Percepção dos estudantes de terapia ocupacional sobre a interprofissionalidade: influências na formação acadêmica

Maria Luiza Rodrigues Torres, Kássia Luzia Lima Rodrigues, Claudio José dos Santos Júnior, John Victor dos Santos Silva, Mara Cristina Ribeiro

Resumo


O ensino integrado e interprofissional vêm sendo aplicado como estratégia na formação dos estudantes da área da saúde. Assim, este estudo teve como objetivo conhecer como o estudante de Terapia Ocupacional percebe sua formação integrada e interprofissional aos outros cursos da saúde. Trata-se de pesquisa qualitativa com uso de entrevistas analisadas pela técnica de Análise de Conteúdo. Foram entrevistados estudantes do curso de Terapia Ocupacional de uma universidade pública do nordeste brasileiro. O estudo evidencia a dificuldade dos discentes em discorrer sobre os conceitos de formação interprofissional e trabalho em equipe; também aponta que o acesso às práticas interprofissionais é pequeno, principalmente nas atividades curriculares, demonstra, portanto, que para ter experiências desse tipo na formação é necessário o envolvimento em atividades de extensão ou extracurriculares. Conclui-se que a Universidade deve estimular a formação interprofissional por meio da qualificação dos docentes, integração das grades curriculares dos diversos cursos, e incentivo às metodologias de ensino que intensifiquem as práticas interprofissionais.


Palavras-chave


Terapia Ocupacional; Educação Interprofissional; Educação Superior; Pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, T. A. M.; VASCONCELOS, A. C. C. P.; PESSOA, T. R. R. F.; FORTE, F. D. S. Multiprofissionalidade e interprofissionalidade em uma residência hospitalar: o olhar de residentes e preceptores. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, n. 62, p. 601-613, Set. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v21n62/1807-5762-icse-1807-576220160295.pdf. Acesso 20 de Julho de 2019.

ARRUDA, G. M. M. S.; BARRETO, I. C. H. C.; RIBEIRO, K. G.; FROTA, A. C. O desenvolvimento da colaboração interprofissional em diferentes contextos de residência multiprofissional em Saúde da Família. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 22, supl. 1, p. 1309-1323, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v22s1/1807-5762-icse-1807-576220160859.pdf. Acesso em: 20 de Julho de 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

CAMARGOS, M. A.; FERREIRA, M. V. F. B.; MAXTA, B. S. B.; PEDROSO TOMASI, A. R. P. A inserção dos terapeutas ocupacionais na rede de atenção à saúde do SUS em Minas Gerais entre os anos de 2005 e 2015. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, v. 25, n. 2, p. 363-372, 2017. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1732. Acesso em: 20 de Julho de 2020.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p.41-65, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312004000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 de setembro de 2019.

COLLISELLI, L.; TOMBINI, L. H. T.; LEBA. M. E.; REIBNITZ, K. S. Estágio curricular supervisionado: diversificando cenários e fortalecendo a interação ensino-serviço. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 62, n. 6, p. 932-937, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672009000600023&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 de setembro de 2019.

DRUMMOND, A. F. Fundamentos da terapia ocupacional. In: CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia Ocupacional: fundamentação & prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. p. 10-17. PMCid:PMC2474914.

FERREIRA, G. Formação e atuação interprofissional no Centro Pró Sorriso da Universidade de alfenas - UNIFENAS: Trabalho em equipe e educação interprofissional na atenção às deformidades: uma análise. 2017. 109 f. Dissertação (Mestrado profissional) – Universidade de São Paulo. São Paulo. 2017.

FURTADO, J. P. Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 11, n. 22, p. 239-255, Ago. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832007000200005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 de Maio de 2020.

HORSBURGH, M.; LAMDIN, R.; WILLIAMSON, E. Multiprofessional learning: the attitudes of medical, nursing and pharmacy students o shared learning. Medical Education, Oxford, GB, n. 35, p. 876-883, 2001. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11555226/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

LINS, S.R.A.; MATSUKURA, T.S. A formação graduada do terapeuta ocupacional no campo da saúde mental: a perspectiva de discentes e egressos. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 23, n. 4, p. 689-699, 2015. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1192. Acesso em: 20 de Julho de 2020.

MADRUGA. L. M. S.; RIBEIRO, K. S. Q. S.; FREITAS, C. H. S. M.; PÉREZ, I. A. B.; PESSOA, T. R. B. F.; BRITO, G. E. G. O PET-Saúde da Família e a formação de profissionais da saúde: a percepção de estudantes. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 19, supl. 1, p. 805-816, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000500805&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 de Julho de 2019.

MEDEIROS, M. H. R. Terapia ocupacional: um enfoque epistemológico e social. São Carlos: Edufscar, 2009.

MINAYO M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. 12ª edição. São Paulo: Hucitec, 2010.

MORETTI-PIRES, R. O. Complexidade em Saúde da Família e formação do futuro profissional de saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 13, n. 30, p. 153-166, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000300013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 de Agosto de 2019.

PERES, C. M.; ANDRADE, A. S.; GARCIA, S. B. Atividades extracurriculares: multiplicidade e diferenciação necessárias ao currículo. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 31, n. 3, p. 203-211, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022007000300002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 de Janeiro de 2017.

SCARCELLI, I.; ALENCAR, S. Saúde Mental e Saúde Coletiva: intersetorialidade e participação em debate. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, v. 1, n°1, 2009.

SILVA, J. V. S.; RIBEIRO, M. C. O docente de Enfermagem e sua percepção sobre as ações integrativas na Saúde e na formação interprofissional. Revista Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 2, p. 245-261, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2018.2464. Acesso em: 14 de Agosto de 2020.

SILVA, J. V. S.; SANTOS JR, C. J.; RIBEIRO, M. C. Ensino integrado em Saúde e prática interprofissional. Revista Docência do Ensino Superior, v. 9, p. 1-14, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2019.14820. Acesso em: 14 de Agosto de 2020.

SILVA, J. V. S.; SANTOS JR, C. J.; BRANDÃO, T. M.; RIBEIRO, M. C. Congresso Alagoano de Saúde Mental: experiências, desafios e contribuições para a formação na atenção psicossocial. Revista Docência do Ensino Superior, v. 11, p. 1-15, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.19800. Acesso em 14 de Agosto de 2020.

SILVA, R. H. A.; SCAPIN, L. T.; BATISTA N. A. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Campinas; Sorocaba, SP, v. 16, n. 1, p. 167-184, mar. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v16n1/v16n1a09.pdf. Acesso em: 14 de Agosto de 2020.

SOARES, L. B. T. História da terapia ocupacional. In: CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia ocupacional: fundamentação & prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. p. 3-9. PMCid:PMC2474914.

TORRES, M. L. R. O brincar e suas implicações no cotidiano de crianças hospitalizadas: Relato de experiência. In: Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional - CBTO, 2015. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. Rio de Janeiro; ATOERJ, 2016.

UCHÔA, A. C.; VIEIRA, R. M. V.; ROCHA, P. M.; ROCHA, N. S. D.; MAROTO, R. M. Trabalho em equipe no contexto da reabilitação infantil. Physis, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 385-400, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312012000100021&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 de Julho de 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.53783

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: