Ensino de ciências e biologia e o cenário de restauração conservadora no Brasil: inquietações e reflexões CONSERVADORA NO BRASIL: INQUIETAÇÕES E REFLEXÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2019.44845

Palavras-chave:

Ensino de Ciências e Biologia, restauração conservadora, currículo, BNCC

Resumo

O presente artigo aciona o conceito de restauração conservadora elaborado por Michael Apple (2001; 2015; 2017) para refletir sobre os rumos das políticas curriculares que interpelam as disciplinas escolares Ciências e Biologia na atualidade. Aproximando-nos de tensões que são fruto das históricas disputas entre o público e o privado na educação brasileira, debatemos incursões recentes do conservadorismo sobre os currículos dessas disciplinas. Assim, apresentamos e discutimos tentativas de constrangimento ao ensino de determinadas temáticas que são atravessadas por controvérsias socioculturais: evolução biológica; corpo humano, saúde e diferença; diversidade étnico-racial. Por fim, também sinalizamos severas ameaças aos princípios democráticos que regem a educação do país.

Biografia do Autor

Rodrigo Cerqueira do Nascimento Borba, Universidade Federal Fluminense


Doutorando em Educação na
Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Educação, licenciado e bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Maria Carolina Pires de Andrade, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Educação na Universidade Federal da Rio de Janeiro (UFRJ). Licenciada em Ciências Biológicas pela UFRJ

Sandra Escovedo Selles, Universidade Federal Fluminense

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação e da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutora pelo Center For Science Education da University of East Anglia (UEA). Bolsista de Produtividade (nível 1C) no CNPq e Cientista do Nosso Estado pela FAPERJ

Referências

ANDRADE, Marcelo; TEIXEIRA, Pedro. A escola num mundo secular e religioso: poderia ser a tolerância uma alternativa? Teias (Rio de Janeiro. Impresso), v. 14, p. 61-79, 2014.

ANDRADE, Maria Carolina; MOTTA, Vânia. Base Nacional Comum Curricular e a Crise Orgânica do Capital: elementos para pensar o Ensino Religioso. Anais IX Colóquio Internacional Marx e Engels. Universidade Estadual de Campinas, 17 a 20 julho 2018.

APPLE, Michael. A luta pela democracia na educação crítica. Revista e-curriculum. São Paulo, v. 15, n. 4, 2017. pp. 894 – 926.

APPLE, Michael. Reestruturação educativa e curricular e as agendas neoliberal e neoconservadora: entrevista com Michael W. Apple. Currículo sem Fronteiras. v.1, n. 1, 2001, pp. 5-33.

APPLE, Michael. Produzindo diferença: neoliberalismo, neoconservadorismo e a política de reforma educacional. Linhas Críticas. Brasília, n. 45. 2015. pp. 606-544.

AQUINO, Fernanda Etter Motta; ALVES, Luisa Lemos; FERREIRA, Marcia Serra; GOMES, Maria Margarida. Sentidos de sexualidade em produções acadêmicas: investigando os anais dos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (2005-2012). Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), v. 7, p. 2085-2096, 2014.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA (Anpuh). Manifestação Pública da Anpuh sobre a Base Nacional Comum Curricular. 2016. Disponível em: < https://www.anpuh.org.br/index.php/2015-01-20-00-01-55/noticias2/noticias-destaque/item/3352-manifestacao-publica-da-anpuh-sobre-a-base-nacional-comum-curricular>, acesso em 04 jan 2019.

BASTOS, Felipe. Diversidade sexual na prática de professores/as de Ciências: da polêmica ao (re)conhecimento escolar. In: Anais do 37ª Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis. 2015.

BASTOS, Felipe; ANDRADE, Marcelo. Cabe discutir gênero e diversidade sexual no ensino de Biologia? In: LIMA-TAVARES, Daniele; VILELA, Mariana Lima; AYRES, Ana Cléa Moreira; MATOS, Maria (Org.). Tecendo laços docentes entre ciência e culturas. 1ed.Curitiba: Prismas, 2016, v. , p. 159-183.

BENVENUTO, Fabiana; AYRES, Ana Cléa Moreira. Currículo de Ciências e Relações Étnico-Raciais: uma relação em construção. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), v. 7, p. 1899-1910, 2014.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 1989.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, DF: 1996.

BRASIL. Lei n°. 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 542p.

BRASIL. Projeto lei n° 8.099, de 13 de novembro de 2014. Ficam inseridos na grade curricular das Redes Pública e Privada de Ensino conteúdos sobre Criacionismo. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (3ª versão -abril de 2017). Brasília, DF, 2017a. 396p.

BRASIL. Medida provisória n° 746, de 2016 (Reformulação do Ensino Médio). Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (3ª versão revista -dezembro de 2017). Brasília, DF, 2017b. 472p.

CAVALIERE, Ana Maria. O mal-estar do ensino religioso nas escolas públicas. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas. Impresso), v. 37, p. 303-332, 2007.

CRUZ, Ana Cristina. O lugar da história e cultura africana e afro-brasileira nos debates contemporâneos do currículo brasileiro. Ensino Interdisciplinar, v. 3, nº. 08, Maio/2017.

CUNHA, Luiz Antonio. A laicidade em disputa: religião, moral e civismo na educação brasileira. Teias (Rio de Janeiro. Impresso), v. 14, p. 5, 2014.

____. A Entronização do Ensino Religioso na Base Nacional Curricular Comum. IN: Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, nº. 134, p.266-284, jan.-mar., 2016.

DE CERTEAU, Michel (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis: Vozes.

DORVILLE, Luis Fernando; SELLES, Sandra Escovedo. Criacionismo

bíblico, principais transformações ao longo do tempo e implicações para o ensino de Ciências e Biologia. Cadernos de Pesquisa, v. 46, p. 442-465, 2016.

FERREIRA, Marcia Serra. Currículo e cultura: diálogos com as disciplinas escolares Ciências e Biologia. In: MOREIRA, Antonio Flavio; CANDAU,

Vera Maria (Org.). Currículos, disciplinas escolares e culturas. 1ed.Petrópolis: Vozes, p. 185-213, 2014.

GOMES, Nilma Lino. Relações Étnico-Raciais, Educação e Descolonização dos Currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, p. 98-109, 2012.

GOODSON, Ivor Frederick. Currículo: Teoria e História. Petrópolis: Vozes, 1995

GOODSON, Ivor Frederick. A Construção Social do Currículo. Lisboa: Educa, 1997

G1 EDUCAÇÃO. MEC lança documento preliminar da base nacional comum curricular. 2015. Disponível em:

, acesso em 02 jan 2019.

LEVY, Rachel Santos; SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Márcia Serra. Examining the ambiguities of the human race concept in biology textbooks: tensions between knowledge and values expressed in school knowledge. In: HAMMA, Marcus; REISS, Michael; BOULTER, Carolyn; TUNNICLIFFE, Sue Dale (Org.). Biology in Context: Learning and teaching for the twenty-first century. 1ed.Londres: Institute of Education University of London, 2008, v. 1, p. 338-346.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LIMA, Jacqueline Girão Soares de. Educação ambiental e educação científica na perspectiva Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS): pilares para uma educação crítica. Acta Scientiae (ULBRA), v. 11, p. 88-100, 2009.

MACEDO, Elizabeth. Esse corpo das Ciências é o meu? In: MARANDINO, Martha Marandino; SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Marcia Serra; AMORIM, Antonio Carlos Rodrigues (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. 1ed.Niterói: EdUFF, 2005, v. 1, p. 131-140.

MARANDINO, Martha; SELLES, Sandra Escovedo ; FERREIRA, Marcia Serra. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2009. v. 1. 215p.

MIRANDA, Edgar. Educação científica e Cultura Política democrática: Um estudo sobre o

processo de recontextualização de elementos de formação política na prática do ensino de

ciências nas séries iniciais. Rio de Janeiro, 2018. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Saúde) – Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde – NUTES, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, 2018.

PICCININI, Cláudia; ANDRADE, Maria Carolina. O ensino de Ciências da Natureza nas versões da Base Nacional Comum Curricular, mudanças, disputas e ofensiva liberal-conservadora. REnBio - Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio, vol. 11, n. 2, p. 34-50, 2018.

RODRIGUES, M. MEC apresenta segunda versão da base nacional comum curricular. 2016. Disponível:

, acesso em 04 jan 2019.

SANTOS, Maria Cristina Ferreira dos. A Biologia de Candido de Mello Leitão e a História Natural de Waldemiro Alves Potsch: Professores autores e livros didáticos - conhecimento e poder em disputa na constituição da Biologia escolar (1931 - 1951). (Tese de Doutorado). Universidade Federal Fluminense, 2013.

SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Marcia Serra. Disciplina escolar Biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. In: MARANDINO Martha; SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Marcia Serra; AMORIM, Antonio Carlos Rodrigues. (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: EDUFF, p. 50-62, 2005.

SELLES, Sandra Escovedo; DORVILLE, Luis Fernando; PONTUAL, Leandro Vahia. Ensino religioso nas escolas estaduais do Rio de Janeiro: novas implicações para o ensino de Ciências/Biologia. Ciência e Educação (UNESP. Impresso), v. 22, p. 875-894, 2016.

SEPULVEDA, Denize; SEPULVEDA, José Antonio. A disciplina Ensino Religioso: história, legislação e práticas. Educação (Santa Maria. Online), v. 42, p. 177-190, 2017

TEIXEIRA, Pedro. Aulas de evolução e religiosidade: conflitos velados e intensos. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBENBio), v. 9, p. 2470-2482, 2016.

TEIXEIRA, Pedro; LEVINSON, Ralph. Crenças religiosas e evolução: um modelo para o diálogo em aula. Alexandria (UFSC), v. 11, p. 195-216, 2018.

VERRANGIA, Douglas; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do ensino de Ciências. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 36, p. 705-718, 2010.

VIEIRA, Viviane; FALCAO, Eliane Brígida Morais. Laicidade e Ensino de Ciências: a necessária reflexão na escola privada. Alexandria (UFSC), v. 5, p. 83-100, 2012.

VILELA, Mariana Lima; SELLES, Sandra Escovedo. Corpo humano e saúde nos currículos escolares: quando as abordagens socioculturais interpelam a hegemonia biomédica e higienista. Bio-grafía: escritos sobre la biología y su enseñanza, v. 8, p. 113-121, 2015.

Downloads

Publicado

29-08-2019

Como Citar

BORBA, Rodrigo Cerqueira do Nascimento; ANDRADE, Maria Carolina Pires de; SELLES, Sandra Escovedo. Ensino de ciências e biologia e o cenário de restauração conservadora no Brasil: inquietações e reflexões CONSERVADORA NO BRASIL: INQUIETAÇÕES E REFLEXÕES. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 144–162, 2019. DOI: 10.12957/riae.2019.44845. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/44845. Acesso em: 22 jul. 2024.