Contribuições da Tecnologia para Assistência de Enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva

Vinícius Rodrigues Barboza Siqueira, Wendyza Priscyla de Carvalho Vasconcelos, Gleidson Monteiro dos Santos, Gésica Kelly da Silva Oliveira

Resumo


O processo tecnológico foi inserido em nosso cotidiano em todos os aspectos, a cada dia são implementados em nossa rotina novas tendências com o intuito de contribuir para a otimização do tempo, diante disso houve o aprimoramento das práticas em saúde visando a evolução clínica positiva do paciente, oportunizando ao profissional a chance de agregar conhecimento e acompanhar as inovações no que concernem as “novas tecnologias” em prol das comunidades. Esta pesquisa objetivou investigar quais as contribuições da evolução tecnológica sobre a ótica dos enfermeiros dentro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), analisando as vantagens e desvantagens do uso da mesma na assistência ao paciente. Trata-se de um estudo transversal descritivo, de abordagem quantitativa, realizado com 14 enfermeiros do setor da UTI de um Hospital do interior de Pernambuco. Os resultados apontaram que a maioria dos equipamentos se encontrava em bom estado de conservação, além disso, os participantes pontuaram que o déficit do manuseio dos equipamentos, bem como a manutenção destes, se caracteriza como fatores que dificultam a assistência junto aos aparatos tecnológicos e equipamentos mais significativos dentro da Unidade de Terapia Intensiva. Os aparatos tecnológicos contribuem expressivamente para a melhoria da assistência à saúde, cabe a gestão condicionar fatores que propiciem o uso de equipamentos e aos profissionais que desenvolvem a assistência a capacidade e autonomia de utilizá-los de forma coerente.


Palavras-chave


Unidades de terapia intensiva; enfermagem; tecnologia em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, T. F. K; AMENDOLA, F; TROVO, M. M. Tecnologias relacionais como instrumentos para o cuidado na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília , v. 70, n. 5, p. 981-987, out. 2017. Disponível em . Acessos em: 09 fev. 2018.

ALMEIDA, Q.; FÓFANO, G.A. Tecnologias leves aplicadas ao cuidado de enfermagem na unidade de terapia intensiva: uma revisão de literatura. HU Revista. Juiz de Fora. v. 42, n. 3, p. 191-196, 2016. Disponível em < http://ojs2.ufjf.emnuvens.com.br/hurevista/article/view/2494 > Acesso em: 09.06.2017.

BERTUCCI, J.L.O. Metodologia básica para elaboração de trabalhos de conclusão de cursos (TCC). 1.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESOLUÇÃO- Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. 2010. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html> Acesso em: 07.06.2017.

CARGNIN, M.C.S; OTTOBELLI, C; BARLEM, E.L.D; CEZAR-VAS, M. R. Tecnologia no cuidado da enfermagem e a carga de trabalho em UTI. Revista de enfermagem UFPE on line. Recife. v.10, n. 2, p. 903-7, 2016. Disponível em Acesso em: 06.09.2017.

FERNANDES, G.T; ALVES, L.N; CUNHA, L.S; MONTEIRO, M.C; BATISTA, R.S. Tecnologia de Ponta em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e sua Influência na Humanização do Cuidado de Enfermagem. Rio de Janeiro; s.n; 2010. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/hfb/roberto_batista.pdf> Acesso em: 06.08.2017.

GOMES, A.T.L; ASSIS, I. M. S; FERREIRA, L. L; BEZERRIL, M.S; CHIAVONE, F. B.T; DSNTOD, V. E. P. Tecnologias aplicadas à segurança do paciente: uma revisão bibliométrica. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v.7, p.1-11, 2017. Disponível em < http://seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/viewFile/1473/1719> Acesso em: 26.07.2018.

LAZZARI, D.D.; SHIMIDT, N.; JUNG, W. Educação continuada em Unidade de Terapia Intensiva na percepção de enfermeiras. Revista de Enfermagem da UFSM. v.2, n.1, p 88-96, 2012. Disponível em < https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/4592> Acesso em: 15.08.2017.

MENDES, T.N.C. UTI – Passado, Presente e Futuro. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) - Universidade Estadual do Maranhão, Centro de Estudos Superiores de Itapecuru-mirim CESIM, Itapecuru-mirim, 2010.

OLIVEIRA, E.B.; SOUZA, N.V.M. Estresse e inovação tecnológica em unidade de terapia intensiva de cardiologia: tecnologia dura. Revista Enfermagem UERJ. Rio de Janeiro. v.20, n.4, p 457-62, 2012. Disponível em < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4768 > Acesso em: 01.05.2017.

PEREZ JÚNIOR, E.F; OLIVEIRA, E.B; SOUZA, N. V. D. O; LISBOA, M.T. L; SILVINO, Z. R. Segurança no desempenho e minimização de riscos em terapia intensiva: tecnologias duras. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro. v. 22, n. 3, p. 327-33, 2014. Disponível em < http://www.facenf.uerj.br/v22n3/v22n3a06.pdf > Acesso em: 01.05.2017.

SALVADOR, P.T.C.O; OLIVEIRA, R. K .M; COSTA, T. D; SANTOS, V. E. P; TOURINHO, F. S. V. Tecnologia e inovação para o cuidado em enfermagem. Revista Enfermagem UERJ. Rio de Janeiro. v.20, n.1, p 111-7, 2012. Disponível em < http://www.facenf.uerj.br/v20n1/v20n1a19.pdf > Acesso em 18.05.2017.

SILVA, R.C; FERREIRA, M.A; APOSTOLIDIS, T; BRANDÃO, M.A.G. Um marco conceitual da clínica do cuidado de enfermagem na terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem . v. 23, n. 5, p. 837-45, 2015. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n5/pt_0104-1169-rlae-23-05-00837.pdf> Acesso em: 20. 06.2017.

SOUZA, L.L. Representações de gênero na prática de enfermagem na perspectiva de estudantes. Ciências & Cognição, v. 19, n.2, p. 218-232, 2014. Disponível em Acesso em 12.08.2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.40086

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: