Uso do Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas no desenvolvimento de trabalhos científicos

Maíra Araújo de Mendonça Lima, Bruna Magalhães de Araujo, Sérgio Rodrigues Ayrimoraes Soares, Ana Silvia Pereira Santos

Resumo


O documento “Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas” foi publicado pela Agência Nacional de Águas (ANA), no ano de 2017 e apresenta um caráter de grande relevância para o desenvolvimento da gestão de recursos hídricos e saneamento ambiental no Brasil. Sua abordagem é abrangente e apresenta dados sanitários de todos as 5.570 sedes urbanas brasileiras. Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo, avaliar a inserção dos dados apresentados por este documento, no desenvolvimento de trabalhos científicos. Para tanto foi utilizada como metodologia a Revisão Sistemática da Literatura, por meio de buscas realizadas através da palavra chave “Atlas Esgotos” e suas variações. Deste modo, para realização da pesquisa, foram analisadas publicações efetuadas no período entre 2017 e 2019, utilizando o Google Scholar como principal mecanismo de busca. De acordo com o estudo realizado, foram encontradas e selecionadas 129 publicações, onde 12% são provenientes de periódicos, 5% de livros, 33% de anais de congressos, e 50% de trabalhos de conclusão de curso. No que diz respeito à forma como o Atlas Esgotos tem sido utilizado nas pesquisas científicas, concluiu-se que 71% das publicações realizam apenas citação dos seus dados, 25% utilizam os dados a título de comparação com outras fontes ou demais cenários, e 4% aplicam, de fato, os dados do Atlas Esgotos para desenvolvimento de suas respectivas pesquisas.


Palavras-chave


Saneamento ambiental; recursos hídricos; instrumento estratégico de gestão; revisão sistemática.

Texto completo:

PDF

Referências


ANA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas esgotos: despoluição de bacias hidrográficas. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

BATTISTELLA, P. E.; GRESSE VON WANGENHEIM, C.; FERNANDES, J. M. Como jogos educacionais são desenvolvidos? Uma revisão sistemática da literatura. In: XXII WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM COMPUTAÇÃO, Brasília-DF. Anais. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.445 de 5 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. Diário Oficial da União, Brasília, 11 jan. 2007.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento – SNS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: 24º Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2018. Brasília: SNS/MDR, 2019.

BROPHY, J.; BAWDEN, D. Is Google enough? Comparison of an internet search engine with academic library resources. Aslib Proceedings, v. 57, n. 6, p. 498-512, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

BUCHINGER, D.; CAVALCANTI, G. A. S.; HOUNSELL, M. S. Mecanismos de busca acadêmica: uma análise quantitativa. Revista Brasileira de Computação Aplicada, v. 6, n. 1, p. 108-120, 2014. Disponível em: < http://seer.upf.br/index.php/rbca/article/view/3452/2548>. Acesso em: 09 mar. 2020.

COOK, D. J.; MULROW, C. D.; HAYNES, R. B. Systematic Reviews: Synthesis of Best Evidence for Clinical Decisions. Annals of Internal Medicine, v. 126, n. 5, p. 376–380, 1997. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

COSTA, S. A. B. Auditoria e certificação das informações do sistema nacional de informações sobre saneamento (SNIS): um caminho necessário para a melhoria da qualidade da regulação e da gestão no setor saneamento. In: IX CONGRESSO BRASILEIRO DE REGULAÇÃO, Brasília-DF. Anais. 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

HELLER, L.; NASCIMENTO, N. O. Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Saneamento no Brasil: necessidades e tendências. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 24-35, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

LISBOA, S. S.; HELLER, L.; SILVEIRA, R. B. Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v.18, n.4, p. 341-348, 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

MEHO, L. I.; YANG, K. Impact of data sources on citation counts and rankings of LIS Faculty: Web of Science vs. Scopus and Google Scholar. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 58, n. 13, p. 2105 – 2125, 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

MEIER, J. J.; CONKLING, T. W. Google Scholar’s coverage of the engineering literature: an empirical study. Journal of Academic Librarianship, v. 34, n. 3, p. 196–201, 2008. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.

YÉVENES-SUBIATRE, A. Prospectiva y estrategia en el escenario contemporáneo. Latin American Journal of International Affairs, v. 2, n. 3, p. 90-106, 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2020.48890

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: