Mapeando os estudos sobre educação médica no Brasil: tendências e perspectivas

Eveline Tonelotto Barbosa Pott, Henrique Pott Junior

Resumo


Este estudo tem como objetivo mapear os principais temas estudados na área da Educação Médica ao nivel da graduação, possibilitando traçar as principais tendências e propostas pedagógicas para a formação do profissional médico no Brasil. Para tanto, foi realizado uma revisão dos estudos publicados de 2013 à 2018, utilizando-se como descritores “educação médica” e “educação de graduação em medicina”. Um total de 93 estudos foram analisados e organizados nas seguintes categorias de anáise: a arte mobilizando o ensino; o processo de avaliação; a formação e as percepções de docentes; o uso de tecnologias digitais no ensino médico; as percepções de alunos sobre o ensino médico; metodologias ativas de ensino-aprendizagem; relatos de experiência de instituições de ensino médico sobre a reformulação curricular; relatos de experiência sobre a reformulação de disciplinas; e o repensar sobre a educação médica. Como resultados do estudo, constatou-se que os principais temas de investigação na área de Educação Médica referem-se ao uso de tecnologias digitais mobilizando o ensino e as metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Por outro lado, os temas que menos apresentaram estudos foram aqueles referentes ao processo de avaliação e a percepção de alunos e professores acerca nas inovações curriculares. Evidencia-se, assim, que há uma tendência em criar novas estratégias de ensino, porém faltam estudos que avaliem os impactos da implementação destas estratégias sob a perspectiva de docentes e discentes. Com este estudo, foi possível caracterizar os principais temas, mapeando as tendências e projetando perspectivas de futuras investigações na área de Educação Médica.

Este estudo tem como objetivo mapear os principais temas estudados na área da Educação Médica ao nivel da graduação, possibilitando traçar as principais tendências e propostas pedagógicas para a formação do profissional médico no Brasil. Para tanto, foi realizado uma revisão dos estudos publicados de 2013 à 2018, utilizando-se como descritores “educação médica” e “educação de graduação em medicina”. Um total de 93 estudos foram analisados e organizados nas seguintes categorias de anáise: a arte mobilizando o ensino; o processo de avaliação; a formação e as percepções de docentes; o uso de tecnologias digitais no ensino médico; as percepções de alunos sobre o ensino médico; metodologias ativas de ensino-aprendizagem; relatos de experiência de instituições de ensino médico sobre a reformulação curricular; relatos de experiência sobre a reformulação de disciplinas; e o repensar sobre a educação médica. Como resultados do estudo, constatou-se que os principais temas de investigação na área de Educação Médica referem-se ao uso de tecnologias digitais mobilizando o ensino e as metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Por outro lado, os temas que menos apresentaram estudos foram aqueles referentes ao processo de avaliação e a percepção de alunos e professores acerca nas inovações curriculares. Evidencia-se, assim, que há uma tendência em criar novas estratégias de ensino, porém faltam estudos que avaliem os impactos da implementação destas estratégias sob a perspectiva de docentes e discentes. Com este estudo, foi possível caracterizar os principais temas, mapeando as tendências e projetando perspectivas de futuras investigações na área de Educação Médica.


Palavras-chave


Educação médica; Educação de graduação em medicina; Revisão sistemática

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, J. C. S.; ALMEIDA, L. D. S. Raciocínio Clínico e Pensamento Crítico: Desenvolvimento na educação médica. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, n. 12, p. 19, 17 dez. 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CES no 3, de 20/06/2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União, 2014.

BRAUN, V.; CLARKE, V. Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, v. 3, n. 2, p. 77–101, jan. 2006.

DIAS, D. et al. O que se “ensina” no Ensino Superior: avaliando conhecimentos, competências, valores e atitudes. Revista Meta: Avaliação, v. 10, n. 29, p. 318, 15 ago. 2018.

DISSEMINATION, C. FOR R. AND; YORK, U. OF. Systematic Reviews: CRD’s Guidance for Undertaking Reviews in Health Care. [s.l.] Centre for Reviews and Dissemination, 2009.

FEUERWERKER, L. C. M. O movimento mundial de educação médica: as conferências de Edinburgh. Cadernos da Abem, v. 2, n. 2, p. 30-38, june 2006.

HAMAMOTO FILHO, P. T.; SANTOS FILHO, C. A.; ABBADE, J. D.; PERACOLI, J. C.. Produção científica sobre educação médica no Brasil: estudo a partir das publicações da Revista Brasileira de Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, n. 4, p. 477–482, dez. 2013.

NOGUEIRA, M. I. As Mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 2, p. 262-270, june 2009.

SIQUEIRA, B. P. CINAEM - um pouco de sua história. Cadernos da Abem, v. 2, n. 2, p. 54-56, june 2006.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.38418

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.