999.

NASCIMENTO, Elisa L. O simbolismo dos Adinkras. In: NASCIMENTO, Elisa L; GÁ, Luiz Carlos. (Orgs.). Adinkra. Rio de Janeiro: Pallas, 2009. P. 22-29.

NASCIMENTO, Elisa L. O movimento social Afro-Brasileiro no século XX: um berço sucinto. In: NASCIMENTO, Elisa L. (Org.). Cultura em movimento: matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2008. P. 93-178.

PIMENTEL, Márcia. Artigos e reportagens. Plataforma Rioeducopédia amplia a aprendizagem e autonomia dos alunos da rede. Disponível em: http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/17222-rioeducopedia-a-plataforma-da-rede-municipal-que-amplia-a-aprendizagem-e-a-autonomia-dos-alunos. Acesso em: 30 de novembro de 2021.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Educação Subsecretaria de Ensino. Currículo Carioca 2020 – História. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/documents/9565635/37187427-f11f-4a95-a818-933866c46923. Acesso em: 19 de maio de 2021 e 20 de junho de 2022.

RIOEDUCOPÉDIA. Disponível em: https://www.rio.rj.gov.br/web/rioeduca/rioeducaemcasa. Acesso em: 30 de nov. de 2022.

SANTOS, Ynaê Lopes dos. História da África e do Brasil Afrodescendente. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

SENNETT, Richard. O artífice. Rio de Janeiro: Editora Record, 2009.

SOARES, Conceição; SANTOS, Edméia. Artefatos tecnoculturais nos processos pedagógicos: usos e implicações para os currículos. In: ALVES, Nilda; LIBÂNEO, J. C. Temas de pedagogia: diálogos entre a didática e currículo. São Paulo: Editora Cortez, 2012. P. 308-330.

SOUZA, Mônica Lima e. Palestra realizada no dia 13 de novembro de 2014. ANPUH ideias: ensino de História da África e das Relações Raciais nas Américas. Auditório do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

09-01-2024

Como Citar

CARNEIRO, João Paulo. TECNOLOGIAS ANCESTRAIS: REDES E CONEXÕES ANTIRRACISTAS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 285–304, 2024. DOI: 10.12957/riae.2024.73849. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/73849. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS