Avaliação da qualidade do ar interior: um estudo de caso em um frigorífico no sul do Estado do Espírito Santo

Wanderson Lyrio Bermudes, Denis Ferreira Coutinho

Resumo


A necessidade de garantir uma qualidade de ar em ambiente interno climatizado, vem ampliando as ações de fiscalização e melhoria. Esse estudo de caso apresenta a avaliação da qualidade de ar em um frigorífico localizado no sul do Estado do Espírito Santo, em 2015, utilizando a metodologia descrita na Resolução 09 de 2003 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, com análise dos agentes: partículas fúngicas no ar, dióxido de carbono, temperatura, umidade e velocidade do ar. Dentre os resultados apresentados, foi observado no setor de desossa valor de dióxido de carbono de 1.720 ppm, superior ao recomendado, que apesar de não apresentar grandes problemas de toxicidade, causa no trabalhador a sensação de não haver ar suficiente. O resultado de temperatura e umidade apresentaram valores fora da faixa recomendável, devido à particularidade da empresa e atividade que necessita de menor temperatura para conservação dos alimentos. Diante desse resultado sugere uma maior troca de ar do ambiente de forma a tornar mais satisfatória a presença do trabalhador no ambiente.

Palavras-chave


Ambiente. Qualidade. Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. F. D. V. et al. Identificação de fatores de riscos ocupacionais no processo de abate de bovinos. Cadernos de Pesquisa, v. 19, n. 3, 2013.

ATLAS. Segurança e medicina do trabalho. Editora Altas. 82ª Edição. São Paulo. 2019. 1.224 p.

AURÉLIO NETO, O. P. Estratégia espacial no mercado mundial de carne: a internacionalização do setor frigorífico brasileiro. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Socioambientais (Iesa), Programa de Pós-Graduação em Geografia, Goiânia, - 2018. 380 f.: il.

BAASCH, C. A.; HASSE, C. R.; ALEXANDRINI, F. Monitoração do controle de temperaturas de frigorífico conforme circular 175 do MAPA. SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. 2009

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Portaria nº 3.523, de 28 de agosto de 1998. Aprova regulamento técnico que garante a qualidade do ar de interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados. Brasília (DF): Diário Oficial da União; 31 ago. 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde n.º 176 de 24 de outubro de 2000. Determina a publicação de orientação técnica elaborada por grupo técnico assessor, sobre padrões referenciais de qualidade do ar interior, em ambiente climatizados artificialmente de uso público e coletivo. Brasília, DF, 2000.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução 09, de 16 de janeiro de 2003. Determinar a publicação de orientação técnica elaborar por grupo técnico assessor, sobre padrões referenciais de qualidade do ar interior, em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo em anexo. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 20 jan. 2003.

CASTRO, K. D. de. Impactos da qualidade do espaço arquitetônico na produtividade do trabalhador. Revista Pretexto, v. 8, n. 2, p. 23 – 38, jul-dez. 2007.

CARTAXO, E. F.; et al. Aspectos de contaminação biológica em filtros de condicionadores de ar instalados em domicílios da cidade de Manaus – AM. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 202-211, 2007.

CERQUEIRA, P. E. S; GUIMARÃES FILHO, A. B. Qualidade do ar em ambientes internos climatizados em uma indústria petroquímica. Revista Cientefico, v. 17, n. 35, p. 109-126, 2017.

COSTA, Maria. de F. B. da; COSTA, Marco. A. F. A qualidade do ar de interiores e a saúde humana. InterfacEHS, v. 1, n. 2, Artigo 5. p. 1-10. 2006.

FERREIRA, D.; et al. Estabelecimentos de restauração e Bebidas: estudo sobre a Qualidade do Ar Interior em Cozinhas. Occupational Safety and Hygiene-SHO 2012-Book of Abstracts, p. 189-191, 2012.

INMETRO. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Qualidade do ar em estabelecimentos de uso público e coletivo. Brasília, 2002.

LEMOS, M. M. da S. Avaliação da qualidade microbiológica do ar em cozinhas e zonas de buffet. 2011. Dissertação de Mestrado. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. 54 p.

MENEGALI, I.; et al. Ambiente térmico e concentração de gases em instalações para frangos de corte no período de aquecimento. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 13, n. 10, p. 984-990, 2009.

SCHIRMER, W. N.; et al. A poluição do ar em ambientes internos e a síndrome dos edifícios doentes. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 3583-3590, 2011.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2020.41787

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: