Programa Saúde na Escola: aspectos históricos da saúde do escolar e reflexões sobre a intersetorialidade

Fabricio Moraes Pereira, Letícia Carneiro da Conceição, Carlos Jorge Paixão, Liliane Silva do Nascimento

Resumo


Este trabalho é parte integrante da dissertação de mestrado intitulada “Percepções, vivências e perspectivas de professores sobre o Programa Saúde na Escola” e se apresenta de forma a discutir a saúde do escolar no Brasil, a construção do Programa Saúde na Escola, seu contexto histórico e aspectos relativos às ações intersetoriais entre educação e saúde. O mesmo é pautado em pesquisa bibliográfica de diferentes tipos de obras, a fim de constituir um estudo e reflexões cientificamente relevantes diante da temática abordada. Percebe-se a historicidade da saúde do escolar no Brasil em consonância com os avanços dos estudos em saúde pública no mundo, bem como emissão de portarias interministeriais no contexto do Sistema Único de Saúde. Promove-se a discussão acerca da intersetorialidade e perspectivas enquanto modo de gestão e seus impactos na sociedade e na saúde do escolar. Conclui-se que, apesar do percurso histórico inconstante, a saúde do escolar se tornou uma das vertentes das políticas de promoção da saúde de grande importância para a nação brasileira e que ainda necessita de ações organizadas e bem geridas para efetivar uma dinâmica intersetorial satisfatória.

Palavras-chave


Saúde Escolar; Colaboração Intersetorial; Políticas Públicas; Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BELLINI, M. I. B. et al. A pesquisa sobre intersetorialidade no contexto brasileiro: notas sobre o núcleo de estudos e pesquisas em trabalho, saúde e intersetorialidade In: BELLINI, M. I. B.; FALER, C. S. Intersetorialidade e políticas sociais: interfaces e diálogos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 13-22.

BELLINI, M. I. B.; FALER, C. S. Intersetorialidade & fragmentação: partículas a respeito. In: BELLINI, M. I. B.; FALER, C. S. Intersetorialidade e políticas sociais: interfaces e diálogos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 23-40.

BRASIL. Congresso Nacional. Decreto Nº 6.286, de 05 de dezembro de 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 nov 2017.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 03 nov 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 05 nov 2017.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 nov 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Portaria Interministerial Nº 1.413, de 10 de julho de 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 dez 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Portaria Interministerial Nº 1.055, de 25 de abril de 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 jan 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Relatório final da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Brasília: MS; 1986. Disponível em: . Acesso em: 03 nov 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BUSS, P. M. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2003. p. 15-38.

BUSS, P. M.; PELEGRINI FILHO, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis – Rev. Saúde Coletiva, v. 17, n.1, p. 77-93, 2007.

CARDOSO, V.; REIS, A. P.; IERVOLINO, S. A. Escolas promotoras de saúde. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum, v. 18, n. 2, p. 107-115, 2008.

CASEMIRO, J. P.; FONSECA, A. B. C.; SECCO, F. V. M. Promover saúde na escola: reflexões a partir de uma revisão sobre saúde escolar na América Latina. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 3, p. 829-840, 2014.

CATUTA, L. R. B. Estrutura e organização do SUS. In: MANSO, M. E. G.; ALVES, J. C. M. (Eds.). Manual de saúde coletiva e epidemiologia. São Paulo: Martinari, 2015, p. 23-33.

CNDSS. Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais em Saúde. Relatório Final da Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais em Saúde (CNDSS). Brasília: Ministério da Saúde/CNDSS, 2008.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A. Fracasso escolar: uma questão médica? Caderno Cedes, v. 15, p. 7-16, 1985.

DESSEN, M. A.; POLONIA, M. A. A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, v. 17, n. 36, p. 21-32, 2007.

FERREIRA, I. R. C. et al. Percepções de gestores locais sobre a intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 56, p. 61-76, 2014.

FERREIRA, N. S. C. (Org). Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. 3ª ed. São Paulo: Cortêz, 2001.

FIGUEIREDO, T. A. M.; MACHADO, V. L. T.; ABREU, M. M. S. A saúde na escola: um breve resgate histórico. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 2, p. 397-402, 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IPPOLITO-SHEPHERD, J. A promoção da saúde no âmbito escolar: a iniciativa regional escolas promotoras de saúde. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Escola promotora de saúde. Brasília: Sociedade Brasileira de Pediatria, 2003.

LIMA, G. Z. Saúde escolar e educação. São Paulo: Cortêz, 1985.

LIMA, G. Z.; TURINI, B. Exame médico periódico para educação física: vale a pena? Caderno Cedes, v. 15, p. 62-70, 1985.

MALTA, D. C. et al. Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): capítulos de uma caminhada ainda em construção. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 6, p. 1683-1694, 2016.

MARQUES, A. N. Pediatria social: teoria e prática. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 1986.

MATTOS, R. A. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad. Saúde Pública, v. 20, n. 5, p. 1411-16, 2004.

MENEZES, J. S. B. O Conselho Nacional de Saúde na atualidade: reflexões sobre os limites e desafios. In: BRAVO, M. I. S.; MENEZES, J. S. B. (Orgs.). Saúde, serviço social, movimentos sociais e conselhos: desafios atuais. São Paulo: Cortêz, 2012.

MIOTO, R. C. T.; NOGUEIRA, V. M. R. Sistematização, planejamento e avaliação das ações dos assistentes sociais no campo da saúde. In: MOTA, A. E. et al. (Orgs.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: OPAS, 2006, p. 273-303.

MIOTO, R. C. T.; SCHÜTZ, F. Intersetorialidade na política social: reflexões a partir do exercício profissional dos assistentes sociais. Pelotas: DIPROSUL, 2011.

MONLEVADE, J. Que são políticas públicas? In: BRASIL. Ministério da Educação. Seminário Internacional: Gestão Democrática da Educação e Pedagogias Participativas – caderno de textos. Brasília - DF, 2006. p. 7-8.

MONNERAT, G. L.; SOUZA, R. G. Política social e intersetorialidade: consensos teóricos e desafios práticos. Ser Social, v. 12, n. 26, p. 200-220, 2010.

OLIVEIRA, A.; MARIOTINI, S. D. Gestão escolar: caminhos para integração escola-família-comunidade. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, v. 3, n. 1, p. 287-301, 2016.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz; 1990.

PEIXINHO, A. et al. Alimentação Escolar no Brasil e nos Estados Unidos. O Mundo da Saúde, v. 35, n. 2, p. 128-136, 2011.

PEREIRA, P. A. P. Discussões conceituais sobre política social como política pública e direito de cidadania. In: BOSCHETTI, I.; BEHRING, E. R.; SANTOS, S. M. M.; MIOTO, R. C. T. (Orgs.). Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

RUSSO, K.; ARREGUY, M. E. Projeto “Saúde e Prevenção nas Escolas”: percepções de professores e alunos sobre a distribuição de preservativos masculinos no ambiente escolar. Physis - Revista de Saúde Coletiva, v. 25, n. 2, p. 501-523, 2015.

SILVA, C. S. Promoção da saúde na escola: modelos teóricos e desafios da intersetorialidade no Município do Rio de Janeiro. (Dissertação de Mestrado). Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2010a.

SILVA, J. M. C. Políticas públicas como instrumento de inclusão social. Prismas: Direito, Políticas Públicas e Mundialização, v. 7, n. 2, p. 161-211, 2010b.

SILVA, K. L.; RODRIGUES, A. T. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Rev Bras Enferm on line, v. 63, n. 5, p. 762-69, 2010.

SILVA, K. L. et al. Intersetorialidade, determinantes socioambientais e promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 11, p. 4361-4370, 2014a.

SILVA, K. L. et al. Promoção da saúde: desafios revelados de práticas exitosas. Rev Saúde Pública, v. 48, n. 1, p. 76-85, 2014b.

SILVA, C. S.; BODSTEIN, R. C. A. Referencial teórico sobre práticas intersetoriais em Promoção da Saúde na Escola. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 6, p. 1777-1788, 2016.

TEIXEIRA, C. F.; PAIM, J. S. Planejamento e programação de ações intersetoriais para a promoção da saúde e da qualidade de vida. FGV-Revista de Administração Pública, v. 34, n. 6, p. 63-80, 2000.

WHO. World Health Organization. The Ottawa Charter for Health Promotion. Geneva: WHO, 1986.

WITTMANN, L. C.; KLIPLEL, S. R. A Prática da gestão democrática no ambiente escolar. Curitiba: IBPEX, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2022.61504

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: