Propostas lúdico-pedagógicas nas atividades do Programa Saúde na Escola

Eliabe Rodrigues de Medeiros, Kadydja Karla Nascimento Chagas

Resumo


O Programa Saúde na Escola visa a promoção da saúde de estudantes mediante atividades que dificilmente têm apresentado características lúdicas, por isso, objetivou-se analisar as propostas lúdico-pedagógicas nas atividades do Programa Saúde na Escola. Foi realizada uma pesquisa documental com dados coletados nos portais dos Ministérios da Saúde e da Educação no mês de janeiro de 2018 e sua análise se deu mediante o referencial sobre as dimensões lúdicas: social, cultural, educacional, imaginária, reguladora, livre e espontânea, temporal e espacial, e diversão e o prazer. A partir dos dados foi possível constatar que 38,27% das atividades foram publicadas em 2013, 88,3% orientam atividades de caráter preventivo, 17,3% abordam a temática da alimentação e nutrição, 13,0% a cultura de paz e 13,0% a saúde indígena. Identificou-se ainda que 68,5% das atividades apresentaram características lúdicas e foram mais frequentes nas temáticas de cultura de paz (11,2%), saúde indígena (10,5%), práticas corporais, atividade física e lazer (10,5%) e sobre educação em direitos humanos (9,9%). As propostas lúdico-pedagógicas podem contribuir com a interação dos discentes, ou profissional de saúde e aluno mostrando-se relevante para o aprendizado do estudante. Identificou-se que as práticas lúdico-pedagógicas estão presentes nas propostas do Programa Saúde na Escola em atividades de distintas temáticas.


Palavras-chave


Saúde, Educação, Ensino, Jogos e brinquedos, Serviços de saúde escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


BOMFIM, A. M. A. et al. Recurso lúdico no processo de educação em saúde em crianças de escolas públicas de Alagoas: relato de experiência. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 117-121, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2019.

BRAGAGNOLLO, G. R. et al. Intervenção educacional sobre enteroparasitoses: um estudo quase experimental. Revista CUIDARTE, Bucaramanga, v. 9, n. 1, p. 2030-2044, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.486

BRASIL. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Triagem de Acuidade Visual: Manual de Orientação. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

______. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Semana Saúde na Escola: Guia de Sugestões de Atividades. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

______. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Manual Instrutivo: Programa Saúde na Escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2013a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia de Sugestões de Atividades: Semana Saúde na Escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2013b.

______. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Guia de Sugestões de Atividades: Semana Saúde na Escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

______. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Caderno do Gestor do PSE. Brasília: Ministério da Saúde, 2015a.

______. Ministério da Saúde e Ministério da Educação. Semana Saúde na Escola: Guia de Sugestões de Atividades. Brasília: Ministério da Saúde, 2015b.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Anotações: Relatos de Experiências da Semana Saúde na Escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

COSCRATO, G.; PINA, J. C.; MELLO, D. F. Use of recreational activities in health education: Integrative review of literature. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 257-263, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000200017

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. 14ª ed. São Paulo: Cortez, 2017.

LIMA, E. C. C. Concepção, construção e aplicação de atividades lúdicas por licenciandos da área de ensino de ciências. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Ensino, História e Filosofia das Ciências e Matemática) – Programa de Pós-graduação em Ensino, História, Filosofia das Ciências e Matemática, Universidade Federal do ABC, Santo André, São Paulo, 2015.

LOPES, I. E.; NOGUEIRA, J. A. D.; ROCHA, D. G. Eixos de ação do Programa Saúde na Escola e Promoção da Saúde: revisão integrativa. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 118, p. 773-789, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811819

MACHADO, M. F. A. S. et al. The health school programme: a health promotion strategy in primary care in Brazil. Journal Of Human Growth And Development, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 307-312, 2015. DOI: https://dx.doi.org/10.7322/jhgd.96709

MASSA, M. S. Ludicidade: da Etimologia da Palavra à Complexidade do Conceito. Aprender - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Vitória da Conquista, v. 9, n. 15, p. 111-130, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2019.

MEDEIROS, E. R. et al. Facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em um município do nordeste do Brasil. Revista CUIDARTE, Bucaramanga, v. 9, n. 2, p. 2127-2134, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.514

MEDEIROS, E. R.; PINTO, E. S. G. Experience and professional training in the School Health Program. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 52, e03378, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2017048603378

MEDEIROS, E. R. et al. Professional qualification in the School Health Program from the perspective of Complexity Theory. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, e20190035, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0035.

MÉNDEZ, J. D. M.; BARRERA, C. J. G.; OSPINA, J. F. M. Perfil de responsabilidad social empresarial para las entidades promotoras de salud - régimen contributivo de Bucaramanga y su área metropolitana. Revista CUIDARTE, Bucaramanga, v. 5, n. 1, p. 633-643, 2014. DOI: https://doi.org/10.15649/cuidarte.v5i1.101

PENSO, M. A. et al. A relação entre saúde e escola: percepções dos profissionais que trabalham com adolescentes na atenção primária à saúde no Distrito Federal. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 542-453, 2013 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000200023

SILVA, U. O. A., et al. Health program in a Brazilian school. Salud Pública de México, Cuernavaca, v. 59, n. 1, p. 28-33, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.21149/8412

SOUSA, M. C.; ESPERIDIÃO, M. A.; MEDINA, M. G. Intersectorality in the ‘Health in Schools’ Program: an evaluation of the political-management process and working practices. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1781-1790, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017226.24262016

VIEIRA, L. S.; SAPORETTI, G. M.; BELISÁRIO, S. A. Programa Saúde na Escola: marcos jurídicos e institucionais. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 26, supl. 8, p. S381-S387, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.45394

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: