Cuidados Paliativos Oncológicos: o Cuidar na Perspectiva dos Profissionais de Saúde

Andrea Georgia de Souza Frossard, Thayana Christina de Castro Miller

Resumo


O câncer é uma doença crônica e progressiva que se apresenta no cenário internacional suscitando preocupação na vida cotidiana das populações como o receio da perda da independência e o descontrole sobre a dor humana nas pessoas que se encontram fora de possibilidade terapêutica de cura. Uma competência central do Serviço Social é o acolhimento aos pacientes oncológicos e sua rede de cuidados. Intenta-se compreender as concepções sobre os Cuidados Paliativos, com base na teoria de Representação Social elaboradas por profissionais de saúde e a identificação de temas relevantes para um adequado processo de acolhimento na perspectiva do Serviço Social. Buscou-se amparo na pesquisa qualitativa, se utilizando da análise temática de conteúdo. Conclui-se que o ato de cuidar e de acolher está intimamente ligado à comunicação.

Palavras-chave


Cuidado e Acolhimento. Comunicação. Serviço Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA NACIONAL DE CUIDADOS PALIATIVOS. Manual de Cuidados Paliativos. CARVALHO, Ricardo Tavares de PARSONS, H. A. (Org.). Porto Alegre: Sulina, 2012.

AMÉRICO, A. F. Q. As últimas quarenta e oito horas de vida. In. CARVALHO, R. T.; PARSONS, H. A. (org.). Manual de Cuidados Paliativos. Academia Nacional de Cuidados Paliativos – ANCP. Porto Alegre: Sulina, 2012.

ANDRADE, L. O papel do assistente social na equipe. In: CARVALHO, RT e PARSONS, HAF (org.). Manual de Cuidados Paliativos. Academia Nacional de Cuidados Paliativos - ANCP. Porto Alegre: Sulina, 2012.

ANDRADE, L. (Org.). Cuidados Paliativos e Serviço Social: Um exercício de coragem. São Paulo: Setembro, 2015.

BRASIL. Política Nacional de Atenção Oncológica (PNAO): Promoção, Prevenção, Diagnóstico, Tratamento, Reabilitação e Cuidados Paliativos. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.439, 2005.

. Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS. 3ª edição. Brasília, 2006.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1981

BOFF, L. Desafio permanente: cuidar de si mesmo. Artigo publicado no Jornal do Brasil, em 2 de agosto de 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 16 fev. 2018

BURLÁ, C.; PY, L. Cuidados paliativos: ciência e proteção ao fim da vida. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, Vol.30, nº6, 2014, p.1-3.

CECÍLIO, L. C. O; MERHY, E. E. A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. Campinas, 2003. Disponível em: Acesso em: 6 fev. 2018.

CHUPEL, C.P.; MIOTO, R.C.T. Acolhimento e serviço social: contribuição para a discussão das ações profissionais no campo da saúde. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, Vol. 9, nº. 2,2015, p.37-59.

DANTAS, M. Economia política da informação e comunicação em tempos de internet: revisitando a teoria do valor nas redes e no espetáculo. In. Liinc em Revista. Vol.8, nº1. Rio de Janeiro, 2012.

DATAFOLHA. Brasileiros não temem a morte, mas a dependência. Instituto de Pesquisa Datafolha. Equilíbrio e Saúde. São Paulo, 29 de janeiro de 2018. Disponível em: . Acesso no dia 06 de fevereiro de 2018.

ESSLINGER, Ingrid. O paciente, a equipe de saúde e o cuidador: de quem é a vida, afinal? Um estudo acerca do morrer com dignidade. In. PESSINI, Leo; BERTACHINI, Luciana. Humanização e Cuidados Paliativos. São Paulo: Edições Loyola, 3ª edição, 2006, p. 149-162.

FROSSARD, Andréa. Vidas em Partidas. Rio de Janeiro: Quarter, 2014.

. Os Cuidados Paliativos como política pública: notas introdutórias. In: Cadernos EBRAPE BR, Vol. 14, Edição Especial. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra Ed, 1989.

HERMES, H.R; LAMARCA, I.C.A. Cuidados Paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. Vol.18 n.9. Rio de Janeiro , 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil – Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 17. ed. São Paulo: Cortez, 1982.

IAMAMOTO, M. V. Questão social, família e juventude: desafios do trabalho do assistente social na área sociojurídico. In: SALES, M. A. et al. Política social, família e juventude: uma questão de direitos. São Paulo: Cortez, 2004, p.261-98.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.

LARKIN; GAMONDI; PAYNE. Competências Centrais em Cuidados Paliativos: Um Guia Orientador da EAPC sobre Educação em cuidados paliativos – parte 1. In. The European Journal of Palliative Care. Vol.20, nº 2, 2013, p. 86 - 145.

MCCOUGHLAN, M. A Necessidade de Cuidados Paliativos. In. PESSINI, Leo; BERTACHINI, Luciana. Humanização e Cuidados Paliativos. 3ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2006, p. 167-179.

MARX, K. A Ideologia Alemã. São Paulo: ed. Hucitec, 1986.

MACHADO, G. C.; OURO, E. T. R; SANTANA, F.P. G. Acolhimento de enfermagem em oncologia: enfrentamento da doença pelos pacientes em Feira de Santana-BA. Revista Brasileira de Saúde Funcional. Vol.2, nº12, 2015.

MARINHO, J. M. de A. Uma ação de mudança na organização dos cuidados oferecidos às pacientes com câncer avançado do colo do útero em um hospital do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: < http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/lil-609668.> Acesso em: 15 de março de 2017.

MERHY, EE. O Ato de Cuidar: a alma dos serviços de saúde?. Campinas, 1999. Disponível em: http://www.pucsp.br/prosaude/downloads/bibliografia/ato_cuidar.pdf> Acesso em: 10 fev, 2018.

MINAYO. M. C. de S. Pesquisa Qualitativa em Saúde. 7ª edição. São Paulo: Hucitec, 2007.

MORITZ, RD. (Org.). Cuidados Paliativos nas Unidades de Terapia Intensiva. São Paulo: Atheneu, 2012.

NETTO, J.P; CARVALHO, MCB. Cotidiano: conhecimento e crítica. 10ªed. São Paulo: Cortez editora, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Cuidados Paliativos, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02/02/2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2018.

PESSINI, L. A Filosofia dos Cuidados Paliativos: uma resposta diante da obstinação terapêutica. In. PESSINI, Leo; BERTACHINI, Luciana. Humanização e Cuidados Paliativos. São Paulo: Edições Loyola, 3ª edição, 2006, p. 181-204.

SANTOS. E.T. O acolhimento como um processo de intervenção do Serviço Social. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Serviço Social, 2006.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA. O que são Cuidados Paliativos? Comissão Permanente de Cuidados Paliativos da SBGG, 2015.

SOUZA, R. P.; FORTE, D. Especialidades da Comunicação em Situações Críticas. In Moritz, Raquel Duarte Cuidados Paliativos nas Unidades de Terapia Intensiva. São Paulo: Ateneu, 5-16, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.36461

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: