O ENSINO DE CIÊNCIAS E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS PARA EDUCAR PARA AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2024.72090

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Relações Étnico-Raciais, Casos de Ensino, Formação de Professores.

Resumo

O objetivo deste artigo foi identificar possibilidades para um ensino de ciências antirracista no âmbito das Relações Étnico-Raciais no processo de formação de professores. Para isso, realizamos uma pesquisa-formação na perspectiva de Marie Christine Josso (2004; 2010) e empregamos o caso de ensino a partir da perspectiva de Mizukami (2000) como instrumentos para a produção do dados. Os participantes deste estudo são estudantes de pedagogia da UESB. Como forma de organização dos dados recorremos à análise de conteúdo (BARDIN, 1977). A análise foi efetivada em articulação com os estudos decoloniais e interculturais. Os resultados apontam que o caso de ensino proposto foi importante para a formação dos estudantes, pois promoveu reflexão e autorreflexão acerca de sua prática curricular em articulação com as relações étnico-raciais no ensino de ciências, havendo assim a intenção de promover ações que favoreçam um diálogo intercultural e crítico acerca das diferenças culturais.

Biografia do Autor

Rafael Casaes de Brito, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorando em Ensino de Ciências pelo Programa de Pós graduação em Ensino da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGEN/UESB). Mestre em Relações Énicas e Contemporaneidade (PPGREC/UESB). Professor de Ciências e Biologia da educação básica. email: rafaelc.brito@hotmail.com

Benedito Gonçalves Eugênio, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, atuando na graduação, no Programa de Pós-Graduação-Mestrado Acadêmico em Relações Étnicas e Contemporaneidade e Programa de Pós-Graduação em Ensino-mestrado e doutorado (PPGEN). email: benedito.euenio@uesb.edu.br

Referências

ABRAMOWICZ, A. RODRIGUES, T. C. CRUZ, A. C. J. A diferença e a diversidade na educação. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFScar, São Carlos/SP, v. 2, n. 2. p. 85-97, 2011.

ANDRÉ, M. E. D. A. A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 1, n. 1, p. 41-56, 9 maio 2009. Disponível em: https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/4

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

CANDAU, V. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa, v.46, n.161, p.802-820 jul./set. 2016. Disponível em < https://www.scielo.br/j/cp/a/GKr96xZ95tpC6shxGzhRDrG/?lang=pt&format=pdf >.

CANDAU, V. M (Org.). Rumo a uma nova Didática. 15.ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

CANDAU, V. M. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.240-255, Jul/Dez 2011. Disponível em< https://saopauloopencentre.com.br/wp-content/uploads/2019/05/candau.pdf>

CANDAU, V. M. Educação em Direitos Humanos e formação de professores(as). 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

CANDAU, V. M. RUSSO, K. Interculturalidade e Educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, vol. 10, n. 29, p.151-169, 2010. Disponível em < https://www.redalyc.org/pdf/1891/189114444009.pdf

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CECCHETT, E. OLIVEIRA, L. B. Diversidade religiosa e direitos humanos: conhecer, respeitar e conviver. Revista Interdisciplinar em Direitos Humanos, n. 4, p. 181-197, Bauru, jun. 2015. Disponível em < https://www3.faac.unesp.br/ridh/index.php/ridh/article/view/268>

CRUZ, A. C. S. Interculturalidade e educação ambiental nas práticas pedagógicas para valorização da cultura. Anais XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC – 3 a 6 de julho de 2017. Disponível em <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2052-1.pdf >

DIAS, Genebaldo Freire. Participação e meio ambiente: metodologia e prática de ensino. RJ: Dunya, 2003.

DUSSEL, Henrique. Europa, modernidad y eurocentrismo. México: Editorial Trotta, 1993.

FLEURI, Reinaldo Matias; FALTERI, Paola. Rizoma. Educação Intercultural: linhas de um percurso de cooperação científica In: FLEURI, Reinaldo Matias; FANTIN, M (Org.). Culturas em relação. Florianópolis, MOVER, p. 15-18, 1999.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

IMBERNÓN, Francisco. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez Editora, 2006.

JOSSO, Marie-Christine. Da formação do sujeito ao sujeito da formação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p. 59-79.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Trad. José Claudino e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e gestão participativa na explicitação e resolução de conflitos. Gestão em Ação, Salvador, v. 7, n. 1, p. 37-50, jan./abr. 2004. Disponível em< http://arquivo.ambiente.sp.gov.br/cea/2011/12/FredericoLoureiro.pdf >

MIZUKAMI, M. G. N. “Casos de ensino e aprendizagem profissional da docência”, in ABRAMOWICZ, A., e MELLO, R. R. (Org.): Educação: pesquisas e práticas. Campinas, Papirus, pp. 139-161, 2000.

MOREIRA, P. F. S. D.; RODRIGUES FILHO, G. F.; JACOBUCCI, D. F. C. A bioquímica do candomblé: possibilidades didáticas de aplicação da lei federal 10.639/03. Química Nova na Escola, v.33, p. 85-92, 2011. Disponível em:< http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc33_2/03-EA3610.pdf>

NONO, M.A. MIZUKAMI, M. G. N. Casos de Ensino e Processos de aprendizagem profissional docente. Rev. Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 83, n. 203/204/205, p. 72-84, jan./dez. 2002.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias de vida. In: NÓVOA, António. Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2013.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, Nº 26, n.01, 2010, p. 15-40. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/edur/a/TXxbbM6FwLJyh9G9tqvQp4v/abstract/?lang=pt>

PINHEIRO, B. C. S. Educação em Ciências na Escola Democrática e as Relações Étnico-Raciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, vol.19, p.329–344, 2019. Disponível em<https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u329344.>

PRUDÊNCIO, C. A. V. GUIMARÃES, F. J. A contextualização no ensino de ciências na visão de licenciandos. Anais XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC – 3 a 6 de julho de 2017. Disponível em: < http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2171-1.pdf>

SACRISTÁN, G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

SANTOS, B. S. MENESES, M. P.; NUNES. J. A. “Introdução: para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo”. In: SANTOS, B. S. MENESES, M. P.; NUNES. J. A. (org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto: Afrontamento, 2004.

SANTOS, B. S. MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos, v.2, n. 1, p. 96 – 89, 2007. Disponível em< https://www.scielo.br/j/nec/a/ytPjkXXYbTRxnJ7THFDBrgc/?lang=pt >

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, M. L. S. BAPTISTA, G. C. S. Conhecimento tradicional como instrumento para dinamização do currículo e ensino de ciências. Gaia Scientia, vol. 12, n.4, p. 90-104, 2018.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 11 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

VEIGA, I. P. A. A aventura de formar professores. Campinas, SP: Papirus, 2009.

VELOSO, G. L. F. MENDONÇA, P. C. C. MOZZER, N. B. Compreensões sobre natureza da ciência de uma licencianda em química a partir de suas reflexões sobre um estudo de caso histórico. Ensaio- Pesquisa em Educação em Ciências, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117202021014.

VASCONCELOS, I. C. O. Pedagogia dialógica para democratizar a educação superior. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.24, n. 92, p. 579-608, jul./set. 2016. Disponível em < https://www.scielo.br/j/ensaio/a/bBFSDMngHyn8P8JD8xQt49y/?lang=pt&format=pdf

VERRANGIA, Douglas. Criações docentes e o papel do ensino de Ciências no combate ao racismo e a discriminações. Educ. foco, Juiz de Fora, v. 21 n. 1, p. 79-103 mar. 2016 / jun. 2016. Disponível em<https://doi.org/10.22195/2447-524620162119657>.

WALSH, C. Estudos (inter)culturais na chave descolonial. Tabula Rasa [online]. 2010, n.12, pp.209-227. Disponível em< http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1794-24892010000100013&script=sci_abstract&tlng=pt >

WALSH, C. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político- epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.9: 131-152, julio-diciembre, 2008. Disponível em< http://www.scielo.org.co/pdf/tara/n9/n9a09.pdf>

WALSH, Caterine. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, V. M. (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y colonialidad del poder. Um pensamiento y posicionamiento “outro” desde la diferencia colonial. In: CASTRO-GOMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Org.). El giro decolonial: Reflexiones para uma diversidad epistêmica más Allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del HombreIesco-Pensar, 2007.

Downloads

Publicado

09-01-2024

Como Citar

DE BRITO, Rafael Casaes; EUGÊNIO, Benedito Gonçalves. O ENSINO DE CIÊNCIAS E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS PARA EDUCAR PARA AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 124–144, 2024. DOI: 10.12957/riae.2024.72090. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/72090. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS