Trilhas como atividade física oferecida pelo Sistema Único de Saúde em Florianópolis: percepções dos participantes e responsáveis

Marina Isolde Constantini, Ricardo Teixeira Quinaud, Rukmini Amaral Blum, Cassiano Ricardo Rech, Alcyane Marino

Resumo


Este estudo objetivou identificar as percepções dos participantes e das profissionais da saúde sobre o Grupo “Trilhando Saúde” na Unidade Básica de Saúde do Rio Vermelho, em Florianópolis. Trata-se de um estudo participante, com abordagem qualitativa. Fizeram parte do estudo 18 pessoas, sendo 15 usuários do Sistema Único de Saúde e três profissionais da saúde. Os instrumentos utilizados para coleta de dados incluem roteiro de entrevista semiestruturada, observação participante e diário de campo, registrados por gravador e smartphone. Os dados foram organizados com auxílio do software NVivo 11 e analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. A concepção de saúde dos participantes flutua entre as lógicas pautadas na doença e na saúde, sendo influenciadas pela concepção das profissionais da saúde e as práticas realizadas. Os participantes relatam benefícios físicos (melhora da aptidão física, equilíbrio, agilidade) e psicológicos (disposição, relaxamento e felicidade), além da interação social. A especificidade do Grupo “Trilhando Saúde” na natureza ainda possibilitou identificação das características do bairro e mudança de comportamento em favor da conservação ambiental.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Educação Física; Natureza

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, D. M.; ROCHA, P. R. S.: UGARTE, O. A.: FERRAZ, C. C.: LIMA, M. C.; CARVALHO, F. F. B. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde 10 anos: avanços e perspectivas. Journal of Management & Primary Health Care, v. 8, n. 2, p. 290-308, 2017. Disponível em Acesso em 22 de janeiro de 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BEZERRA, I. M. P.; ALVES, S. A. A.; MACHADO, M. F. A. S.; ANTÃO, J. Y. F. L.; MARTINS, A. A. A.; ARRAIS, T. M. S. N.; ZIONI, F.; SANTOS, S. B.; ARAUJO, A. F.; BATISTA, H. M. T.; VALENTI, V. B.; ABREU, L. C. Health education for seniors: an analysis under Paulo Freire’s perspective. International Archives of Medicine, v. 8, n. 28, p. 1-9, 2015. Disponível em: . Acesso em 23 de setembro de 2019.

BEZERRA, I. M. P.; SORPRESO, I. C. E. Conceitos de saúde e movimentos de promoção da saúde em busca da reorientação de práticas. Journal of Human Growth and Development v. 26, n. 1, p. 11-20, 2016. Disponível em: . Acesso em 31 de outubro de 2019.

BLUM, R. A.; QUINAUD, R. T.; RECH, C. R.; MARINHO, A. O grupo “Trilhando Saúde”: uma experiência para atuação na Atenção Básica à Saúde em Florianópolis. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 23, p. 1-5, 2018. Disponível em Acesso em 19 de janeiro de 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília 1988.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde 2018. Disponível em Acesso em 19 de Novembro de 2019.

BRASIL, Lei 12.864, de 24 de setembro de 2013. Altera o caput do art. 3º da Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, incluindo a atividade física como fator determinante e condicionante da saúde. Diário Oficinal da União 2013; 24 set.

BRASIL. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

BRASIL. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BUSS, P. M.; CARVALHO A. I. Desenvolvimento da promoção da saúde no Brasil nos últimos vinte anos (1988-2008). Ciência e Saúde Coletiva, v.14, n.6, p 2305-2316, 2009. Disponível em Acesso em 07 de janeiro de 2022.

CARVALHO, F. F. B. D.; COHEN, S. C.; AKERMAN, M. Refletindo sobre o instituído na Promoção da Saúde para problematizar dogmas'. Saúde em Debate, v. 41, n. 3, p. 265-276, 2017. Disponível em. Acesso em 20 de janeiro de 2020.

DE SOUZA, S. C.; LOCH, M. R. Intervenção do profissional de educação física nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios do norte do Paraná. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 16, n. 1, p. 5-10, 2011. Disponível em Acesso em 07 de janeiro de 2022.

DELGADO, S. C.; MARÍN, B. M.; SANCHEZ, J. R. Métodos de investigación y análisis de datos em ciencisa sociales y de la salud. Pirámeide, 2011.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. The SAGE Handbook of Qualitative Research. Los Angeles: Sage, 2018.

FERNANDES, E. T. P.; SOUZA, M. N. D. L.; RODRIGUES, S. M. Práticas de grupo do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: perspectiva do usuário. Revista de Saúde Coletiva, v. 29, n. 1, p. e290115, 2019. Disponível em Acesso em 03 de abril de 2020.

FERTONANI, H. P.; PIRES, D. E. P. Concepção de saúde de usuários da Estratégia Saúde da Família e novo modelo assistencial. Enfermagem em Foco, v. 1, n. 2, p. 51-54, 2010. Disponível em Acesso em 06 de fevereiro de 2020.

FRIAS, L.; JÚLIO-COSTA, A. Os equívocos e acertos da campanha “Não à Medicalização da Vida”. Revista Psicologia em Pesquisa, v. 7, n. 1, p. 3-12, 2013. Disponível em Acesso em 25 de janeiro de 2020.

GARCIA, A. V.; VANDRUSCOLO, C.; TESSER, C D.; ARGENTA, C. E. Concepções de promoção da saúde que permeiam o ideário de equipes da estratégia saúde da família da grande Florianópolis. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina, v. 3, n. 1, p. 42-56, 2010. Disponível em Acesso em 22 de Janeiro de 2020.

GIBBS, G. R. Análise de dados Qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GILBERTSON, K; EWERT, A; Stability of motivations and riskattractiveness: the adventure recreation experience. Risk Manag, v.17, n.4, p 276-297, 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do brasil por sexo e idade para o período 2000/2060. Rio de Janeiro, 2013.

KANG S.J. Trekking exercise promotes cardiovascular health and fitness benefits in older obese women. Journal of Exercise Rehabilitation, v. 10, n. 4, p. 225-229, 2014. Disponível em . Acesso em 13 de janeiro de 2022.

LOCH, M. R.; RODRIGUES, C. G.; TEIXEIRA, D. D. C. E os homens? E os que moram longe? E os mais jovens?...? Perfil dos usuários de programas de atividade física oferecidos pelas Unidades Básicas de Saúde de Londrina-PR. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 35, n. 4, p. 947-961, 2013. Disponível em Acesso em 22 de janeiro de 2020.

______. Lazer, aventura e risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Movimento, v. 14, n. 2, p. 181-206, 2008. Disponível em Acesso em 22 de novembro de 2019.

MARINHO, A.; DEUS INÁCIO, H. L. Educação Física, meio ambiente e aventura: um percurso por vias instigantes. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 28, n. 3, p. 55-70, 2007. Disponível em Acesso em 12 de novembro de 2019.

MARINHO A. Atividades físicas e esportivas e meio ambiente. In: Programa das Nações Unidades para o Desenvolvimento. Background Papers – Movimento é Vida: atividades físicas e esportivas para todas as pessoas. Brasília: ONU; 2017. 1-46.

MARTINS, C. P.; LUZIO, C. A. Experimentações no apoio a partir das apostas da Política Nacional de Humanização-HumanizaSUS. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, n. 1, p. 1099-1106, 2014. Disponível em Acesso em 18 de novembro de 2019.

MINAYO, M. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2004.

MINISTÉRIO DO ESPORTE. Diagnóstico Nacional do Esporte. 2016. Disponível em Acesso em 12 de novembro de 2019.

MUSANTE, K.; DEWALT, B. R. Participant observation: A guide for fieldworkers. Rowman Altamira, 2010.

NEVES, R. L. R.; ANTUNES, P. C.; BAPTISTA, T. J. R.; ASSUMPÇÃO, L. O. T. Educação física na saúde pública: revisão sistemática. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 23, n. 2, p. 163-177, 2015. Disponível em Acesso em 20 de janeiro de 2020.

NOGUEIRA, J. A. D.; BOSI, M. L. M. Saúde Coletiva e Educação Física: distanciamentos e interfaces. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 6, p. 1913-1922, 2017. Disponível em Acesso em 19 de novembro de 2019.

RODIO, A.; FATTORINI, R. A. Downhill walking to improve lower limb strength in healthy young adults. European Journal of Sport Science, v.14, n. 8, p. 806-812, 2014. Disponível em . Acesso em 13 de janeiro de 2022.

RODRIGUES, J. D.; FERREIRA D.; SILVA P.; CAMINHA I.; DE FARIAS JUNIOR J.C. Inserção e atuação do profissional de educação física na atenção básica à saúde: revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde , v. 18, n. 1, p. 05-15, 2013. Disponível em Acesso em 07 de janeiro de 2022.

SANTOS, C.; ALVES, C R.; TELES, M. A. B.; FONSECA, J. R. Autopercepção dos idosos sobre satisfação com a vida relacionada a interações sociais e lazer. Motricidade, v. 8, n. Supl. 2, p. 232-239, 2012. Disponível em Acesso em 16 de abril de 2020.

SCABAR, T. G.; PELICIONI, A. F.; PELICIONI, M. C. F. Atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde: uma análise a partir da Política Nacional de Promoção da Saúde e das Diretrizes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família–NASF. Journal of the Health Sciences Institute, v. 30, n. 4, p. 411-418, 2012. Disponível em Acesso em 19 de janeiro de 2020.

SILVA, A. C.; FERREIRA, J. Czeresnia D, Maciel EMGS, Oviedo RAM. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013. Ciência e Saúde Coletiva, v. 20, n. 3, 2015. Disponível em Acesso em 03 de fevereiro de 2020.

SILVA, C. R. M.; JORGE B.; FERNANDA C. S.; S.; JORGE M.; MAURO V. G. B.; RAFAEL M.T. Percepção de barreiras e facilitadores dos usuários para participação em programas de promoção da atividade física. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n.4, 2020. Disponível em Acesso em 07 de janeiro de 2022.

SILVA, K. L.; RODRIGUES, A. T. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 5, p. 762-769, 2010. Disponível em Acesso em 20 de janeiro de 2019.

SOUSA, N. F. D. S.; MEDINA, L. P.: BASTOS, T. F.: MONTEIRO, C. M.: LIMA, M. G.: BARROS, M. B. A. Social inequalities in the prevalence of indicators of active aging in the Brazilian population: National Health Survey, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 22, p. E190013. SUPL. 2, 2019. Disponível em < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2019000300400> Acesso em 12 de abril de 2020.

VISCARDI, A. A. F.; FIGUEIREDO, J. P.; CORREIA, P. M. S.; MARINHO, A. Participação de idosos em atividades de aventura na natureza: reflexões sobre aspectos socioambientais. Motrivivência, v. 30, n. 53, p. 35-51, 2018. Disponível em Acesso em 16 de abril de 2020.

VISCARDI, A. A. F.; SANTOS P. M.; MAZO, G. Z.; MARINHO, A. Percepções de Idosos sobre Atividades de Aventura na Natureza. LICERE, v. 21, n. 2, p. 1-25, 2018. Disponível em Acesso em 21 de novembro de 2020.

WERLE, V.; FIGUEIREDO, J. P.; BATAGLION, G. A.; LECUANA, D. S.; MARINHO, A. Possibilidades lúdicas e humanizadas no contexto de atuação da educação física no Sistema Único de Saúde (SUS). Journal of Physical Education, v. 29, n. 1, 2018. Disponível em Acesso em 12 de janeiro de 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Traditional Medicine Strategy: 2014-2023 2013. Disponível em Acesso em 10 de novembro de 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2022.53552

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: