Entre diálogos: estado, política e religião no legislativo acreano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2019.44850

Palavras-chave:

Religião, Política, Laicidade.

Resumo

O propósito deste artigo está em verificar se, no processo de modernização que originou o modelo de sociedade secularizada de hoje, houve de maneira efetiva uma separação entre política e religião. Nesse sentido objetivou um estudo sobre a Bancada Evangélica na Assembleia Legislativa do Estado do Acre, composta por políticos evangélicos distintos que se articulam de forma contrária a questões como a legalização do aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a legalização das drogas por exemplo. Esses atores políticos defendem a religião cristã e a moral religiosa dentro das decisões e questões do Estado por considerarem que ela é fundamental na promoção e colaboração do desenvolvimento social. Inicialmente apresentamos um estudo sobre o conceito de Estado laico e liberdade religiosa no Brasil, sendo abordados como princípios fundamentais de um Estado democrático de Direito. Em seguida, discorremos sobre o cenário político dentro da Assembleia Legislativa do Estado do Acre, analisando que influências religiosas estão presentes ali. Concluímos o artigo percebendo que as novas religiões que crescem no cenário brasileiro, têm em comum a característica de participar ativamente da vida política, lançando candidaturas aos cargos públicos. O que foi observado ao encontrarmos a presença de uma frente parlamentar evangélica sendo representada dentro da Assembleia Legislativa do Estado do Acre, tal situação aponta que atualmente a união entre o Estado e a Igreja exclui o pluralismo, a diversidade, negando assim, a possibilidade de haver igualdade e liberdade no âmbito público. Declarando assim, o enfraquecimento do Estado laico e dos princípios constitucionais que esse garante, retrocedendo todo o processo de secularização já alcançado.

Biografia do Autor

Talita Pereira de Almeida, Universidade Federal do Acre

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e Bacharel em História da Universidade Federal do Acre. Bolsista CAPES

Wlisses James de Farias Silva, Universidade Federal do Acre

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (2014). Professor da Universidade Federal do Acre. 

Rafael Marques Gonçalves, Universidade Federal do Acre

Professor da Universidade Federal do Acre vinculado ao quadro permanente de docentes no Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE/UFAC. Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em Educação (2012) e Pedagogo (2007) pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, Currículo, Práticas Cotidianas, Formação e Cotidiano Escolar.

Referências

BARROS, José D’Assunção. O Campo da História. Petrópolis, RJ: Vozes,2004.

BARROS, José D’Assunção. O Projeto de Pesquisa em História: da escolha do tema ao quadro téorico. 4. Ed. – Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

BENINI, Wilson. Fundamentalismo Religioso Existente nas três maiores Religiões Monoteístas, Suas Causas e Seus Desafios na Sociedade Contemporânea. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós – Graduação em Teologia, FACEL – Curitiba-PR.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e liberdade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

BOFF, Leonardo. Fundamentalismo a Globalização e o Futuro da Humanidade. Rio de Janeiro, 2002.

BORGES, Alexandre Walmott. Estado Laico e a Liberdade Religiosa na Experiência Constitucional Brasileira. Disponível em: www.pos.direito.UFMG.br/rbep/index/download/p.0034-7191. Acesso em 21/04/2016.

BOVERO, M. Contra o Governo dos Piores: Uma Gramática da Democracia. Rio de Janeiro, 2002.

Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal, 1988.

Constituição Francesa de 1946 e 1958.

CONSTANT, B. Princípios de Política Aplicáveis a todos os Governos. Rio de Janeiro, 2007.

DIAP – Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. Legislatura 2015-2019. Brasília DF 2014 PG. 106

DOMINGOS, Marília de F. N. 2008. Escola e Laicidade. O Modelo Francês, Interações Cultura e Comunidade. Vol. 3 n. 4 Uberlândia: Universidade Católica.

DUARTE, Tatiane. A Participação da Frente Parlamentar Evangélica no Legislativo Brasileiro: Ação Política e (in) vocação Religiosa. Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, ano 14, n. 17, 2012.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 3 ed. São Paulo, 2007.

FURASTÉ, Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico – Elaboração e Formatação.

GIUMBELLI, Emerson. Religião, Estado, Modernidade. Disponível em http://www.scielo.br.

GARCIA, Gilberto. O Novo Código Civil e as Igrejas. 2003.

MAIA, Eduardo Lopes Cabral. Religião e política: o fenômeno evangélico. 106f.

MARIANO, Ricardo. Secularização do estado, liberdades e pluralismo religioso, 2002. Disponível em: http://www.naya.org.ar/congresso2002/ponenciais/ricardo_mariano.htm. Acesso em 03/12/2016.

NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da Moral.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra.

NOVAES, Regina. Crenças Religiosas e Convicções Políticas: Fronteiras e Passagens, Política e Cultura: século XXI. Rio de Janeiro, 2002.

PEDDE, Valdir. “Cabeça, sim; cauda não!”: um estudo antropológico sobre os evangélicos na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 2005.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Representantes de Deus em Brasília: A Bancada Evangélica na Constituinte. São Paulo, 1989.

SARMENTO, Daniel. O Crucifixo nos Tribunais e a Laicidade do Estado. Revista Eletrônica PRPE, maio de 2007. Disponível em: www.prpe.mpf.gov.br/internet/content/download/1631/14570/file/reDanielSarmento. Acesso em: 03/12/2016.

SELL, Sandro César. Comportamento social e anti-social humano, 2006.

SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 33 ed. São Paulo, 2010.

SULFELD, Carlos Ari. Fundamentos do Direito Público 4ªED. 10º. Triagem, 2009 pg 54.

Downloads

Publicado

29-08-2019

Como Citar

ALMEIDA, Talita Pereira de; SILVA, Wlisses James de Farias; GONÇALVES, Rafael Marques. Entre diálogos: estado, política e religião no legislativo acreano. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 223–240, 2019. DOI: 10.12957/riae.2019.44850. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/44850. Acesso em: 22 jul. 2024.