Perfil farmacoterapêutico de usuários de práticas integrativas e complementares

Fernanda Rocha Anjos de Oliveira, Graziele Ferreira Pinto, Raquel Aparecida Rodrigues Nicácio, Renata Aparecida Faria de Araujo, Débora Aparecida da Silva Santos, Magda de Matos, Letícia Silveira Goulart

Resumo


As Práticas Integrativas e Complementares (PICs) se inserem no modelo assistencial holístico estabelecendo o equilíbrio entre ciência, tecnologia e humanização, assim, promovem a melhoria da qualidade de vida dos usuários, podendo reduzir a farmaco-dependência. Este estudo teve como objetivo avaliar o consumo de medicamentos em indivíduos que utilizam PICs. Trata-se de um estudo de base populacional realizado no município de Rondonópolis, MT. A amostragem foi realizada em múltiplos estágios, estratificada e por conglomerados.  Foram incluídos na pesquisa 177 indivíduos que utilizavam alguma PIC. A média de medicamentos consumidos por entrevistado foi usada como indicador da intensidade e as diferenças entre as médias de consumo foram comparadas por meio do teste de Kruskal Wallis. A prevalência de consumo de medicamentos entre usuários de PICs foi de 79,66%. O consumo médio de medicamentos na população estudada foi de 2,13 (DP: 2,31), sendo significativamente superior em idosos, indivíduos que possuíam até 8 anos de estudo, que não trabalhavam, que buscaram o serviço de urgência no último ano e os que possuíam plano de saúde. Os medicamentos que atuam no sistema cardiovascular foram os mais consumidos. Os usuários de PICs apresentaram uma alta prevalência uso de medicamentos. É de grande importância que pesquisas e ações de educação em saúde visando a promoção de um consumo consciente de medicamentos sejam realizadas e implementadas entre os usuários de PICs.


Palavras-chave


Uso de Medicamentos, Terapias Complementares, Prevalência, Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A.M. de; ALMEIDA, T.M. de; GOLLNER, A.M. Cirurgia espiritual: uma investigação. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, p.194-200, 2000. Disponível em: . Acesso em 13 de agosto de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302000000300002.

AZEVEDO, A.M. et al. O Uso da Medicina Alternativa e Complementar por Pacientes com Epilepsia: Risco ou Benefício? J Epilepsy Clin Neurophysiol, SÃo Paulo, p.201-204, 2004. Disponível em:. Acesso em 12 de dezembro de 2018.

ARRAIS, P.S.D. et al. Prevalência e fatores determinantes do consumo de medicamentos no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.1737-1746, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000600021&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000600021.

ANDRADE, J.T.; COSTA, L..FA. Medicina Complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde Social, SÃo Paulo, p.497-508, 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 13 de agosto de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000300003.

BARNES, P.M; BLOOM, B; NAHIM, R.L. National Center for Complementary and Integrative Health. Complementary and Alternative Medicine Use Among Adults and Children: National Health Statistics Report, United States, 2008. Disponível em: https://nccih.nih.gov/sites/nccam.nih.gov/files/news/camstats/2002/report.pdf. Acesso em 15 de Dezembro de 2018.

BORGES, M.R. et al. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no hospital Sofia Feldman. Reme - Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, p.105-113, 2011. Disponívem em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=20312&indexSearch=ID. Acesso em 12 de Dezembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Glossário de definições legais. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2006. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/281258/308532/Relatorio_5_anos_DEFINITIVO.pdf/857a85f9-ab6e-4358-b67c-1f0b81bee7d1. Acesso em 25 de Janeiro de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS /Ministério da Saúde, Secret,aria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 92 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf. Acesso em 13 de agosto 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf. Acesso em 09 de agosto e 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 84 p. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf. Acesso em 09 de agosto de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 100 p 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf. Acesso 09 de agosto de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 96 p. 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf. Acesso em 09 de agosto de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares: informe maio 2017. Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/prt_849_27_3_2017.pdf. Acesso em 09 de agosto de 2018.

BRASIL. Portaria nº 849. Inclui a Artet,erapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, , Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares., Ministério da Saúde 27 de março de 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html. Acesso em 08 de agosto de 2018.

COSTA, K.S. et al. Utilização de medicamentos e fatores associados: um estudo de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.649-658, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2011000400004&lng=en&nrm=iso. Acesso em 14 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400004.

COSTA, C.M.F.N. et al. Use of medicines by patients of the primary health care of the Brazilian Unified Health System. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 51, n. 2, p.1-11, 22 set. 2017. Universidade de Sao Paulo Sistema Integrado de Bibliotecas - SIBiUSP. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/139774. Acesso em 14 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007144

COUTO, A.G. et al. Vittalle – Revista de Ciências da Saúde, Rio Grande, p.56-62, 2018. Disponível em: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/7448-23305-1-PB%20(1).pdf. Acesso em 15 de fevereiro de 2019.

CRUZETA, A.P.S. et al. Fatores associados à compreensão da prescrição médica no Sistema Único de Saúde de um município do Sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p.3731-3737, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013001200029&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001200029.

ELIAS, M.C.; ALVES, E. Medicina não-convencional: prevalência em pacientes oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, p.523-532, 2002. Epub Jan 05, 2017. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/rbc/n_48/v04/pdf/artigo6.pdf. Acesso em 08 de abril de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00040.

FARIAS, R.G.; SANTOS, SMA.. Influência dos determinantes do envelhecimento ativo entre idosos mais idosos. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, p.167-176, 2012. Disponível em: http://www.index-f.com/textocontexto/2012pdf/21-167.pdf. Acesso em 15 de agosto de 2019.

FLORES, V.B.; BENVEGNð, LA. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.1439-1446, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n6/24.pdf. Acesso em 15 de agosto de 2019.

GÓMEZ, M.B.D. Medicina occidental y otras alternativas: ¿es posible su complementariedad? Reflexiones conceptuales. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.635-643, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2003000200030&lng=en&nrm=iso. Acesso em 16 de agosto de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000200030.

GONTIJO, M.B.A.; NUNES, MF. Práticas integrativas e complementares: conhecimento e credibilidade de profissionais do serviço público de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, [s.l.], v. 15, n. 1, p.301-320, 5 jan. 2017. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462017000100301&lng=en&nrm=iso. Acesso em 23 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00040.

GOULART, LS. et al. Medication consumption in a Brazilian area covered by the Family Health Strategy: Prevalence and associated factors. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, p.1-7, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452019000200225&lng=en&nrm=iso. Accesso em 16 de abril de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0228.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=510760. Acesso em 10 de dezembro de 2017.

LANDRY, J.A. et, al. Validation of two methods of data collection of self-reported medicine among the elderly. Gerontologist; v.28, n.5, p.672-676, 1988. Disponível em: https://academic.oup.com/gerontologist/articleabstract/28/5/672/630966?redirectedFrom=fulltext. Acesso em 15 de agosto de 2019. https://doi.org/10.1093/geront/28.5.672

LIMA, M.G. et al. Indicators related to the rational use of medicines and its associated factors. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 51, n. 2, p.1-9, 22 set. 2017. Universidade de Sao Paulo Sistema Integrado de Bibliotecas - SIBiUSP. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0034-89102017000300316&script=sci_arttext. Acesso em 16 de agosto de 2019. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007137.

LOSSO, L.N.; FREITAS, S.F.T. Avaliação do grau da implantação das práticas integrativas e complementares na Atenção Básica em Santa Catarina, Brasil. Saude Debate, Rio de Janeiro, p.171-187, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41nspe3/0103-1104-sdeb-41-spe3-0171.pdf. Acesso em 15 de agosto de 2019.

LUZ, M.T. Cultura Contemporânea e Medicinas Alternativas: Novos Paradigmas em Saúde no Fim do Século XX. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p.145-176, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v15s0/v15s0a08.pdf. Acesso em 23 de fevereiro de 2019.

OLIVEIRA, V.C.; NEVES, J.O.R; HELENA, E.T.S. Polifarmácia e padrão de utilização de medicamentos em Pomerode, SC. Arquivos Catarinenses de Medicina, Florianópolis, p.124-136, 2018. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/328/257. Acesso em 15 de agosto de 2019.

OLSSON, I.N; RUNNAMO, R.; ENGFELDT, P. Medication quality and quality of life in the elderly, a cohort study. Health And Quality Of Life Outcomes, [s.l.], v. 9, n. 1, p.1-9, 2011. Springer Nature. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/51770809_Medication_quality_and_quality_of_life_in_the_elderly_a_cohort_study. Acesso em 08 de abril de 2019. http://dx.doi.org/10.1186/1477-7525-9-95.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2014-2023. Ginebra: Organización Mundial de la Salud; 75 p. 2013. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/95008/9789243506098_spa.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 15 de janeiro de 2019.

PARANAGUÁ, T.T.B.; BEZERRA, A.L.Q. Atuação do enfermeiro em um hospital especializado em práticas integrativas. Revista de Enfermagem Uerj, Rio de Janeiro, p.261-267, 2008. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v16n2/v16n2a20.pdf. Acesso em 08 de abril de 2019.

PEREIRA, K.G. et al. Polifarmácia em idosos: um estudo de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia, [s.l.], v. 20, n. 2, p.335-344, jun. 2017. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2017000200335&lng=en&nrm=iso. Acesso em 11 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700020013.

PRADO, M.A.M.B. do et al. Uso de medicamentos prescritos e automedicação em homens. Revista Brasileira de Epidemiologia, [s.l.], v. 19, n. 3, p.594-608, set. 2016. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2016000300594&lng=en&nrm=iso. Acesso em 08 de abril de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600030010.

QUEIROZ, M.S. O itinerário rumo às medicinas alternativas: uma análise em representações sociais de profissionais da saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.363-375, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2000000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000200007.

ROSA, C.; CÂMARA, S.G.; BÉRIA, J.U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p.311-318, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232011000100033&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033.

SAAD, M; MEDEIROS, R. Terapias Complementares-Cuidados para Evitar Cuidados Adversos. Einsten: Educação Continuada em Saúde, São Paulo, p.42-3, 2009. Acesso em 20 de dezembro de 2018.

SANTOS, T.R.A. et al. Consumo de medicamentos por idosos, Goiânia, Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, p.94-103, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47n1/13.pdf. Acesso em 8 de abril de 2019.

SCLIAR, M. HISTÓRIA DO CONCEITO SAÚDE. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p.29-41, 15 mar. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a03.pdf. Acesso em 20 de janeiro de 2019.

SCHMIDT, M.I. et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, [s.l.], v. 377, n. 9781, p.1949-1961, jun. 2011. Elsevier BV. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21561658. Acesso em 27 de maio de 2019. http://dx.doi.org/10.1016/s0140-6736(11)60135-9

SECOLI, S.R. Polifarmácia: interações e reações polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, p.136-140, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672010000100023&lng=en&nrm=iso. Acesso em 11 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000100023.

SOUSA, I.M.C. et al. Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, p.2143-2154, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2012001100014&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001100014.

SUBRAMANIAN, K; MIDHA, I. Prevalence and Perspectives of Complementary and Alternative Medicine among University Students in Atlanta, Newcastle upon Tyne, and New Delhi. Int Sch Res Notices. 2016: 9309534. 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/301676983_Prevalence_and_Perspectives_of_Complementary_and_Alternative_Medicine_among_University_Students_in_Atlanta_Newcastle_upon_Tyne_and_New_Delhi. Acesso em 27 de maio de 2019.

TAVARES, N.U.L. et al. Free access to medicines for the treatment of chronic diseases in Brazil. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 50, n. 2, p.1-10, 2016. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000300313&lng=en&nrm=iso. Acesso em 27 de maio de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006118.

THIAGO, S.C.; TESSER, C.D. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Revista Saúde Pública, São Paulo, p.249-257, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 de dezembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002.

VOSGERAU, M.Z.S. et al. Consumo de medicamentos entre adultos na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, p.1629-1638, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700099&lng=en&nrm=iso. Acesso em 11 de fevereiro de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700099.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of the WHO Interregional Workshop on the Use of Traditional Medicine in Primary Health Care. Ulaanbaatar: World Health Organization; 2009. Disponível em: https://apps.who.int/medicinedocs/documents/s16202e/s16202e.pdf. Acesso em 20 de dezembro de 2018.

XUE, C.C.L.; ZHANG, A.L; LIN, V.; COSTA, C.; STORY D.F. Complementary and alternative medicine use in Australia: a national population-based survey. J Altern Complement Med, 13(6):643-650; 2007. Disponível em: https://www.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/acm.2006.6355. Acesso em Acesso em 27 de maio de 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.45405

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: