PROJETOS DE FORMAÇÃO ANTIRRACISTA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2024.72989

Palavras-chave:

Práticas de ensino antirracista, Anos Iniciais, Lei nº 10.639/2003

Resumo

Esse estudo investigou experiências de ensino antirracista, desenvolvidas com estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental de uma escola pública alagoana. Teve por objetivos: descrever três experiências com projetos de ensino antirracistas, concebidas em anos subsequentes com crianças do 2º ano do Ensino Fundamental; analisar as potencialidades dessas experiências com vistas ao desenvolvimento de uma formação antirracista; avaliar os limites impostos pela condição institucional do ensino formal para o desenvolvimento de uma formação radicalmente antirracista num modelo de sociedade estruturalmente racista. Do ponto de vista metodológico, trata-se, de um estudo de casos múltiplos no qual foram analisados três casos de três projetos focados em práticas pedagógicas antirracistas desenvolvidas numa mesma escola da rede pública municipal de Arapiraca-AL. Como resultados foi possível constatar a necessidade de resistir e suplantar discursos que visam silenciar a luta e as práticas pedagógicas antirracista, bem como a necessidade de ampliar o alcance de projetos como esses.

Biografia do Autor

Suzi Alves Silva, Secretaria Municipal da Educação de Lagoa da Canoa-AL

Mestra em Ensino pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática- PPGECIM- CEDU/UFAL. Atualmente é professora da Educação Básica na Prefeitura Municipal de Arapiraca. Graduada em Pedagogia Licenciatura pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL Campus Arapiraca. Participou do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) como bolsista no período de maio de 2014 a setembro de 2015. Participou do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica (PIBIC) ciclo 2017/2018. É membro Grupo de Pesquisas em Educação em Ciências e Tecnologias Afro-Latino-Americanas ? GP-ECITALA (CNPq/UFAL). Temática de interesse: Tecnologias da Informação e Comunicação, Educação para as relações Étnico-racial, Gênero, Sexualidade e Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nas séries iniciais do Ensino Fundamental e Educação Infantil. Pós-graduada em Educação Inclusiva pela Universidade Cruzeiro do Sul.

Ivanderson Pereira da Silva, Universidade Federal de Alagoas

É Licenciado em Física (UFAL/2008), Mestre (UFAL/2010) e Doutor em Educação (UFAL/2016). Realizou estágio pós-doutoral (PPGED-UFS/2020), no campo da Sociologia da Educação. É professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Adjunto III, lotado no Campus Arapiraca. Atua na Pós-graduação Stricto Sensu como docente permanente no Doutorado Acadêmico da Rede Nordeste de Ensino (RENOEN - Polo UFAL - Linha de Pesquisa "Ensino, Currículo e Cultura") e no Mestrado Profissional do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM/UFAL - Linha de Pesquisa "Tecnologias da Informação e Comunicação"). É líder do Grupo de Pesquisa "Educação em Ciências e Tecnologias Afro-Latino-Americanas" (GP-ECITALAS/CNPq - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/357670). Integra a Red Ecuatoriana de Investigación Científica Inclusiva Multidisciplinar (REICIM - https://reicim.blogspot.com/). É membro da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN). Tem concentrado suas pesquisas em explorar potencialidades didático-epistêmicas de saberes e produções científico-tecnológicos desenvolvidas por povos originários da América Latina, do Caribe, africanos e afrodiaspóricos. 

Maria Betânia Gomes da Silva Brito, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Federal de Alagoas (1999); especialização em Gestão Escolar (2009); mestrado em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Alagoas (2012) e doutorado em Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (2017) com ênfase em Política Educacional, planejamento e gestão da educação. Tem experiência na área de Educação atuando nos seguintes temas: Políticas da educação (gestão da Educação; planejamento educacional; mecanismos de controle social e participação da comunidade escolar); também realizou estudos e organizou políticas internas com ênfase em Extensão Universitária. Atualmente faz parte do grupo de pesquisa Gestão e Avaliação Educacional do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Alagoas. É professor adjunto na referida Universidade e membro do Grupo de Pesquisa Gestão e Avaliação Educacional (GAE/UFAL). Exerceu cargo de gestão na referida universidade: Coordenadora de Extensão no período de janeiro de 2016 a janeiro de 2020; compôs a comissão de elaboração/sistematização do Plano de Desenvolvimento Institucional da UFAL (2019-2023).

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Jandaíra, 2020.

BORGES, Juliana. Encarceramento em massa. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Jandaíra, 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília-DF: Congresso Nacional, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em: 17 de jul. de 2022.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília-DF: Congresso Nacional, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm . Acesso em: 14 maio 2020.

CSSEGISandData/COVID-19. COVID-19 Data Repository by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University. 2022. Disponível em: https://github.com/CSSEGISandData/COVID-19 Acesso em: 27 de jul. de 2022.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERREIRA, Fábio Gonçalves. A África de dona “Biá”. 2ª ed. Belo Horizonte: CEDIC, 2012

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1, 2018.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

UOL. Primeira vítima do RJ era doméstica e pegou coronavírus da patroa no Leblon. Maria Luisa de Melo. Colaboração para o UOL, no Rio.19/03/2020 18h54. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/19/primeira-vitima-do-rj-era-domestica-e-pegou-coronavirus-da-patroa.htm Acesso em: 17 de jul. de 2022.

YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Artmed, 2009

Downloads

Publicado

09-01-2024

Como Citar

SILVA, Suzi Alves; SILVA, Ivanderson Pereira da; SILVA BRITO, Maria Betânia Gomes da. PROJETOS DE FORMAÇÃO ANTIRRACISTA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 35–46, 2024. DOI: 10.12957/riae.2024.72989. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/72989. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS