Uso da tecnologia como recurso didático no ensino em enfermagem: percepções dos estudantes

Luís Felipe Pissaia, Sabrina Monteiro, Juliana Thomas, Arlete Eli Kunz da Costa

Resumo


Resumo: Este estudo objetiva verificar as percepções de estudantes de enfermagem sobre o uso de tecnologias digitais em sala de aula em uma Instituição de Ensino Superior do interior do Rio Grande do Sul, Brasil. Trata-se de um estudo descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa. Participaram 31 estudantes da disciplina de Exercício Profissional, integrante do currículo específico do curso de graduação em enfermagem. A coleta dos dados ocorreu por meio da aplicação em sala de aula de questionário estruturado, com quatro perguntas sobre o assunto. Para a análise de dados, utilizou-se a Análise de Conteúdo teorizada por Bardin, para tanto, foram elencadas quatro categorias: O professor e suas tecnologias: as percepções dos alunos sobre o uso em sala de aula; Oportunidades do uso de tecnologias em sala de aula: a prática do professor a partir das percepções dos estudantes; Ensino e tecnologias: compreensões dos estudantes sobre sua relação; A formação em enfermagem e o uso de tecnologias: intersecções sobre o mercado de trabalho. Partindo da análise dos dados, é possível inferir que houve dois posicionamentos em relação aos estudantes, aqueles que percebem o uso da tecnologia como algo importante no dia-a-dia e outros que, ao contrário, não a utilizam com tanta profundidade para a sua aprendizagem.

Palavras-chave


Ensino; Ensino em Enfermagem; Tecnologias em Sala de Aula; Tecnologias em Saúde; Ensino em Saúde; Instituição de Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Prática e formação de professores na integração de mídias. Prática pedagógica e formação de professores com projetos: articulação entre conhecimentos, tecnologias e mídias. In: ALMEIDA, M. E. B.; MORAN, J. M. (Orgs.). Integração das tecnologias na educação. Brasília,DF: MEC/SEED, 2005. p.39-45

AUSUBEL, D. P. The Yacquisition and retention of knowledge: a cognitive view. Dordrecht: Kluwer Academic Publisher, 2000. 210p.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BASTABLE, S. B. O Enfermeiro como Educador: princípios de ensino aprendizagem para a prática de enfermagem – 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 688p.

CAMPOS, P. K. A formação docente integrada ao ambiente computacional e sua (re)signifi cação na prática pedagógica em matemática: análise de um caso. 2007. 152f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade São Francisco, Itatiba, SP, 2007.

CHIRELLI. M. Q. O processo de formação do enfermeiro crítico-reflexivo na visão dos alunos do curso de enfermagem da FAMEMA. Tese (Doutorado em Enfermagem). Ribeirão Preto(SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo ;2002. 286 f. COLL, C. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica a elaboração do currículo escolar. São Paulo: Ática; 2000

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES N. 3, de 07 de novembro de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em enfermagem. Diário Oficial da República Federativa da União. Brasília, 09 nov. 2001. Seção 1, p. 37.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 8. Ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2003.

FREITAS, R. C. Diálogos possíveis: os desafios do uso da internet na escola. 2006. 95f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

GIBERTONI, J. et al. Plano de ensino de enfermagem em centro cirúrgico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 7, n. 2, p. 152-176, 2018.

GOMES LIMA, M. F. et al. Desenvolvendo competências no ensino em enfermagem obstétrica: aproximações entre teoria e prática. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, n. 5, 2017.

MAFFISSONI, A. L.; VENDRUSCOLO, C.; LIMA TRINDADE, L. Redes de atenção à saúde no VER-SUS Oeste Catarinense: contribuições para o ensino em enfermagem. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 7, n. 2, p. 167-178, 2017.

MASETTO. M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2006. p.133-173.

MORAES, S. A. O uso da internet na prática docente: reflexões de uma pesquisadora em ação. 2006. 107f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2006.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12. ed. Campinas,SP: Papirus. 2006. p.11-66.

NÓVOA, A. Carta a um jovem investigador em educação. Investigar em Educação, Porto, n. 3, p. 13-21, 2015.

PEREIRA, L. G. M.; CARDOSO, A. L. A formação profissional do enfermeiro docente, que atua no ensino técnico: e o saber formar profissionais capazes de pensar e gestar soluções. Revista Uningá, v. 54, n. 1, 2017.

PÉREZ GÓMEZ, A. L. Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso, 2015. 192p.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no Ensino Superior. 2. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2005.

PISSAIA, L. F. et al. Impacto de tecnologias na implementação da sistematização da assistência de enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 1, p. 1-20, 2018.

RIEGEL, F,; CROSSETTI, M. G. O. Pensamento crítico holístico no ensino da enfermagem. Simpósio do Processo de Enfermagem (8.: 2017: Porto Alegre, RS) Processo de enfermagem: estratégia para resultados seguros na prática clínica. Porto Alegre: HCPA, 2017.

SANTOS, E. O. et al. Aprendizagem baseada em problemas no ensino da enfermagem. Revista Contexto & Saúde, v. 17, n. 32, p. 55-66, 2017.

SOUZA, J. B.; COLLISELLI, L.; MADUREIRA, V. S. F. A utilização do lúdico como estratégia de inovação no ensino da enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v. 7, 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.38455

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: