Tendências temporais da prática de atividade física no lazer de adultos na cidade de São Luís - MA, Brasil (2006-2018)

Dartel Ferrari Lima, Laize Biesdorf Winter, Lauana de Lima Tosti, Vitor Henrique Souza Santana, Lohran Anguera Lima

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar tendências temporais dos principais tipos de atividade física praticados no lazer na cidade de São Luís (MA), Brasil, no período de 2006 a 2018. Foram analisados dados de 24.412 adultos de ambos os sexos (≥ 18 anos de idade), participantes do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). Tendências temporais foram analisadas para o indicador: principal modalidade de exercício físico e esporte praticados no lazer. Para as cinco modalidades mais citadas, a caminhada foi preferida para ambos os sexos, com 20,3% e 17,7% de praticantes na população feminina e masculina, respectivamente e tendência de crescimento de 5,5 pontos percentuais superiores nos homens quando comparados às mulheres. O futebol apresentou predominância masculina (17,3%) com padrão de decréscimo para o período (-10,7%). A musculação foi a segunda preferência para mulheres (5,4%) e a terceira para homens (7,2%) com o padrão de variação estabilizado para ambos os sexos. Para cada quatro ciclistas pedalando em São Luís, três deles são homens mantendo constante o padrão de variação. A corrida (homens) e a ginástica e hidroginástica (mulheres), em crescimento, completaram as preferências. Políticas baseadas na melhoria da infraestrutura e segurança individual podem contribuir para reduzir as diferenças dos percentuais de AF no lazer entres os gêneros. A continuidade e periodicidade do sistema de monitoramento da atividade física do Vigitel permitirá embasar ações promotoras da atividade física a partir das mudanças observadas ao longo do tempo.

Palavras-chave


Atividade motora; Vigilância em saúde pública; Vigilância populacional; Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1. p. 44-46. Disponível em: . Acesso em: 13 ago 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1. p. 44-46. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: . Acesso em 14 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: . Acesso em 28 ago. 2019.

CRUZ, M. S. Tendência da prática de atividade física no lazer no Brasil (2006-2013). [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2015.Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2019.

CRUZ, M. S.; BERNAL, R. T. I.; CLARO, R. M. Tendência da prática de atividade física no lazer entre adultos no Brasil (2006-2016). Cad. Saúde Pública, v. 34, n. 10. Disponível em: . doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00114817. Acesso em 10 dez. 2018.

FLORINDO, A. A.; FARIAS JUNIOR, J. C.; WELLS, J. C. K.; HALLAL, P. C. Epidemiology of recreational football in Brazil: prevalence and association with risk factors for chronic diseases and self-rated health in adults. Motriz, v. 19, n. 1, p. 224-230, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2019.

GUTHOLD, R.; STEVENS, G. A.; RILEY, L. M.; BUL, F. C. L. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1.9 million participants. The Lancet, v.6 (10), PE1077-E1086, 2018. Disponível em; . doi: http://dx.doi.org/10.1016/S2214-109X(18)30357-7. Acesso em: 20 ago. 2019.

HALLAL, P. C.; ANDERSEN, L. B.; BULL, F.C.; GUTHOLD, R.; HASKELL, W.; EKELUND, U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls and prospects. The Lancet, v.380, p. 247-257, 2012. Disponível em: . doi: 10.1016/S0140-6736(12)60646-1. Acesso em 14 ago. 2019.

HARDMAN, C. M.; BARROS, S. S. H.; OLIVEIRA, E. S. A.; NAHAS, M. V.; BARROS, M. V. G. Inatividade nos deslocamentos para o trabalho e fatores associados em industriários. Saúde Soc., v. 22, n. 3, p. 760-772, 2013. Disponível em: . Acesso em 30 jan. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. IBGE Cidades. Página oficial da Internet. Disponível em: . Acesso em: 29 set.2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [homepage na internet]. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2019.

JANSSEN, I.; LEBLANC, A. Systematic Review of the Health Benefits of Physical Activity in School-Aged Children and Youth. International Journal of Behavioural Nutrition and Physical Activity, v. 7, n. 40, 2010. Disponível em: . doi: 10.1186/1479-5868-7-40. Acesso em 20 out. 2019.

JANSSEN, I. Physical activity guidelines for children and youth. Applied Physiology Nutrition and Metabolism, v. 32, p. 109–121, 2007. Disponível em: . doi: 10.1139/H07-109. Acesso em: 28 set. 2019.

KOHL, H. W.; CRAIG, C. L.; LAMBERT, E. V.; INOUE, S.; ALKANDARI, J. R.; LEETONGIN, G.; KAHLMEIER, S. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. The Lancet, v. 380, p. 294-305, 2012. Disponível em: . doi: 10.1016/S0140-6736(12)60898-8. Acesso em: 10 jul. 2109.

KRUEL, L. F. M.; MORAES, E. Z. C.; ÁVILA, A. O. V.; SAMPEDRO, R. M. F. Alterações fisiológicas e biomecânicas em indivíduos praticando exercícios de hidroginástica dentro e fora d’água. Revista Kinesis n. especial, p. 104-29, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15. Fev. 2019.

LIMA, D. F, LIMA, L. A.; SILVA, M. P. Tendências temporais dos tipos principais de exercício físico e esporte praticados no lazer na cidade de Curitiba, Brasil: 2006- 2014. R. bras. Ci. e Mov, v. 25(3), p. 98-105, 2018. Disponível em: . doi: 10.18511/rbcm.v25i3.7629. Acesso em: 20 fev. 2019.

LIMA, D. F.; ANGUERA, M. G.; LIMA, L. A.; JÚNIOR, O. M.; SAMPAIO, A. A.; JÚNIOR, A. P. S.; SILVA, M. P.; LUIZ, O. C. O Padrão Da Atividade Física De Brasileiros Diabéticos. Saúde (Santa Maria), v. 45, n. 2, p. 1-15, maio/agosto, 2019. Disponível em: . doi: http://dx.doi.org/10.5902/2236583432659. Acesso em: 27 ago. 2019.

LIMA, D. F.; LIMA, L. A.; MAZZARDO, O., ANGUERA, M. G.; PIOVANI, V.; JUNIOR, A. P. S.; SILVA, M.; SAMPAIO, A. A. O padrão da atividade física no lazer de idosos brasileiros. Caderno de Educação Física e Esporte, v.6, n.2, p. 39-49. 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2019.

LIMA, D. F.; PIOVANI, V. G. S.; LIMA, L. A. Recreational soccer practice among adults, in Brazilian capitals, 2011-2015. Epidemiol. Serv. Saude, v. 27, n. 2, p. e2017284, 2018. Disponível em: . doi: 10.5123/S1679-49742018000200013. Acesso em: 14 set. 2019.

SILVA, S. G.; DUCA, G. F.; SILVA, K. S. S.; OLIVEIRA, E. S. A.; NAHAS, M. V. Deslocamento para o trabalho e fatores associados em industriários do sul do Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 46, n. 1, p. 180-184, p. 2012. Disponível em: . doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000084. Acesso em: 10. Fev. 2019.

US DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES. Physical Activity Guidelines for Americans. Office of Disease Prevention & Health Promotion, Disponível em: . Acessado em 11 jan. 2018.

WINTERS, M.; BRAUER, M.; SETTON, E. M.; TESCHKE, K. Built environment influences on healthy transportation choices: bicycling versus driving. J Urban Health, v. 87, n. 6, p. 969–93, 2010. Disponível em: . doi: 10.1007/s11524-010-9509-6. Acesso em 22 fev. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global Action plan for the prevention and control of non-communicable disease 2013-2020. Geneva, Switzerland: WHO, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global recommendations on physical activity for health. Geneva, Switzerland: WHO, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Sustainable Development Goals (SDGs). Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.46345

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: