A INFÂNCIA A PARTIR DOS DIZERES E FAZERES DAS CRIANÇAS NA ESCOLA: ENCONTROS SILENCIOSOS E POTENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2020.45962

Palavras-chave:

Criança. Infância. Experiência. Escola. Transgressões

Resumo

O presente artigo é um fragmento de uma pesquisa que visou compreender como as crianças vivenciam o processo de transição da Pré-escola para o 1º ano do Ensino Fundamental. Aqui, de modo específico, abordamos os dizeres e os fazeres das crianças no ambiente escolar que retratam a transgressão de regras como forma silenciosa e potente de criação. O mesmo busca dialogar com a infância a partir de outros modos de entendê-la, ancorado nas discussões provenientes do campo da filosofia, considerando a infância como experiência. Os dizeres e fazeres das crianças e  suas experiências engendram outros vieses que não complementam o posto, mas o reconfigura sob outras dimensões, resistentes e ousadas. Eles evocam as possibilidades que as crianças trazem consigo para nossas instituições escolares.

Biografia do Autor

Nádia Priscila de Lima Carvalho, Universidade Federal de Pernambuco-UFPE

Mestra em Educação Contemporânea e Licenciada em pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco. Membro do Grupo de Pesquisa Discursos e Práticas Educacionais e do Grupo de Estudos em Artes e Educação. Área de interesse: ciências humanas - educação.

Rua Frei Caneca, n 45, centro, Brejo da Madre de Deus-PE. 55170-000

Fernanda Maria Santos Albuquerque, Universidade Federal de Pernambuco-UFPE

Mestra em Educação Contemporânea - Universidade Federal de Pernambuco. Graduada em pedagogia - Universidade Federal de Pernambuco/Campus Acadêmico do Agreste. Membro do Grupo de Pesquisa Discursos e Práticas Educacionais e do Grupo de Estudos em Artes e Educação. Área de interesse: ciências humanas - educação.

Rua Edson Borges da Fonseca, n.42, Caruaru, Pernambuco, Brasil.

Conceição Gislane Nóbrega Lima de Salles, Universidade Federal de Pernambuco-UFPE

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco, mestre e doutora (2008) em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é Professora Associada II do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco, onde atua no curso de graduação em Pedagogia e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea (PPGEduc).É Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea-PPGEDUC/Campus Agreste. No momento orienta 4 mestrandas e 2 estudantes de Iniciação Científica com financiamento do CNPq, CAPES e PROPESQ e já orientou 8 alunos a nível de mestrado. Vem publicando artigos em periódicos nacipnais especializados, dentre eles, Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação e Leitura; Eccos, e tem publicações em capítulos de livros. É parecerista do periódico Childhood & philosophy, entre outros. É vice-lider do grupo de pesquisa Discursos e Práticas Educacionais da UFPE e registrado no Diretório de Pesquisa do CNPq. No campo da pesquisa vem se dedicando aos estudos que vincula infância e educação, cultura do pensar na escola, formação de professores .Coordena desde 2011 Projetos de Pesquisa na temática da infância no contexto da educação infantil e nos anos iniciais.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: UFMG/Humanitas, 2005.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. B. de Almeida. 5ª. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2º ed. Rio de Janeiro: Guanabara,1983.

BARROS, Manoel de. Memórias Inventadas. A infância. São Paulo, Editora Planeta do Brasil: 2003.

CORSARO, William. A Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educ. Soc. [online]. 2005, vol.26, n.91, pp.443-464. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a08v2691.pdf.> Acesso em: 03 jan. 2016.

DELUZE, Gilles. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Vol. 4. São Paulo: Editora 34, 1997.

FERREIRA, Manoela. “A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros

meninos!”: as crianças como atores sociais e a (re)organização social do grupo de pares no cotidiano de um Jardim de Infância. 2002. 646f. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Universidade do Porto, Porto, 2002.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KRAMER, Sônia. A infância e sua singularidade. In: BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise. ; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro (orgs). Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007, p. 13-23.

KUHLMANN, Moysés Junior. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 7.ed. Porto Alegre: Mediação, 2015.

LARROSA, J. O enigma da infância – ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In:______ Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas.4 ed. Trad. Alfredo

Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

______. Tremores: Escritos sobre experiência. Tradução Cristina Antunes, João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

______. Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação - Revista do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação. v. 19, n. 2, 2011. Disponível em:<https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/2444/1898> Acesso em: 05 dez. 2016.

MORENO, Gilmara Lupion; PASCHOAL, Jaqueline Delgado. A Criança de Seis Anos no Ensino Fundamental: Considerações Iniciais. In: BRANDÃO, C. da F.; PASCHOAL, J. D. (orgs.). Ensino Fundamental de Nove Anos: teoria e prática na sala de aula. São Paulo: Avercamp, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Editora Martin Claret, 2003. (Coleção A obra-prima de cada autor, v. 22 ).

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2008.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. ARAÚJO, Sara Barros. Escutar as vozes das crianças

como meio de (re)construção de conhecimento acerca da infância: algumas implicações

metodológicas. In: Oliveira-Formosinho, Júlia. (org.). A Escola vista pelas crianças. Porto: Porto Editora, 2008.

PEREIRA, Reginaldo Santos; CUNHA, Myrtis Dias. A pesquisa na escola com crianças

pequenas: desafios e possibilidades. APRENDER – Cad. De Filosofia e Psic. Da Educação Vitória da Conquista Ano V n. 8 p. 113-130, 2007.Disponível em: http:

/periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile/4069/pdf_179>. Acesso em: 10 out. 2015.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmem Sanches. Conversa como metodologia de pesquisa: Uma metodologia menor. In: Conversa como Metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed. São Paulo:

Cortez, 2007.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí?

Tradução Giane Lessa. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

______. Desobedecer a linguagem: educar. Tradução Giane Lessa. Balo Horizonte:

Autêntica Editora, 2014.

ZORDAN, Paola. Arte com Nietszche e Deleuze. Revista Educação e Realidade. v. 30, n.2, p. 261- 272, jul./dez., 2005.

Downloads

Publicado

21-05-2020

Como Citar

CARVALHO, Nádia Priscila de Lima; ALBUQUERQUE, Fernanda Maria Santos; SALLES, Conceição Gislane Nóbrega Lima de. A INFÂNCIA A PARTIR DOS DIZERES E FAZERES DAS CRIANÇAS NA ESCOLA: ENCONTROS SILENCIOSOS E POTENTES. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 676–691, 2020. DOI: 10.12957/riae.2020.45962. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/45962. Acesso em: 2 mar. 2024.